Crédito: Claudio Bresciani/TT News Agency/via REUTERS

Estocolmo – O cosmólogo canadense-americano James Peebles e os cientistas suíços Michel Mayor e Didier Queloz ganharam o Nobel de Física por suas revelações sobre a evolução do universo e a descoberta de planetas orbitando sóis distantes. O prêmio foi atribuído aos três cientistas por novas teorias em cosmologia e pela descoberta do planeta extra-sistema solar na órbita de uma estrela como o Sol.

Peebles, da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, foi premiado com metade do prêmio de US$ 910 mil, enquanto Mayor e Queloz, da Universidade de Genebra e de Cambridge, dividiram a quantia restante.

“Os vencedores do Nobel deste ano pintaram um cenário do nosso universo bem mais estranho e maravilhoso que sequer podíamos ter imaginado”, disse Ulf Danielsson, professor e membro do Comitê de Física do Nobel, a repórteres, quando os nomes foram anunciados ontem.

A Academia Real das Ciências da Suécia informou que a pesquisa dos cientistas “transformou nossas ideias sobre o cosmos”. Mayor e Queloz disseram que era “simplesmente extraordinário” ser premiado com um Nobel pelo que descreveram como “a descoberta mais empolgante de nossas carreiras”.

Peebles agradeceu ao comitê do Nobel, mas aconselhou jovens aspirantes à ciência a não ficarem deslumbrados diante da perspectiva de tais prêmios. “Os prêmios, bem, eles são encantadores e muito valorizados, mas. vocês devem ingressar na ciência por serem fascinado por ela. É por isso que o fiz”, disse o físico, por telefone, após o anúncio.

Usando ferramentas e cálculos teóricos, Peebles pôde interpretar a radiação tracejada desde a infância do universo e, assim, descobrir novos processos físicos, informou a academia.

De acordo com o comitê, Mayor e Queloz anunciaram a primeira descoberta de um planeta fora do sistema solar, o chamado “exoplaneta”, dando início a uma revolução na astronomia. Mais de 4 mil exoplanetas foram descobertos na Via Láctea desde então.

Entre os vencedores anteriores do Nobel de Física estão nomes como Albert Einstein, Marie Curie e Niels Bohr.

Medicina – O Prêmio Nobel de Medicina de 2019 foi concedido aos cientistas William G. Kaelin Jr., Sir Peter J. Ratcliffe e Gregg L. Semenza “pelas suas descobertas de como as células sentem e se adaptam à disponibilidade de oxigênio”. O anúncio foi feito na última segunda-feira) em Estocolmo, na Suécia.

Na página oficial do Twitter, a organização do Nobel anuncia os três vencedores com um trabalho que “revela os mecanismos moleculares que demonstram como as células se adaptam às variações no fornecimento de oxigênio”.

Os vencedores são dois norte-americanos e um inglês. William Kaelin, nascido em 1957, em Nova Iorque, é especialista em medicina interna e oncologia. Gregg Semenza, também nascido em Nova Iorque, em 1955, é pediatra e o britânico Peter Ratcliffe, nascido em Lacashirem, em 1954, é perito em nefrologia.

Hoje será anunciado, o prêmio Nobel de Química. Amanhã será o dia em que serão anunciados o Nobel da Literatura de 2019 e também de 2018, depois de, no ano passado, a entrega ter sido suspensa por força de um escândalo (abusos sexuais e crimes financeiros) que afetou a Academia de Estocolmo. Na próxima sexta-feira será conhecido o nome que será distinguido com o Nobel da Paz. O último anúncio será na próxima segunda-feira – o Nobel da Economia. (Reuters/ABr)