Crédito: Divulgação

O vice-presidente do Sistema Faemg, Breno Mesquita, o prefeito de Santa Rita do Sapucaí, Wander Wilson Chaves, o diretor do Banco do Brasil, Ronaldo Simon Ferreira, e o presidente da Emater-MG, Gustavo Laterza, reuniram-se, na segunda-feira (4), para discutir soluções para os produtores atingidos pela chuva de granizo em Santa Rita do Sapucaí.

A intempérie atingiu tanto a cidade quanto o campo, e o prefeito decretou situação de emergência por 180 dias. “A grande preocupação é com o meio rural, principalmente a agricultura familiar, que foi bastante atingida. Cerca de mil hectares foram impactados, sendo que 500 deles de forma severa”, disse o prefeito.

Segundo Breno Mesquita, além da prorrogação será necessário que o produtor tenha acesso a capital para investir. “O tempo mínimo para recomeçar uma lavoura de café é de três anos e, neste intervalo, o produtor fica sem renda. Por isso a importância de recursos para que o produtor consiga se manter nesse período”.

De acordo com o diretor do Banco do Brasil, Ronaldo Ferreira, para recuperação de lavouras já existe uma linha do Pronaf. “Os técnicos do banco já estão trabalhando para avaliar o que está coberto com seguro e vamos continuar a coleta de dados para enviar para a diretoria e ver as possibilidades de como apoiar os produtores, pois não ficaremos longe neste momento difícil”.

O presidente da Emater-MG, Gustavo Laterza, colocou à disposição equipes técnicas para ajudar nos levantamentos dos dados e enfatizou o apoio aos produtores rurais. “Quando acontecem problemas dessa magnitude, estamos juntos para ajudar a superá-los”. (Com informações da Faemg)