Crédito: Pedro Vilela / Agencia i7

A Casa de Juscelino, no Centro Histórico em Diamantina, terra natal do ex-presidente JK, terá, pela primeira vez, uma programação cultural mensal. As atrações, que são inspiradas em Kubitschek, iniciam na sexta-feira, 18 de outubro, com o show e lançamento do novo álbum de Affonsinho Heliodoro.

Ao todo serão seis apresentações musicais até março de 2020. O objetivo dessa agenda artística e informativa é resgatar o legado histórico e cultural de JK para a cidade e para o Brasil.

A iniciativa é resultado de um projeto, viabilizado por meio da Lei de Incentivo à Cultura, com patrocínio da Cemig.

“A Casa de Juscelino é um patrimônio cultural e educativo. Sabemos da sua importância na formação dos estudantes e das escolas locais. E, também, do seu caráter turístico. Por isso, apoiamos o projeto, para que o local possa continuar bem conservado, servindo ao conhecimento dos mineiros. A Cemig tem esse compromisso de investir seus recursos públicos em iniciativas de segurança e de educação”, destaca o diretor de Relações Institucionais e Comunicação da Cemig, Marco Antônio Lage.

Serafim Jardim, administrador da Casa de Juscelino e amigo pessoal de JK, explica que foi nesta casa, típica do século XVIII, onde agora funciona o memorial, que Juscelino passou sua infância e parte da sua juventude.

“O memorial resgata a história de um dos personagens mais importantes da República, com imagens, instrumentos musicais e outros objetos, que proporcionam uma viagem no tempo. Um mergulho no passado daquele que conseguiu fazer o Brasil crescer 50 anos em cinco”, diz Serafim.

Além de presidente do Brasil, JK foi prefeito de Belo Horizonte, deputado federal e governador de Minas Gerais. Entre os seus feitos estão a construção de Brasília e a ampliação da malha rodoviária do Brasil, proporcionando o desenvolvimento e a integração do País.

A criação da Cemig e a construção da Lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte, e do seu complexo arquitetônico são feitos da gestão JK à frente do Estado e da prefeitura da Capital, respectivamente. “Ele era um entusiasta da arte, um homem que pensava e atuava não apenas para o desenvolvimento do País, mas também na preservação e valorização da cultura”, destaca Serafim.

Show de abertura – No dia 18 de outubro, além do show e lançamento do novo álbum: “Outros Outros”, de Affonsinho, que é fruto de dois anos de dedicação exclusiva e traz músicas novas e autorais, com letras curtas e objetivas, que vão “direto ao assunto”, sobem ao palco, Lívia Itaborahy e a JK Jazz Band.

A programação cultural da Casa de Juscelino é conduzida pela Nó de Rosa Produções.
Vaquinha on-line – A verba arrecadada com a visitação ao memorial e com a participação nas atividades será destinada para a manutenção da casa, que há 35 anos é um dos principais pontos turísticos da cidade. Em 2019, por falta de recursos financeiros, o espaço ficou fechado por oito meses.

Outra possibilidade de contribuir para a preservação do memorial, é por meio de uma vaquinha, disponível on-line. A plataforma permite que as pessoas doem a partir de R$ 25, até dia 31 de dezembro desse ano. Para mais informações, acesse o site.