As operações de custeio representaram a maior participação nos empréstimos aos produtores - Crédito: Clverson Beje/FAEP

As contratações das operações de crédito rural da safra 2019/2020 no período de julho a outubro deste ano somaram R$ 77,35 bilhões, alta de 4% na comparação com a safra anterior (2018/2019). As operações de custeio alcançaram R$ 46,1 bilhões (+ 6%), investimento, R$ 17,5 bilhões (+8%), comercialização, R$ 8 bilhões (-26%), e as de industrialização, R$ 5,5 bilhões (+62%).

Os números fazem parte do Balanço de Financiamento Agropecuário da Safra 2019/2020, divulgado ontem pela Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com base nos dados do Sistema de Operações do Crédito Rural e do Proagro (Sicor), do Banco Central.

Em relação às contratações de investimento, houve destaque para os programas Inovagro (Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária), com desembolso de R$ 855 milhões (+ 97%), e Pronamp (Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural), com aplicação de R$ 1 bilhão (+ 51%).

O número de contratos de custeio formalizado nesses quatro meses pelo Pronamp teve alta de 18%, alcançando 69.754 contratos. De acordo com a SPA, esse incremento foi em decorrência do aumento da subexigibilidade de aplicação dos recursos dos Depósitos à Vista no Pronamp, que passou de 15%, para 25%, aumentando o acesso dos médios produtores rurais aos recursos obrigatórios.

Nesse primeiro quadrimestre da safra atual, a participação dos recursos livres no financiamento da agricultura, especialmente da fonte Letra de Crédito do Agronegócio (LCA), aumentou de 18% para 21% e atingiu R$ 16,5 bilhões, sendo R$ 9,7 bilhões referentes à contribuição da LCA. (Com informações do Mapa)