CREDITO: CHARLES SILVA DUARTE Usada 23-10-19

Uma comissão especial de estudos na Câmara Municipal poderá ser composta para verificar se há possíveis irregularidades relacionadas ao Aeroporto Carlos Prates, localizado no bairro Padre Eustáquio, na região Noroeste de Belo Horizonte. O vereador Pedro Bueno (Podemos) afirma que já recolheu as assinaturas necessárias para a criação do grupo.

O assunto foi discutido nessa quinta-feira (7) durante uma mesa-redonda promovida pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados. Vereadores, deputados, representantes de escolas de aviação e a própria comunidade foram alguns dos presentes.

O aeroporto tem sido objeto de discussões após terem acontecido dois acidentes relacionados a ele neste ano. Em outubro, houve a queda do monomotor PR-ETJ, modelo SR 20, no bairro Caiçara, que matou quatro pessoas e deixou outras duas feridas. Em abril, outra aeronave também caiu. As duas tragédias ocorreram na rua Minerva.

“Essa comissão vai levantar documentos, até de licenciamento ambiental, para verificar possíveis irregularidades. Além disso, também irá trabalhar para verificar se o aeroporto está plenamente apto para a operação de voos e até mesmo levantar questões relacionadas aos impactos imobiliários e à desvalorização de imóveis da região onde aconteceram os acidentes”, afirma o vereador Pedro Bueno (Podemos).

Durante o evento, também ficou definido que será solicitada uma consulta pública, se possível limitada a moradores da regional onde está o Aeroporto Carlos Prates, para saber se eles são ou não favoráveis à permanência dele no local. Uma audiência pública também poderá ser feita em esfera nacional, para tentar federalizar o debate.

Contudo, muitos moradores já têm demonstrado que a continuação das atividades do aeroporto não é um desejo deles. Petições on-line já contam com milhares de assinaturas que pedem o fim do seu funcionamento.

Possibilidades – A mesa-redonda discutiu várias possibilidades relacionadas ao futuro do Aeroporto Carlos Prates. Inclusive, lembra o vereador Pedro Bueno, uma visita técnica está marcada no local para o próximo dia 20. “Vamos ouvir os proprietários de escolas de aviação, as demandas deles em termos de custos operacionais e de contratos”, diz.

A transferência das atividades do aeroporto para a cidade de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), também voltou a ser cogitada.

O Aeródromo Inhotim, construído no bairro Bandeirinhas, de baixa densidade populacional, seria o responsável por receber as atividades. O prefeito da cidade, Vittorio Medioli, inclusive, já sinalizou o interesse em absorver essa demanda, lembra o vereador Pedro Bueno.

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), por sua vez, já havia se posicionado para a imprensa que é contra o fechamento do Aeroporto Carlos Prates. Na ocasião, ele pontuou que as coisas precisam ser investigadas e pensadas de forma equilibrada e que não se pode radicalizar e tomar decisões precipitadas.

O Ministério da Infraestrutura também já tinha informado que não havia nenhuma discussão no governo federal sobre o fechamento ou a transferência da operação do aeroporto.