19/07/2018
Login
Entrar




Finanças

11/07/2018

Ibovespa fecha em queda de 0,2% após feriado puxado pelas blue chips

Email
A-   A+
São Paulo - O Ibovespa encerrou em leve queda ontem, na volta do fim de semana prolongado em São Paulo, descolado do viés positivo em praças acionárias no exterior, com as ações blue chips entre as maiores pressões de baixa. No fechamento, o principal índice de ações da B3 caiu 0,2%, a 74.862 pontos. O volume financeiro no pregão somou R$ 10,7 bilhões. No melhor momento, o Ibovespa subiu 1,18%, ajudado pelo cenário exterior favorável e ajustes ao movimento positivo de ADRs brasileiros (recibos de ações negociados nos Estados Unidos) na segunda-feira (9), quando a B3 ficou fechada pelo feriado no estado de São Paulo.

Na visão do operador Alexandre Soares, da BGC Liquidez, o mercado está sem uma direção firme, com fluxo mais fraco dado o começo das férias no hemisfério norte, mas também um noticiário misto no exterior, além das incertezas políticas no Brasil.

Para estrategistas do UBS, o viés ainda é de cautela. “Fluxos locais de renda fixa para renda variável que deram suporte ao Ibovespa no início deste ano podem continuar a se reverter”, escreveram em nota a clientes.

Wall Street sustentou os ganhos, com o S&P 500 alcançando máxima desde 1º de fevereiro, com resultados fortes da PepsiCo gerando otimismo para a temporada de balanços nos Estados Unidos.

Pregão - A Vale fechou com variação negativa de 1,61%, em sessão em que os preços do minério de ferro à vista na China ficaram praticamente estáveis.

O Bradesco PN recuou 1,31%, pesando no Ibovespa em razão da relevante fatia que detém no índice. Itaú Unibanco PN subiu 0,26%.

A Braskem subiu 6,58%, liderando as altas do Ibovespa, em meio a expectativas sobre a venda da participação da Odebrecht na petroquímica. O jornal Valor Econômico informou ontem que acordo de venda para o grupo LyondellBasell, sediado na Holanda, deve ser assinado até meados de outubro e que a Braskem pode ser avaliada em R$ 55 bilhões, sendo mais de R$ 21 bilhões pela parte da Odebrecht.

Petrobras PN e ON recuaram 1,39% e 0,15%, revertendo ganhos da abertura, apesar da alta dos preços do petróleo, com o noticiário incluindo possível parceria com a francesa Total. Na segunda-feira, quando a B3 não abriu, os ADRs das ações preferenciais e ordinárias da empresa subiram 2,8% e 2,6%, respectivamente.

Eletrobras PNB e ON caíram 1,66% e 2,75%, respectivamente. Na segunda-feira, a Justiça Federal do Rio de Janeiro concedeu liminar para suspender edital do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que visa contratar empresas para fazer avaliação da Eletrobras e modelagem da privatização.

Os papéis da Suzano recuaram 5,11%, com o declínio do dólar ante o real abrindo espaço para uma realização de lucros nas ações da fabricante de papel e celulose, que, em 2018, acumulam valorização superior a 130%. (Reuters)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/07/2018
Operações devem desacelerar antes da eleição
Para bancos, volatilidade do mercado e incertezas quanto à economia nacional vão afetar geração de negócios
19/07/2018
Ibovespa interrompe avanço e volta a fechar em baixa; dólar tem nova queda
São Paulo – O Ibovespa encerrou em baixa ontem, após quatro altas seguidas, pressionado principalmente pelo declínio das ações de bancos e da Ambev,...
19/07/2018
CVM suspende negociações de fundo imobiliário por suspeita de fraude
Rio de Janeiro - A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) suspendeu a negociação de cotas do Fundo de Investimento Imobiliário (FII) Mérito...
18/07/2018
Itaú entra na disputa no micronegócio
Com POP Credicard, banco espera atingir segmento com grande potencial de expansão
18/07/2018
Toro lança corretora própria e inova no mercado
São Paulo - Depois de receber uma injeção de capital de R$ 46 milhões no ano passado, com a venda de uma fatia minoritária, a Toro Investimentos lançou...
› últimas notícias
Indústria pode recorrer à Justiça por repasse de verbas
Antecipação do abono anima CDL-BH
Em Minas, setor automotivo espera impulso com o Rota 2030
PBH cumpre 1ª etapa de auditoria
Demanda por cães de guarda cresce em BH
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.