Os presidentes da ACMinas, Aguinaldo Diniz Filho, e da Cemig, Cledorvino Belini, assinaram ontem, de manhã, na sede da Associação Comercial e Empresarial de Minas, em Belo Horizonte, um acordo que permitirá aos associados da entidade acesso aos benefícios gerados pelo sistema de geração distribuída de energia oferecido pela companhia, incluindo uma redução nos custos de energia de até 22%.

“Com o convênio assinado com a Cemig e com a Cemig Geração Distribuída, estamos pensando na produtividade e competitividade dos nossos associados pela consequente redução no valor da conta, sem nenhum investimento daqueles associados”, explica Aguinaldo Diniz.

Segundo ele, os associados que fizerem adesão ao consórcio poderão usufruir conforme a escala de consumo de energia, com uma redução de até 22% na conta. Atualmente a ACMinas conta com 1.500 associados e a expectativa é de atração de novos membros para integração ao sistema.

A adesão ao sistema de fazendas solares não demanda qualquer tipo de investimento, pois a distribuição será feita por meio de redes já existentes, fruto de Sociedade de Propósito Específico (SPE) formada pela Cemig GD e Mori Energia Solar.

Segundo informou a ACMinas, são muitos os benefícios para seus associados, pois não haverá necessidade de obras ou instalações, a fonte de energia é limpa, renovável e sustentável e ainda pode gerar economia no custo com energia entre 13% e 22%, dependendo da categoria de consumo e do prazo de contratação do serviço. No entanto, para aderir, é preciso ser pessoa jurídica atendida pela Cemig Distribuição, com consumo mensal médio de energia elétrica superior a 500 kWh.

Para os consumidores que têm um consumo médio de 500 kWh a 4.999kWh/mês, com valor da conta de energia entre R$ 400,00 e R$ 4.000,00, o desconto será de 13%, caso o contrato de adesão seja de 12 meses. Se for de 36 meses, sobe para 16% e, para 60 meses, chega a 19%. Há descontos progressivos de acordo com o nível de consumo e prazo de contratação, podendo chegar a uma redução de 22% caso o consumo seja superior a 50.000kWh/mês, em valor acima de R$ 40 mil mensais, e adesão por um prazo de 60 meses.

Leia também
Consórcio vai explorar produção de usinas solares

Escritório – De acordo com o presidente da Cemig GD, Danilo Gusmão, até o fim deste mês, a companhia montará um escritório na sede da ACMinas para atender os associados interessados em fazer parte do consórcio.

“Em outubro começa o fornecimento de energia e, em novembro, já estarão recebendo as contas, com os descontos”, anuncia. Segundo ele, a Cemig está atenta à necessidade do empresariado mineiro há mais de 60 anos “e não poderia ficar de fora desse momento, de energias renováveis, e trazer o benefício de redução de custos”.

O analista de vendas da Cemig GD, André Luiz Corrêa Dias, explica que, de acordo com esse sistema, o cliente praticamente estaria alugando uma quota das fazendas solares que estão sendo implantadas em Minas Gerais por meio de Sociedades de Propósito Específico (SPE) formadas entre a Cemig GD e a Mori Energia Solar.

“O consorciado não investe nada, tem risco zero. O risco todo é da SPE, que é uma sociedade montada com a iniciativa privada, que faz a gestão do consórcio”, informou. Segundo ele, o ganho da SPE é conseguir fazer em grande escala uma produção grande, com boa rentabilidade. “E o cliente tem um bom desconto, pois a SPE aluga toda a estrutura para o consórcio”, explicou.