Foram abatidas 706,5 mil cabeças no segundo trimestre | Crédito: Calil Neto

Ao longo do segundo trimestre de 2019, Minas Gerais apresentou aumento no abate de suínos e frangos. Quando comparado com igual período do ano anterior o acréscimo foi de 3,5% e de 3,9%, respectivamente. Já o abate de bovinos recuou 1%. A produção mineira de leite industrializado ficou 3,9% maior no período. Os dados são da Pesquisa Trimestral de Abate de Animais, divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O levantamento mostra que foram abatidas 1,41 milhão de cabeças de suínos no Estado ao longo do segundo trimestre de 2019, variação positiva de 3,5%. Entre abril e junho, o peso das carcaças somou 123,5 mil toneladas, volume que ficou 2,5% superior às 120,4 mil toneladas registradas em igual período de 2018.

O aumento do abate de suínos tem como justificativa a alta das exportações. De acordo com os pesquisadores do IBGE, durante o segundo trimestre, Minas Gerais destinou ao mercado internacional 3,2 mil toneladas de carne suína, volume 108,6% superior as 1,55 mil toneladas destinadas ao exterior em igual período do ano anterior.

Com o aumento dos embarques, a oferta do produto ficou em baixa e contribuiu para a evolução dos preços no mercado interno. Enquanto a média do preço pago pelo suíno vivo, no segundo trimestre de 2018, era de R$ 3,38, em igual período deste ano, o valor subiu para R$ 4,87 por quilo do suíno vivo, 44,08% maior.

Aves – Entre abril e junho, o abate de frangos, em Minas Gerais, cresceu 3,9% frente a igual período do ano anterior. Ao todo, o abate alcançou 105,5 milhões de cabeças. O peso das carcaças, 253 mil toneladas, ficou 1,4% superior. Durante o segundo trimestre, as exportações mineiras de carne de frango recuaram 26,1% com o embarque de 20,3 milhões de toneladas.

No mesmo período, a produção de ovos de galinha cresceu 9,5% e somou 88,6 milhões de dúzias. O efetivo de galinhas poedeiras, 15,5 milhões de cabeças, ficou 6,8% maior.

Bovinos – Ao contrário das demais proteínas, o abate de bovino recuou. De acordo com os dados do IBGE, em Minas Gerais, foram abatidas 706,5 mil cabeças de bovinos, volume que ficou 1% inferior as 713,9 mil cabeças abatidas em igual intervalo de 2018. O peso das carcaças de bovinos alcançou 170,1 mil toneladas, incremento de apenas 0,7%.

Os dados da Secretaria de Comércio Exterior mostram que, entre abril e junho de 2019, as exportações de carne bovina, feitas por Minas Gerais, somaram 36,8 mil toneladas, volume 58,7% superior as 23,2 mil toneladas embarcadas em igual período do ano passado, período afetado pela greve dos caminhoneiros que impactou significativamente a logística do setor de proteína animal.

No mercado interno, os preços da arroba se mantiveram em alta no intervalo. Segundo os pesquisadores do IBGE, de abril a junho a arroba do boi gordo foi cotada a R$ 153,43, variando de R$ 159,2 por arroba a R$ 144,85 por arroba. O valor médio ficou 9% superior ao praticado no mesmo período do ano anterior, quando a média alcançou R$140,76 por arroba.

Em relação à produção de leite no Estado, a aquisição e industrialização de leite cresceu, no segundo trimestre, e somou 1,44 bilhão de litros, alta de 3,9%, frente a igual intervalo do ano passado.

Segmento de bovinos tem alta na média nacional

Rio – O abate de bovinos e suínos cresceu no segundo trimestre deste ano no País, tanto na comparação com o primeiro trimestre quanto em relação ao segundo trimestre de 2018.

Os dados do setor pecuário foram divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O total de bois, vacas e novilhos abatidos no segundo trimestre deste ano chegou a 8,04 milhões de animais, 1,4% a mais do que no trimestre anterior e 3,5% superior ao segundo trimestre do ano passado.

No segundo trimestre deste ano, foram abatidos 11,39 milhões de porcos, ou seja, 0,9% a mais do que no trimestre anterior e 5,2% a mais do que no segundo trimestre de 2018.

Já o total de frangos abatidos (1,42 bilhão de animais) também cresceu em relação ao ano anterior (3,4%), mas caiu em relação ao primeiro trimestre deste ano (-0,9%).

Outros dados – A aquisição de leite somou 5,85 bilhões de litros no segundo trimestre de 2019, uma alta de 6,9% em relação ao mesmo período do ano passado e uma queda de 5,8% na comparação com o primeiro trimestre deste ano.

A produção de ovos (942,45 mil dúzias) foi superior em 7,2% ao volume do mesmo período do ano passado e em 1,9% na comparação com o primeiro trimestre deste ano. (ABr)