Várias cooperativas vêm aqui para aprender como trabalhamos, afirma Samuel Flam - Crédito: Leo Drumond / NITRO

Em Belo Horizonte, a cooperativa médica Unimed-BH lança mão de uma série de programas com foco em crescimento econômico sustentado e emprego pleno, entre eles:

Trilha da Enfermagem: programa dedicado a capacitar profissionais já formados e experimentados no mercado, dentro dos padrões de qualidade, atendimento e cuidado da Unimed-BH;

Trilha do Comercial: nos mesmos moldes do Trilha da Enfermagem, o programa tem conteúdo e escopo voltado à área Comercial da Unimed-BH (ambos contam com o suporte da Universidade Corporativa da Cooperativa);

Parceria Cruz Vermelha: a Cruz Vermelha seleciona e encaminha à Unimed-BH jovens impactados pela vulnerabilidade social (entre 16 e 18 anos) para que sejam capacitados a atuar no mercado de trabalho como mensageiros (office boy);

Jovens Profissionais: em parceria com a Junior Achievement Brasil, o Instituto Unimed-BH capacita jovens dentro dos conceitos de empreendedorismo;

Programa de Capacitação para Pessoas com Deficiência (PCDs): em sua 15ª edição, o programa tem a proposta de promover a inclusão, oferecer uma formação técnica diferenciada e ampliar as chances dos PCDs ingressarem no mercado de trabalho.

De acordo com o presidente da Unimed-BH, Samuel Flam, uma empresa que prestar serviços como a cooperativa precisa entender que o seu maior capital é o humano.

“Em um mundo que roda na velocidade que acontece hoje, precisamos estar em constante atualização. É fundamental termos a educação continuada. A educação fornecida pelo Estado é padronizada, então é muito importante que a formação também venha do mercado de trabalho” afirma Flam.

Como uma empresa do setor de saúde, a Unimed-BH crê na própria educação para a saúde como uma forma de atuar para a melhor educação da população como um todo. Campanhas como o “Projeto Caminhar” se mostram eficientes nesse sentido.

“Entendemos a saúde e a educação como um processo holístico, que permeiam todos os aspectos da vida. Se as pessoas não estiverem sadias, não terão bons empregos ou, talvez, nenhum emprego. Cada vez que vamos para a praça incentivar as pessoas a caminharem e levamos informações, conhecimento, atingimos um público muito maior do que os nossos mais de 1,25 milhão de clientes. Alcançamos toda a sociedade”, analisa o presidente da Unimed-BH.

Educação empreendedora – O programa Jovens Profissionais é outro exemplo voltado para o público externo. Realizado em parceria com a Junior Achievement de Minas Gerais – organização que atua com educação empreendedora em mais de 120 países -, tem o objetivo de desenvolver o empreendedorismo entre os mensageiros internos e menores aprendizes que atuam na cooperativa, além de jovens com idades entre 16 e 24 anos indicados pelos colaboradores. Em 2017, o projeto reuniu 36 participantes. Em 2018, foram quase 60 beneficiados. Em 2019, o número chegou a 74 jovens.

O programa tem duração de seis meses, com 15 encontros presenciais. Durante o programa, os jovens passam por vários módulos como o Inovation Camp e Miniempresas com metodologia da Junior Achievement, além de aulas de português com foco no Enem e Orientação vocacional.

“Várias cooperativas vêm aqui para aprender como trabalhamos. Isso também é educação, compartilharmos os exemplos bem-sucedidos que temos. Queremos dar o exemplo para a nossa cadeia produtiva e também outras empresas para que invistam não só na formação dos seus funcionários, mas que vejam na educação parte da sua missão”, completa o gestor.

LEIA TAMBÉM:

DIÁLOGOS DC | Educação e emprego têm relação direta

DIÁLOGOS DC | Desafio premia ideias que impactam comunidades locais