Publicidade
21/01/2018
Login
Entrar

Economia

10/01/2018

Correios e Banco do Brasil renovarão acordo

Reuters
Email
A-   A+
São Paulo - O Banco do Brasil e os Correios anunciarão nos próximos dias a renovação por até seis meses de um acordo envolvendo o Banco Postal, disseram à reportagem duas fontes com conhecimento direto do assunto.

Na prática, o BB continuará pagando as despesas com segurança de 1.827 agências dos Correios que prestam o serviço, valor estimado em R$ 8 milhões mensais. Um acordo similar firmado em outubro passado, pelo qual o banco assumiu custos de vigilantes armados e portas giratórias, vence em 31 de janeiro.

Segundo as fontes, o acordo nas mesmas bases do que está para vencer será renovado por três meses, com opção para mais três. Neste caso, até o fim de julho.

Em notas separadas, BB e Correios afirmaram que seguem negociando a parceria no Banco Postal.

Essas agências representam cerca de um terço das mais de 5 mil agências do Banco Postal, que tiveram a viabilidade comercial em xeque após a renovação da parceria entre BB e Correios, no fim de 2016.

O acordo anterior previa que o BB pagasse aos Correios uma remuneração fixa ao redor de R$ 1,2 bilhão por mês. Sem interessados na última licitação para mais cinco anos, coube ao Correios topar uma proposta do BB de 36 meses baseada em remuneração fixa de pouco mais de R$ 100 milhões, mais um valor variável, de acordo com desempenho.

Os Correios, que já enfrentavam uma grave crise financeira, com prejuízos de R$ 2 bilhões por ano em 2015 e 2016, ameaçaram fechar as agências deficitárias.
O governo federal, que controla as duas empresas, pressionou para que houvesse um acordo, já que essas agências são o canal de pagamento de benefícios como aposentadorias e pensões a mais de 140 mil pessoas.

Segundo uma das fontes, além do acordo os sócios também estão discutindo formas de tirar essas agências do vermelho, com a oferta de mais produtos financeiros, inclusive crédito pessoal do BB para permitir que um acordo de mais longo prazo seja planejado.

“O objetivo é garantir uma performance comercial mínima”, disse uma das fontes, que pediu anonimato porque o acordo ainda não foi assinado.

A solução não é simples, sobretudo em municípios menores, alguns com ao redor de 10 mil habitantes, especialmente com os sócios no meio de um esforço concentrado para reduzir custos.

O BB implementou no ano passado um plano de aposentadoria antecipada de quase 20% dos empregados e fechou ou reduziu quase 800 agências, como parte da meta de elevar sua rentabilidade para níveis similares aos dos rivais privados.

E os Correios estão tentando reduzir custos com benefícios a empregados e fechando parcerias para tentar voltar a ser uma empresa lucrativa. A estatal anunciou em dezembro uma joint venture com a companhia aérea Azul para criar uma empresa de logística integrada que deve começar a operar até junho próximo.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/01/2018
Empresário mineiro segue mais confiante
Em janeiro, o Icei-MG chegou a 50,7 pontos, o melhor resultado para o mês nos últimos sete anos
20/01/2018
Montadoras reivindicam créditos tributários
Brasília - Com o fim do Inovar Auto em dezembro e sem definição do novo programa automotivo, chamado de Rota 2030, as empresas de automóveis tentam que os...
20/01/2018
Índice de investimentos de empresas caiu 0,7% em novembro ante outubro
Brasília - O indicador de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), divulgado na sexta-feira, 19, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), sofreu uma queda de...
20/01/2018
Faturamento recua no interior de Minas
Quatro regionais apresentaram queda na receita em novembro, conforme levantamento da Fiemg
20/01/2018
Exportações mineiras devem continuar em alta em 2018
Especialistas estimam aumento de 7%
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.