18/08/2018
Login
Entrar

Agronegócio

10/03/2018

Exportações de Minas Gerais recuam 8,5% no 1º bimestre

Embarques de produtos agrícolas e pecuários somaram US$ 1,06 bi
Michelle Valverde
Email
A-   A+
Café teve queda de 10,7% no valor negociado e foi um dos segmentos que mais afetou o Estado/Eric Gonçalves/Divulgação
As exportações do agronegócio de Minas Gerais recuaram nos dois primeiros meses de 2018. No bimestre, os embarques dos produtos agrícolas e pecuários somaram US$ 1,06 bilhão, retração de 8,5%, quando comparados aos US$ 1,16 bilhão movimentados em janeiro e fevereiro de 2017. O impacto negativo veio da queda das exportações de importantes segmentos, como o café, grupo das carnes e complexo sucroalcooleiro. Os dados são da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa).

No primeiro bimestre do ano, o Estado exportou 976,4 mil toneladas. No período, o preço médio pago pela tonelada dos produtos agropecuários ficou em US$ 1.090, representando um recuo de 3%, frente ao valor de US$ 1.124 praticado em janeiro e fevereiro do ano anterior.

Mantendo a mesma base de comparação, as importações do agronegócio somaram US$ 105,6 milhões, frente ao valor de US$ 90,5 milhões movimentados anteriormente, aumento de 16,69%. Ao todo, Minas Gerais importou 97,3 mil toneladas de produtos agropecuários, aumento de 19,28%, no confronto com as 81,5 mil toneladas importadas no intervalo em 2017.

Leia também:
Brasil apura queda nas vendas de café ao exterior

Superávit menor
- O levantamento da Seapa mostra que o superávit gerado pela balança comercial do agronegócio, nos dois primeiros meses de 2018, foi de US$ 958,8 milhões, retração de 10,58%, quando comparado com os US$ 1,07 bilhão apurados em igual bimestre de 2017.

Dentre os produtos exportados por Minas Gerais, o café, que responde por 53,3% das vendas ao mercado externo, apresentou queda de 10,7% no valor embarcado, com a receita gerada com as negociações caindo de US$ 635,2 milhões para US$ 567 milhões no primeiro bimestre de 2018. Também foi observada redução de 1,7% no volume embarcado, que encerrou o período em 210 mil toneladas. O preço pago pela tonelada do grão recuou de US$ 2.962 para US$ 2.689, número 9,2% menor.

No grupo das carnes, que representa 11,4% das exportações do agronegócio, foi observada queda de 21,2% no faturamento, que ficou em US$ 121,1 milhões, e de 31% no volume exportado, 43,9 mil toneladas. No setor, somente a carne bovina apresentou alta na receita. A movimentação financeira ficou 9,2% superior e somou US$ 80,6 milhões. Ao todo, foram exportadas 19,6 mil toneladas, alta de 3,5%.

Já os embarques de frango recuaram 46% em faturamento. No período, as negociações com o mercado internacional movimentaram US$ 31,5 milhões. Foram exportadas 19,8 mil toneladas de carne de frango, variação negativa de 44,9%.

No segmento de suínos, foi verificada uma redução de 35,1% nos ganhos, que somaram US$ 5,2 milhões. Ainda tendo como base o bimestre, foram destinadas 2,87 mil toneladas de carne suína para o exterior, queda de 26,8%, frente a igual intervalo de 2017.

Retração também foi verificada no setor sucroalcooleiro. No primeiro bimestre, as exportações recuaram 19,1%, reduzindo o faturamento para US$ 116,5 milhões. Em volume, a queda foi de 4,4%, com a exportação de 340 mil toneladas. No grupo, foi verificada uma redução próxima a 15% no valor médio pago pela tonelada, que retraiu de US$ 404,66 para US$ 342,32.

Destaques - Dentre as altas, destaque para os produtos florestais. Ao longo do primeiro bimestre, o setor foi responsável por 12,1% dos embarques do agronegócio mineiro. Ao todo, o faturamento com as exportações alcançou US$ 129,1 milhões, variação positiva de 28%. Em volume, foi registrada queda de 15,9%, com o embarque de 201,6 mil toneladas.

As vendas ao mercado externo do complexo soja, que responderam por 6,1% dos embarques totais do agronegócio mineiro, apresentaram ganhos de US$ 65,3 milhões, crescimento de 5,6%. O volume destinado ao mercado internacional também foi ampliado, em 9,1%, somando 136,29 mil toneladas comercializadas.

O resultado do grupo foi impulsionado pelo farelo de soja, produto que tem maior valor agregado. No primeiro bimestre, Minas Gerais embarcou 62,7 mil toneladas de farelo, elevação de 57,8%. O faturamento cresceu 29% e encerrou o período em US$ 36,3 milhões.

A soja em grão movimentou US$ 28,25 milhões com a exportação de 72,5 mil toneladas, variação negativa de 16,1% e 14,8%, respectivamente.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/08/2018
Melhoramento genético reúne produtores
ExpoGenética será realizada em Uberaba, entre 18 e 26 de agosto, com foco em qualidade e produtividade
18/08/2018
Blairo Maggi pede responsabilidade aos empresários
Representantes de 28 entidades do agronegócio reuniram-se na última quinta-feira (16), para avaliação do programa de desburocratização do Ministério...
18/08/2018
Exportações somam US$ 3,5 bi, alta de 8,3%
Brasília - Com certificado de sanidade e produzida com sustentabilidade, a carne bovina brasileira entrou em mais de 135 países, em 2017, totalizando 1,5 milhão de toneladas...
17/08/2018
VBP deve ter ligeiro recuo em Minas
Previsão para o ano é de R$ 57,6 bilhões, retração de 0,33% frente ao registrado em 2017
17/08/2018
ADM fecha acordo de compra de unidades da Algar Agro
São Paulo - A norte-americana Archer Daniels Midland (ADM) anunciou ontem que fechou um acordo para compra de unidades processadoras de soja da brasileira Algar Agro, braço...
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


18 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.