Dona de cinco lojas de rua espalhadas pela Capital e mais uma em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), a Casa Rio Verde, especializada na venda de vinhos, lança um novo modelo de negócio: quiosque em shopping center. A primeira unidade foi inaugurada no Shopping Del Rey, na região da Pampulha. O investimento de R$ 60 mil – um quinto do que é necessário para abrir uma unidade tradicional – deu origem a um espaço que vai oferecer 85 rótulos diferentes, de várias uvas e países.

De acordo com o gerente de e-commerce e marketing da Casa Rio Verde, Gabriel Roberto, o novo modelo é uma maneira de encontrar com os clientes da Casa Rio Verde em um outro momento, conquistar novos consumidores e poderá ser o carro-chefe para um novo ciclo de expansão.

“É um formato de operação totalmente diferente do que estamos acostumados. Essa é nossa primeira operação em um shopping e é um quiosque. Vamos validar essa ideia no Del Rey e provavelmente levá-la para outros shopping centers, inclusive em outras praças. Outros centros de compra já os procuraram interessados, mas vamos fazer tudo com calma”, explica Gabriel Roberto.

O quiosque será voltado especialmente para a venda de assinaturas do Clube do Vinho, além da venda dos rótulos. A unidade também é a primeira na região da Pampulha e fecha com chave ouro um ano que, apesar das dificuldades comuns enfrentadas por todo os setores econômicos, foi de sucesso para a Casa Rio Verde. Ainda no primeiro trimestre de 2018, foi inaugurada a unidade no bairro Vila da Serra, em Nova Lima.

“Este foi um ano que exigiu ajustes e muito esforço, mas não podemos reclamar do resultado. Ainda não tenho os números fechados, mas posso garantir que houve crescimento no faturamento e comemoramos não só a abertura do quiosque no Shopping Del Rey, assim como a inauguração da unidade no Vila da Serra no início de 2018”, destaca o gerente.

Para 2019, a expectativa é acelerar o ritmo de crescimento especialmente a partir do novo modelo de operação. Por enquanto não há planos para o franqueamento do formato, embora a possibilidade não seja descartada para um futuro, especialmente para centros de compras em cidades próximas de Belo Horizonte.

“Esperamos um ano novo melhor e, então, o crescente interesse pelo vinho, principalmente entre os mais jovens, se transforme em consumo. Nosso intuito é crescer inclusive para outras cidades, mas para isso precisamos de um ambiente econômico mais estável”, avalia o gestor.