Vice-presidente do STF, Fux participou ontem de evento sobre combate à corrupção - Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Brasília – O ministro Luiz Fux, vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), disse ontem, em evento sobre o combate à corrupção, que os ministros da Corte não devem ter medo de desagradar a população ao tomar suas decisões.

“O Supremo Tribunal Federal tem compromisso com a guarda da Constituição. E nenhum receio de desagradar a opinião pública, ou de cair em impopularidade, pode fazer com que um ministro do Supremo Tribunal Federal abdique da sua independência”, afirmou Luiz Fux, responsável pelo plantão do STF até o dia 1º de fevereiro.

Como exemplo, o ministro citou a análise sobre a aplicação da Lei da Ficha Limpa, em 2010, quando seu voto desempatou o julgamento e fez com que a aplicação da legislação de iniciativa popular fosse adiada para as eleições de 2012. “Naquela oportunidade, não vou sonegar aos senhores que me assustei bastante com a repulsa popular”, admitiu.

O ministrou também exaltou o trabalho dos jornalistas, afirmando que, “quanto maior for a liberdade de imprensa, maior será o combate à corrupção”.

“Foi a imprensa que inaugurou a estratégia de, em vez de focar nos corruptos, focar nos corruptores, quando produz o noticiário. Que haja parceria legítima entre a imprensa e as instituições de combate à corrupção”, destacou.

“Morte social” – As declarações do ministro foram dadas em evento organizado na Escola de Magistratura Federal, em Brasília, sobre o combate à corrupção em um estado democrático de direito, do qual também participou a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, para quem a “corrupção é uma morte social”.

“Na última eleição, a população deu uma resposta, manifestou-se nas urnas de uma forma que expressou claramente a sua intolerância com a corrupção e seu anseio de construir uma sociedade mais íntegra e honesta”, afirmou. (ABr)