Crédito: Divulgação

Após queda em 2017 frente a 2016 (-17%), os desembolsos do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) para o Norte de Minas e vales do Jequitinhonha e Mucuri, área de atuação da instituição no Estado, voltaram a crescer neste ano. Puxadas pela expectativa de melhora da economia em 2019, que alavancou as operações a partir do segundo semestre deste ano, as liberações do banco somaram no âmbito do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) R$ 973,7 milhões, 19% a mais do que no exercício passado (R$ 817 milhões).


“De 2016 para 2017, o País ainda estava em uma curva econômica descendente e 2018 teve o rescaldo disso. Tanto que a demanda por operações mais significativas foi mais forte a partir do segundo semestre, o que sinaliza perspectivas positivas para 2019”, reforçou o superintendente do BNB em Minas Gerais e no Espírito Santo, João Nilton Castro Martins.


No âmbito do Programa de Microcrédito Rural (Agroamigo), o BNB desembolsou R$ 243,4 milhões em 2018, com crescimento de 7% frente aos R$ 228,6 milhões de 2017. Na mesma comparação, as liberações com recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) somaram R$ 42,4 milhões contra R$ 36,4 milhões, alta de 16%.


Os desembolsos do banco para microprodutores rurais do Norte de Minas e vales do Jequitinhonha e Mucuri alcançaram R$ 182,2 milhões em 2018, sobre R$ 129 milhões em 2017, um salto de 41%. “Passamos 2016 e 2017 renegociando dívidas no segmento e isso representou a possibilidade desses produtores se estruturarem para fazer novos investimentos, principalmente na pecuária, seja na reposição de rebanho ou na recuperação de pastos”, explicou o superintendente.


Para pequenos e médios produtores, o valor desembolsado pelo BNB em Minas em 2018 foi R$ 126,2 milhões, 8% a mais do que em 2017 (R$ 117,3 milhões). Conforme o superintendente do banco, a maior parte dos empréstimos foi aplicada nas culturas de frutas da região, especialmente no âmbito do Projeto Jaíba.

MPEs – Para as micro e pequenas empresas (MPEs) da sua região de atuação em Minas, o BNB desembolsou R$ 174,8 milhões, ante R$ 152,2 milhões em 2017, crescimento de 14%. Segundo Martins, a grande maioria das operações para MPEs urbanas foi para capital de giro, estoques e em melhorias nas lojas ou espaços industriais. “Para 2019, esperamos um incremento nos desembolsos para investimentos focados em ampliações ou novos empreendimentos”, disse.


Este ano foi também aquele em que o BNB mais desembolsou recursos para obras de infraestrutura no Estado. Até o final do exercício, a previsão é de que as liberações cheguem a R$ 1,5 bilhão, valor bem superior aos R$ 36 milhões direcionados para empréstimos na área em 2017.

Projeção – Para 2019, o superintendente do BNB em Minas projeta novo crescimento dos desembolsos. “A perspectiva boa com a economia já sinaliza um ano melhor e, como banco de desenvolvimento, temos o papel de dar suporte a esta recuperação e crescimento. Esperamos já começar 2019 engrenados para superar 2018”, frisou.