22/07/2018
Login
Entrar




Opinião

13/07/2018

Em busca do tempo perdido

MILTON LOURENÇO *
Email
A-   A+
Quando se esperava que o acordo de livre-comércio entre Mercosul e União Europeia estivesse a ponto de ser assinado, depois de duas décadas de conversações infrutíferas, eis que as negociações voltaram a um ponto próximo da ruptura. Ainda que o governo brasileiro tenha se manifestado otimista em relação a um possível acordo com a UE antes de 2019, os demais parceiros do Mercosul já não escondem o pessimismo, a ponto de o Uruguai propor a retomada do diálogo do bloco com a China.

Obviamente, um acordo com a UE não inviabiliza um tratado de amplitude semelhante com a China, mas, no caso, parece mais um ultimato, pois o chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, deixou claro que o bloco europeu precisa demonstrar “uma vontade real de concluir essa negociação”. Ou seja, a má vontade seria só por parte da União Europeia, pois o Mercosul teria mostrado que está “em condições de definir posições negociadoras e que tem vontade de realizar acordos”.

Seja como for, a verdade é que o Mercosul não pode mais perder tempo. E o Brasil não pode também ficar atrelado às necessidades de seus parceiros no bloco. É muito possível estabelecer acordos com outros países e blocos, sem que necessariamente tenha de deixar de lado seus compromissos com o Mercosul. Um exemplo é o Chile, que, há 14 anos, firmou um acordo com a Coreia do Sul, que permite a entrada de 87% de produtos chilenos no país asiático sem o pagamento de taxas.

Quer dizer: enquanto Mercosul e UE perderam tempo em discussões inócuas, no mundo proliferaram acordos que preveem aberturas comerciais para a quase totalidade dos produtos industriais e significativas reduções de barreiras alfandegárias para bens agrícolas e agroindustriais. Portanto, é preciso que haja logo uma definição para esse acordo Mercosul-UE e que o governo brasileiro assuma uma política externa mais agressiva com o objetivo de aumentar a sua corrente de comércio – importações mais exportações – para que possa manter a economia em crescimento.

Ao mesmo tempo, o governo precisa criar programas de crédito que estimulem a modernização de máquinas e equipamentos nos setores industrial e agrícola, além de atrair empresas estrangeiras que possam produzir no Brasil, criando empregos e reforçando o mercado consumidor. E voltar a pensar num acordo do Mercosul com os Estados Unidos nos moldes da projetada Aliança de Livre-Comércio das Américas (Alca), que não teve sequência por boicote dos governos populistas que estavam à frente de Brasil e Argentina no começo deste século XXI.

Já o México, com um governo mais articulado e pragmático, fechou o acordo com os EUA e hoje desfruta no âmbito do Tratado Norte-Americano de Livre-Comércio (Nafta) de uma série de vantagens de acesso ao mercado vizinho. Além disso, os EUA investiram na indústria mexicana e houve crescimento do número de empregos e aumento dos salários. É claro que os EUA não fizeram isso por benemerência, mas por que precisam expandir seus negócios e colocar os seus produtos em outros mercados.

O resultado é que, em 2017, o México exportou US$ 409 bilhões, quase o dobro das vendas do Brasil (US$ 217 bilhões). Só para os Estados Unidos o México vendeu US$ 327 bilhões, que representam 80% de suas exportações totais. Mais: 90% das exportações mexicanas foram de produtos industrializados.

* Presidente da Fiorde Logística Internacional

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/07/2018
EDITORIAL | Muito além da imaginação
Descer mais fundo a estas alturas parece quase impossível. No último final de semana, duas salas do Ministério do Trabalho, num daqueles prédios projetados por Oscar...
21/07/2018
Estabilização da Jurisprudência
Fala-se que, no Japão, marcado por cultura resistente à litigiosidade, as carreiras jurídicas deixaram de ser promissoras. As pessoas lá tendem a resolver seus...
21/07/2018
Vez do leitor
“Comungar de seu desabafo, é também uma forma de alento.” (Jair Barbosa da Costa, escritor) O espaço do comentário é ocupado hoje por...
21/07/2018
O que a greve dos caminhoneiros ensinou
A greve mexeu com a cabeça dos brasileiros mais uma vez. E independentemente de sua opinião acerca do assunto, é notório como o poder da população, quando...
20/07/2018
EDITORIAL | Contas que não fecham
As proporções do desequilíbrio das contas públicas no Estado, assunto de recente comentário neste espaço, parece não ter sido percebida em toda a...
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.