Crédito: Alisson J. Silva

Minas Gerais concentra mais de 20% da rede de postos Ale no Brasil e está no centro da estratégia de expansão da marca no País. Só este ano, a distribuidora deve abrir 40 postos no Estado, ampliando sua rede no território mineiro para 328 unidades.

As novas operações fazem parte de um investimento nacional de R$ 167 milhões, que será aplicado em expansão e modernização da rede. A expectativa da distribuidora é alcançar faturamento de R$ 15 bilhões neste ano, 20% a mais que em 2018.

O presidente da Ale, Fulvius Tomelin, lembra que a origem da marca é Minas Gerais e destaca que, por isso mesmo, o Estado é o que tem maior número de postos Ale no Brasil. Além disso, ele lembra que a base de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), é a maior da empresa em relação à capacidade de armazenamento de combustível. Isso permite que a marca cresça no Estado sem ter que fazer novos investimentos em infraestrutura.

Até o momento, já foram inaugurados 22 postos em Minas Gerais e há outros 18 previstos para o ano. Segundo o executivo, a Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) é a área com maior concentração de postos no Estado e, por isso, muitas das novas operações estão previstas para essa região.

Só em setembro deste ano, a distribuidora ganhará sete novos postos, sendo que quatro foram inaugurados há poucos dias na Linha Verde, na RMBH. Outros dois serão abertos em Pedro Leopoldo, também na RMBH, e um em São José da Lapa, na RMBH. Juntos, os sete novos postos devem comercializar 3,4 milhões de litros de combustíveis por mês.

“Seis desses postos abertos em setembro eram operações que já existiam com outras bandeiras e foram convertidas para Ale. Um deles foi revitalizado e reinaugurado. O que fazemos é apresentar nossa marca ao revendedor, mostrar nosso pacote de valor, nossa loja de conveniência e outros diferenciais, como geração de energia alternativa, que reflete em redução de conta de luz para todos os postos da rede”, explica.

Tomelin afirma que o otimismo que levou a empresa a uma meta de 20% de crescimento este ano se dá mais pela confiança na operação do que pelo cenário econômico. “O ano de 2019 tem sido desafiador. O setor sofre com mudanças da política de preços da Petrobras e com a presença de distribuidores sonegadores de impostos”, avalia. Por outro lado, o executivo está confiante na proposta que a Ale oferece aos revendedores, principalmente em relação aos produtos e serviços.

A loja de conveniência Entreposto é um dos destaques, segundo o diretor de Marketing e Varejo da Ale, Diego Pires. Segundo ele, o padrão da loja foi reformulado recentemente e ganhou um mix diversificado e focado em food service. “Aumentamos nossa equipe de consultoria de varejo e a ideia é de que a loja seja uma fonte segura e importante de receita para o revendedor”, afirma.