Publicidade
21/01/2018
Login
Entrar

Economia

10/01/2018

Preços da gasolina, etanol e diesel em alta

Na primeira semana do ano, os valores nos postos do País subiram para suas máximas nominais, informa ANP
Reuters
Email
A-   A+
Rio de Janeiro - Os preços médios de gasolina, etanol e diesel subiram na primeira semana do ano, nos postos de combustíveis no Brasil, para suas máximas nominais, segundo pesquisa publicada ontem pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O movimento ocorre na esteira da alta das cotações do petróleo, que opera perto de máximas desde maio de 2015, e também após o governo elevar tributos dos combustíveis (PIS/Cofins) no fim de julho.

O preço da gasolina atingiu média de R$ 4,151 por litro nos postos do Brasil, entre 31 de dezembro e 6 de janeiro, registrando uma nova máxima nominal (sem considerar a inflação) em uma série história da ANP iniciada em 2013.

O valor foi 1,3% superior ao registrado na semana anterior, de R$ 4,099 por litro.
O diesel, combustível mais consumido no Brasil, por sua vez, registrou média de R$ 3,356 por litro na primeira semana do ano, alta de 0,9% ante a semana anterior, que teve média de R$ 3,326 por litro.

O recorde anterior atingido pelo diesel, na série histórica da ANP, havia sido de R$ 3,337 por litro, na semana de 26 de novembro a 2 de dezembro de 2017.

Já o etanol hidratado, concorrente da gasolina nas bombas, teve média de R$ 2,946 por litro na semana passada - também um recorde na série histórica, superando valores anteriores de janeiro de 2017 -, com alta de 1,2% em relação à semana anterior, quando teve média de R$ 2,912 por litro.

Os preços do etanol seguem os valores da gasolina, mas também contam neste momento com sustentação adicional do início da entressafra de cana no Centro-Sul do Brasil, principal região produtora no maior produtor e exportador global de açúcar.

A S&P Global Platts também registrou preço histórico para o etanol hidratado, de R$ 2.270 por metro cúbico na segunda-feira, segundo cotação apurada em usinas da região de Ribeirão Preto (SP).

Petrobras - Além das altas nos impostos, os valores dos combustíveis têm sofrido impactos de movimentos da Petrobras, que elevou em quase 8% os preços da gasolina vendida nas refinarias às distribuidoras de combustíveis ao longo de 2017 e em mais de 9% os do diesel.

Isso porque desde o fim de 2016 a petroleira estatal adotou uma política de preços que segue a lógica do mercado internacional, em busca de rentabilidade, tornando-se mais ágil para repassar aos consumidores movimentos do setor global de combustíveis.

O repasse dos reajustes da Petrobras nos preços dos combustíveis nas refinarias às bombas, entretanto, depende de movimentos e da estratégia de distribuidoras e de postos de combustíveis.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/01/2018
Empresário mineiro segue mais confiante
Em janeiro, o Icei-MG chegou a 50,7 pontos, o melhor resultado para o mês nos últimos sete anos
20/01/2018
Montadoras reivindicam créditos tributários
Brasília - Com o fim do Inovar Auto em dezembro e sem definição do novo programa automotivo, chamado de Rota 2030, as empresas de automóveis tentam que os...
20/01/2018
Índice de investimentos de empresas caiu 0,7% em novembro ante outubro
Brasília - O indicador de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), divulgado na sexta-feira, 19, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), sofreu uma queda de...
20/01/2018
Faturamento recua no interior de Minas
Quatro regionais apresentaram queda na receita em novembro, conforme levantamento da Fiemg
20/01/2018
Exportações mineiras devem continuar em alta em 2018
Especialistas estimam aumento de 7%
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.