Montes Claros, Norte de Minas, já ganhou nova frequência diária; Governador Valadares e Ipatinga serão os próximos - Crédito: Divulgação

A continuidade do projeto de transformar o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte (BH Airport), em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), em um dos maiores hubs de conectividade do Brasil deu mais um passo ontem. Foram anunciadas novas frequências para cinco destinos a partir de agosto e setembro e a abertura de uma rota com voo diário para Florianópolis (SC), em 1º de outubro, pela Azul.

Ontem, Montes Claros, no Norte de Minas, ganhou mais uma frequência, passando de três para quatro voos diários. Ainda neste mês, Cabo Frio (RJ) passa de dois para quatro voos semanais; e Salvador (BA), de três para quatro voos diários. Em setembro é a vez de Ipatinga, no Vale do Aço, passar de quatro para cinco voos diários e o Aeroporto Santos Dumont, na capital fluminense, passar a receber sete voos diários no lugar dos seis atuais.
De acordo com o diretor de Alianças da Azul, Marcelo Bento Ribeiro, o mercado de Minas Gerais pelo tamanho da sua população e importância da sua economia é um dos mais promissores no Brasil e, por isso, se consolidou como o segundo hub da companhia, atrás de Viracopos, em Campinas (SP).

“A parceria entre aeroporto e companhia aérea é fundamental para o desenvolvimento de novas rotas. Quanto mais forte é um hub, mais capacidade de atrair novos destinos e investimentos. Há muito tempo apostamos na localização estratégica de Belo Horizonte. A cidade era mal servida em 2008 e o aeroporto um verdadeiro elefante branco, subutilizado, e que não condizia com a importância do Estado. Hoje, Belo Horizonte é a segunda cidade do País que mais recebe voos Azul. Graças à conectividade doméstica conseguimos oferecer dezenas de opções para que os mineiros cheguem aos seus destinos”, explica Ribeiro.

E é justamente a ligação entre os destinos domésticos tendo como centro Belo Horizonte que garante à Capital força na competição por rotas internacionais. A próxima a ser anunciada pela companhia aérea deverá ser mais uma frequência para o estado da Flórida (EUA). O aeroporto ainda não foi definido. Destinos na Europa também estão sendo estudados, mas nenhum país ou cidade teve o nome adiantado. A possibilidade de uma redução sobre o combustível de aviação também anima o executivo.

“Temos avaliado novas possibilidades de voos internacionais para Belo Horizonte, trabalhando junto com o governo do Estado. E, para isso, fortalecemos a conectividade, trazendo passageiros do interior do Estado pra cá. E ainda temos muitas possibilidades nesse sentido. Um Estado desse tamanho tem cidades que merecem uma ligação aérea e a redução de impostos é bem-vinda, embora Minas, com 11%, já tenha uma das melhores alíquotas do Brasil”, destaca o diretor de Alianças da Azul.

Novidade – Começou a operar na semana passada a sala vip do terminal internacional, batizada Ambar Lounge. O espaço, capaz de receber até 60 pessoas de uma só vez, será inaugurado oficialmente em 20 de setembro. O investimento de R$ 5 milhões deu origem a um ambiente funcional e elegante que oferece música e cardápio nacional. Os passageiros têm direito à alimentação, wi-fi e banho durante o tempo que estiverem no terminal por R$ 135. Nesse período de teste, a compra é feita no próprio local.

“Nosso foco tem sido a experiência para o passageiro, focado em três grandes pilares: conveniência, marcas reconhecidas e marcas regionais, que garantem o que chamamos ‘sentido de lugar’”, explica o diretor comercial do BH Airport, Bruno Coelho.

O terminal de voos domésticos também vai ganhar uma sala vip nos próximos dias. Ao custo de R$ 3 milhões, a área comporta até 174 pessoas. A expectativa é de que as parcerias com as companhias aéreas, cartões de créditos e outros parceiros sejam fechadas até a inauguração.

Registros no Cadastur sobem 16%

O número de profissionais e empresas do setor de turismo que se registraram no Cadastro dos Prestadores de Serviços Turísticos do Ministério do Turismo (Cadastur), de janeiro a julho deste ano, teve um aumento de 16,09% em relação ao mesmo período do ano passado. O índice representa um incremento de 12.580 novos prestadores formalizados até quarta-feira (31), atingindo um total de 90.784 cadastros.

Em termos numéricos, as novas agências de turismo (4.072) representam 32% do aumento de cadastros nos últimos 7 meses. Já os meios de hospedagem formalizados no mesmo período (2.147) correspondem a 17% dos cadastros em 2019. O Brasil conta, atualmente, com 28.065 agências de turismo e 13.492 meios de hospedagem formalizados no Ministério do Turismo que representam, respectivamente, 31% e 15% do total de cadastrados atualmente.

Para a coordenadora-geral de Regulação e Fiscalização do Ministério do Turismo, Tamara Galvão, o aumento é fruto das ações realizadas pelas equipes da Pasta, que têm trabalho para aprimorar o setor no País.

“Esse crescimento se deve ao trabalho de fiscalização, remota e presencial, realizado pelos fiscais do MTur e a orientação junto aos municípios e instâncias de governança das regiões turísticas, que é feita pelo Programa de Regionalização do Turismo”, destacou.

Um exemplo desse trabalho realizado em parceria com os destinos é o estado do Espírito Santo. No primeiro semestre de 2019, a Unidade Federativa registrou um crescimento de 51% no Cadastur em relação ao ano inteiro de 2018. No ano passado, o estado capixaba contava com 1.177 prestadores de serviços turísticos formalizados. Em 2019, número já soma 1.788.

A participação no Cadastur é obrigatória para agências de turismo, meios de hospedagem, organizadoras de eventos, parques temáticos, transportadoras turísticas e também para os guias de turismo. Além disso, a iniciativa promove o ordenamento, a formalização e a legalização destes prestadores.

Tamara Galvão ressalta, ainda, que são muitas as vantagens para os empreendedores regularizados junto ao Ministério do Turismo. Ela destaca a participação em programas de qualificação e infraestrutura, acesso a financiamentos, apoio a eventos, feiras e ações do MTur, além de maior visibilidade nos sites do Cadastur e Mapa do Turismo Brasileiro, entre outros. O turista também pode consultar o Cadastur antes de contratar um serviço turístico.

Quanto maior a adesão dos prestadores de serviços turísticos no Cadastur, melhor para o segmento. O cadastro é simples, online e gratuito. Os interessados devem acessar o site (www.cadastur.turismo.gov.br) e preencher o formulário. O número do Cadastur precisa ser renovado a cada cinco anos para os guias de turismo e a cada dois anos para as demais atividades. (Com informações do Ministério do Turismo)