A produção industrial em Minas mostrou retração de 0,8% em julho na comparação com igual mês do ano passado. A queda de ritmo das fábricas mineiras ocorreu ainda em todas as outras bases comparativas. Em relação ao desempenho nacional, o Estado também não se saiu bem: o Brasil apresentou alta da atividade industrial de 4% na relação julho 2018/julho 2017. As informações foram divulgadas ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Supervisora de pesquisa econômica do IBGE em Minas, Cláudia Pinelli informou ontem que o setor ainda sofre os impactos da greve dos caminhoneiros e também sente a interferência da proximidade das eleições. “A eleição deixa o cenário instável, sem previsão do que vai acontecer. O mercado está em compasso de espera para definir como reagirá”, disse.

No comparativo de julho de 2018 com o mês anterior, Minas registrou queda de 1% na atividade industrial, sendo que no Brasil houve retração de 0,2%. Em relação ao acumulado de janeiro a julho, a produção industrial teve queda de 1,6% no Estado, enquanto no País o resultado foi de alta de 2,5%. Já nos últimos 12 meses, o Estado teve recuo de 0,8%, enquanto a produção nacional cresceu 3,2%. “A gente percebe que Minas está com indicadores nem tão favoráveis, com algumas atividades ainda contribuindo negativamente”, diz Cláudia Pinelli.

Leia também:

Produção cai em oito de 15 áreas pesquisadas

Os setores industriais de Minas que mostraram quedas mais acentuadas na relação julho/junho foram produtos de metal (com exceção de máquinas e equipamentos), com retração de 14,5%; indústria de produtos alimentícios, que caiu 9,3%; e têxtil, com recuo de 7,8%.

Além disso, os setores extrativista e de veículos automotores, que têm grande peso no Estado, ainda não mostraram resultados suficientes para reverter o quadro. O setor extrativista cresceu 3,7% na relação julho/junho. Já o de veículos automotores retrocedeu 4,5%.

Os setores de Minas que apresentaram os principais resultados positivos no comparativo julho/junho foram máquinas e equipamentos, com alta de 24,6%; e bebidas, com aumento de 12%.

Greve dos caminhoneiros – Como indicativo de que a greve dos caminhoneiros ainda está impactando os resultados da indústria, o IBGE comparou os resultados do primeiro quadrimestre do ano, com aqueles apresentados nos meses de maio/junho/julho.

Segundo o IBGE, de janeiro a abril de 2018, em Minas, a atividade industrial caiu 0,8% em relação a igual período do ano passado. Já de maio a julho, a retração foi de 2,5%. No País, no primeiro quadrimestre, o setor industrial avançou 4,4%, sendo que no período de maio-julho cresceu somente 0,3%.

“Essa redução na intensidade do crescimento guarda relação com o recuo observado em maio, por conta das paralisações ocorridas em diversas plantas industriais, fruto, especialmente, do movimento de greve dos caminhoneiros nos 10 últimos dias daquele mês”, informa o IBGE.