22/07/2018
Login
Entrar




Negócios

12/07/2018

Pegaki passa a operar no mercado de Belo Horizonte

Plataforma visa facilitar a entrega de produtos
Thaíne Belissa
Email
A-   A+
Cristofolini: 30% dos clientes acabam comprando nas lojas em que a mercadoria é retirada/Divulgação
Receber encomendas compradas pela internet pode ficar mais fácil em Belo Horizonte. Pelo menos é o que garante a Pegaki, uma rede de pontos de retirada de mercadorias, que acaba de chegar à cidade e promete simplificar a vida de clientes de e-commerces. Baseada no conceito de economia compartilhada, a empresa conecta o varejo que tem um espaço físico ocioso, ao e-commerce, que precisa de pontos de retirada estratégicos. Dessa forma, os clientes podem retirar seus produtos em estabelecimentos mais convenientes para eles. A rede começa a funcionar na Capital em julho e a meta é oferecer 200 pontos de retirada até o fim do ano.

O CEO da Pegaki, João Cristofolini, explica que a empresa resolve um problema antigo de logística do e-commerce. Ele lembra que, embora a compra pela internet seja cada vez mais uma realidade, por outro lado as pessoas ainda têm muita dificuldade de receber os produtos comprados. “O insucesso na entrega é um problema real, seja porque não tem ninguém em casa para receber, ou porque a área é de risco, ou porque o endereço cadastrado está desatualizado. Algumas operações on-line que têm lojas físicas no Brasil já oferecem essa opção de retirada em loja e, essa forma de entrega, já representa 20% do montante relativo a produtos comprados na internet”, diz.

A solução oferecida segue a tendência de economia compartilhada porque conecta diferentes partes de uma cadeia, gerando benefícios para todos. O e-commerce tem a oportunidade de oferecer uma entrega facilitada ao cliente, o que gera uma melhor experiência e mais chance de fidelização. O estabelecimento que se torna ponto de retirada, por sua vez, pode utilizar um espaço que era ocioso sem fazer nenhum investimento. Ele recebe R$ 0,50 por entrega realizada e ainda atrai consumidores para o seu ponto de venda. De acordo com o CEO, em média, 30% dos clientes que passam no ponto para retirar suas encomendas, acabam comprando algum produto na loja.

Por fim, o cliente que fez a compra no e-commerce tem a chance de retirar o produto em estabelecimentos mais convenientes para ele, tanto em relação à proximidade, quanto ao horário de funcionamento. Cristofolini destaca que a Pegaki não é uma transportadora e, por isso, o transporte do produto até o ponto de retirada é feito pelas empresas já utilizadas pelo e-commerce ou por transportadoras parceiras da Pegaki. Segundo ele, o custo por entrega nos pontos da Pegaki é de R$ 2,50. Esse valor pode ser pago pelo e-commerce ou pela transportadora, tendo em vista que há uma economia no deslocamento dos caminhões.

Gestão dos pontos - De acordo com o CEO, a Pegaki é a responsável por toda a gestão dos pontos de retirada. É ela que faz a seleção dos estabelecimentos, treina os funcionários e fornece o sistema de controle de chegada e retirada de mercadoria. Além disso, a empresa notifica o cliente sobre a chegada do produto, a partir de uma integração com o sistema do e-commerce. A empresa opera hoje em São Paulo e no Rio de Janeiro e tem 300 pontos de retirada nessas cidades, entre redes de franquia, lojas de conveniência de postos de gasolina e estabelecimentos locais, como papelarias e petshops.

Para suprir a demanda de um grande e-commerce atendido pela empresa, a Pagaki iniciou uma expansão para as grandes cidades do País. Entre elas está a capital mineira, onde a empresa já está atuando com prospecção de pontos de retirada. Até o momento 30 estabelecimentos já foram selecionados e a expectativa é que o serviço comece a funcionar na cidade em julho. “Belo Horizonte é o terceiro mercado de entregas de e-commerce no Brasil, então é um dos principais mercados para a Pegaki”, diz. Segundo ele, a expectativa é que, até o fim de 2018, a cidade tenha 200 pontos de retirada em operação.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/07/2018
CasaCor Minas começa em agosto
Edição deve atrair cerca de 50 mil pessoas até setembro e gerar 550 novos negócios
21/07/2018
Empresas usam redes como ferramenta de gestão
Nos últimos três anos, os pequenos negócios no Brasil apostaram na informatização e na utilização de novas ferramentas digitais, em especial nas...
21/07/2018
Profissionais precisam reagir com ânimo à crise
O cenário político e econômico atual faz com que instabilidade tome conta nas empresas. O resultado disso são as várias demissões que ocorrem, deixando um...
21/07/2018
IDEIAS | A melhor forma para se tornar uma empresa inovadora
O mundo está cada vez mais dinâmico e os consumidores mais empoderados. Por isso, inovar é o caminho natural das empresas, que precisam estar em constante...
21/07/2018
Funcionários não conseguem se desligar do trabalho durante as férias
Manter completa distância do trabalho durante o período de férias talvez seja coisa do passado. De acordo com uma pesquisa da Robert Half realizada em maio de 2018, com base...
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.