19/07/2018
Login
Entrar




Economia

11/07/2018

Comerciantes mineiros estão descrentes com a política e candidatos

Maior virtude para o próximo presidente é a honestidade
Ana Carolina Dias
Email
A-   A+
Para 26,3% dos comerciantes, o foco do próximo governo deve ser na carga tributária/Arquivo
Os comerciantes mineiros estão pouco confiantes em relação ao cenário político do País e aos presidenciáveis para as próximas eleições. Pesquisa divulgada pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Minas Gerais (FCDL-MG) mostrou que, além da insatisfação com o governo atual, as principais lideranças das Câmaras de Dirigentes Lojistas também não acreditam nas opções de candidatos colocadas até o momento. Entre os comerciantes formadores de opinião entrevistados, 70,5% avaliaram o governo atual como ruim, enquanto 76,7% não confiam nos pré-candidatos.

A má gestão do dinheiro público é apontada como principal motivo para uma avaliação negativa do atual governo. Saúde, educação e segurança devem ser as prioridades do próximo presidente, na opinião de 27% dos comerciantes, enquanto 26,3% acreditam que o foco deve ser na carga tributária e 19,7% apontaram a estabilidade econômica como principal necessidade de melhoria.

Para o economista da FCDL-MG, Vinícius Carlos da Silva, os dados mostraram a necessidade de mudança no cenário por parte dos representantes do comércio mineiro. “A má empregabilidade dos recursos na gestão pública faz com que os comerciantes não vejam retorno do dinheiro. Além disso, eles consideram que candidatos que já estão no governo têm uma herança do atual governo atual e acreditam que esses candidatos podem manter o fluxo existente e o receio é que tudo permaneça como está e o País não melhore”, explicou.

Como reflexo dessa insegurança, 31,9% dos comerciantes ouvidos afirmaram não saber em quem vão votar e 91,3% dos entrevistados afirmaram que falta clareza nas propostas dos atuais pré-candidatos. Além disso, 83% deles não acreditam nas promessas das campanhas eleitorais. “Faltando pouco mais de dois meses para as eleições, ou a comunicação está com um ruído grande, ou os candidatos não definiram bem suas propostas, que não estão chegando de forma eficiente aos comerciantes formadores de opinião”, afirmou Silva.

Nesse contexto, o economista da FCDL-MG ressaltou que o comércio se mostra cauteloso em relação a investimentos e ações, uma vez que o principal fator relacionado ao consumo e às compras é a confiança. A tendência para os próximos meses, portanto, é de retração até que a situação política seja definida. “Estamos em um momento econômico difícil, somado às incertezas do período eleitoral e sobre quem vai liderar o Brasil, o que não proporciona aos comerciantes a segurança para investir”, disse.

Honestidade - Entre as qualidades para o próximo presidente do Brasil, a honestidade foi mais valorizada do que a formação acadêmica. Enquanto 25% dos líderes de Câmara de Dirigentes Lojistas apontaram que buscam um candidato honesto, nenhum deles optou pela formação acadêmica como característica necessária para eleger o próximo presidente. O levantamento apontou ainda que mais da metade dos comerciantes (59,3%) afirmaram que preferem votar em um candidato novo.

“A expectativa é de que candidatos que estejam fora do quadro de não confiança sejam evidenciados para melhorar o governo. Há uma aposta em alguém do setor empresarial, com experiência consolidada e um fluxo de carreira mais íntegro e honesto para fazer as mudanças consideradas necessárias”, concluiu Silva.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/07/2018
Indústria pode recorrer à Justiça por repasse de verbas
Fiemg alega que governo estadual retém cerca de R$ 100 mi desde 2015
19/07/2018
Antecipação do abono anima CDL-BH
INSS paga metade do valor a aposentados e pensionistas em agosto e PBH libera ao funcionalismo amanhã
19/07/2018
Em Minas, setor automotivo espera impulso com o Rota 2030
Também poderão se habilitar ao programa fornecedores de montadoras
19/07/2018
PBH cumpre 1ª etapa de auditoria
Relatório reúne 5 mil documentos de 40 empresas, referentes ao período de 2013 a 2016
19/07/2018
Leilão da Eletrobras deve ter duas etapas
A primeira, segundo o BNDES, deve ser agora em julho, enquanto a segunda está prevista para o fim de agosto
› últimas notícias
Indústria pode recorrer à Justiça por repasse de verbas
Antecipação do abono anima CDL-BH
Em Minas, setor automotivo espera impulso com o Rota 2030
PBH cumpre 1ª etapa de auditoria
Demanda por cães de guarda cresce em BH
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.