18/08/2018
Login
Entrar

Opinião

17/03/2018

Editorial

Política oferece mais do mesmo
Email
A-   A+
Pesquisa divulgada esses dias revela que apenas 20% dos brasileiros, considerada evidentemente a amostra avaliada, acredita que as eleições de outubro poderão representar para o País chance real de mudanças positivas. A corrupção, de que tanto se tem falado, está entre os motivos para a descrença predominante, acompanhada da falta de confiança nos atores da cena política. Nada, a rigor, que possa causar surpresa, até porque a aproximação das eleições faz ver que apesar de toda a turbulência dos últimos dois ou três anos, das promessas de mudanças e renovação, nada, de fato, parece ter mudado neste espetáculo que não desperta interesse nem convida o público.

Um resultado absolutamente previsível. Fala-se muito em reforma política no País, um tema presente desde a redemocratização, nos anos 80 do século passado. Muita conversa e quase nenhum resultado porque os agentes das transformações reclamadas, que deveriam acontecer no âmbito do Legislativo, seriam os primeiros a perder com uma mudança de curso e que continuam resistindo mesmo diante dos escândalos que vieram a público nos últimos anos. Esperava-se que já nas eleições de outubro pudesse ser diferente, com algumas reformas já implementadas, mas na realidade houve apenas acertos de acomodação.

Tudo isso fica bastante claro e pode ser percebido nas movimentações que vêm ocorrendo nesse período que pode ser definido como de pré-campanha. São os mesmos movimentos, as mesmas barganhas e, resumindo, as mesmas práticas que levam a maioria dos brasileiros à descrença. A rigor, e mais uma vez, não existem propostas, não existem promessas guarnecidas por programas de governo bem construídos, mesmo que todos saibam o tamanho dos desafios que estão pela frente. A ideia de passar o País a limpo, tão repetida faz pouco tempo, parece esquecida, nada sugerindo que a virada do calendário político possa, de fato, alimentar esperanças ou que a indignação em alguns momentos visível no espaço político, de fato não tenha sido mais que a explicitação de ambições frustradas.

Assim é que mais uma vez as atenções estão concentradas nos ditos presidenciáveis e em alianças e acordos que poderão ou não viabilizar um deles. São os mesmos métodos e os mesmos processos, indicando que adiante as mesmas anomalias serão reproduzidas. Sem nenhum espaço real para o interesse público, para um projeto que tenha a dimensão do interesse nacional, situando-se bem acima de nomes e de partidos, realizando a tão necessária correção de rumos, numa utopia da qual nem mesmo nos aproximamos.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/08/2018
EDITORIAL
EDITORIAL | Gargalos esquecidos
18/08/2018
O Brasil nos trilhos
O Brasil não consegue crescer como a média dos emergentes. Mas, nas últimas décadas até 2011, o País cresceu pelo menos em linha com o mundo. Para muitos,...
18/08/2018
Historinhas do cotidiano (IV)
“As apostas da mega-sena se encerram às dezenove horas.” (Anúncio divulgado com frequência pela CEF) Œ Das informações propagadas pela...
18/08/2018
Previsão otimista para comércio exterior
Apesar das previsões pessimistas que têm cercado o comércio exterior brasileiro nos últimos tempos, as exportações País, em 2018, deverão...
17/08/2018
EDITORIAL
EDITORIAL | Números de uma guerra
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


18 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.