A Aymoré, controlada pela Arcor, fechará este ano com faturamento de R$ 180 milhões - Crédito: Divulgação

Uma das marcas de biscoito mais consumidas em Minas Gerais, a Aymoré volta ao mercado de guloseimas com o lançamento de balas sortidas.

O produto já fez parte do portfólio da marca no passado e retorna em comemoração aos 95 anos da empresa e dentro de uma estratégia da companhia de ampliação do mix. Os primeiros lotes da bala foram produzidos em São Paulo.

A empresa também acaba de lançar dois tipos de biscoito: polvilho e leite maltado. Eles são produzidos na fábrica de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), e devem ajudar a planta a bater a meta de crescimento de 5% na produção em 2020 sobre 2019. A empresa fechará este ano com faturamento de R$ 180 milhões.

A Aymoré é uma das marcas da Arcor do Brasil, grupo que atua no setor de guloseimas, chocolates, alimentos e biscoitos. Ela foi fundada no Rio de Janeiro, mas hoje sua principal fábrica está em Contagem: 80% dos biscoitos Aymoré são produzidos nessa planta. Ela produz 73 toneladas de biscoito por dia e conta com 800 colaboradores.

De acordo com o gerente nacional de Marketing da Arcor, Anderson Freire, a volta da marca ao mercado de guloseimas é em comemoração aos 95 anos da marca. Além disso, a decisão foi embasada em uma pesquisa realizada pela companhia em Minas Gerais.

“Já somos líderes no mercado de biscoito no Estado e, diante dessa aceitação do público mineiro, e da necessidade de inovar decidimos ouvir o consumidor. Fizemos uma pesquisa para saber como marca pode transitar em Minas e a Aymoré foi bem aceita em várias categorias além do biscoito. Por isso já entramos no mercado com a bala e, no ano que vem, vamos lançar produtos em outras categorias”, anuncia.

Lançamentos – A marca lançou, em agosto, os pacotes de 100 gramas e 600 gramas de balas sortidas, nos sabores chocolate e leite. O gerente não abre o valor investido na ampliação de portfólio e explica que, nesse primeiro momento, as balas foram produzidas em uma fábrica em São Paulo.

Freire não descarta a possibilidade de a fábrica mineira absorver a produção de novos produtos, mas afirma que não há planos nesse sentido. “Ainda precisamos aprofundar mais os estudos sobre o local de produção. De qualquer forma, a fábrica de Contagem ainda tem condições de crescer na linha de biscoitos. A expectativa é de 5% de crescimento na produção de 2020 em relação a 2019”, diz.

O lançamento dos dois sabores de biscoitos deve ajudar a marca a bater essa meta para a fábrica. O biscoito de leite maltado também é um resgate de um produto que já fez parte do portfólio no passado. Já o de polvilho é uma novidade e trata-se de edição comemorativa.

“Nos 95 anos da empresa olhamos para o passado e trazemos esses produtos que fizeram sucesso, mas, ao mesmo tempo, olhamos para o futuro para enxergar as possibilidades da marca”, afirma.

Segundo o gerente, a marca investiu R$ 2 milhões em campanha de marketing na comemoração do aniversário. O foco das propagandas e dos anúncios foi na relação da marca com as famílias, principalmente as mineiras, que são o principal mercado da Aymoré.

*Matéria atualizada no dia 09/10/2019 às 17h15