19/08/2018
Login
Entrar

Minas 2032

10/08/2018

Ramacrisna investe no bem-estar dos colaboradores

Instituto está entre os melhores lugares para trabalhar
Daniela Maciel
Email
A-   A+
Instituto é a única instituição social a integrar a lista dos 10 melhores lugares para trabalhar em Minas/Divulgação
“Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todas e todos” é o enunciado do oitavo Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS), traçado pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 2015. A premissa se encaixa com perfeição aos valores defendidos pelo Instituto Ramacrisna, sediado em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

O Instituto Ramacrisna foi um dos ganhadores do ranking Melhores Empresas para Trabalhar GPTW - Minas Gerais e está entre as 10 melhores instituições na categoria Pequenas Empresas. O instituto é a única instituição social a integrar o ranking entre os 10 primeiros colocados e pelo segundo ano consecutivo ocupa uma posição de destaque na lista GPTW. Em 2017, o Ramacrisna foi eleito uma das melhores instituições para se trabalhar na categoria Terceiro Setor e foi o único representante de Minas Gerais no ranking nacional.

Criado há 59 anos, o instituto é referência no desenvolvimento de projetos culturais, educacionais, aprendizagem e cursos profissionalizantes voltados para a comunidade em situação de vulnerabilidade social de Betim e dez cidades do entorno. Criado pelo jornalista Arlindo Corrêa da Silva, o nome do instituto é uma homenagem ao filósofo indiano Sri Ramakrishna, ecumenista que viveu no século 19 e pregava o trabalho social como forma de transformação do ser humano. Em 2017, foram atendidas 12 mil pessoas na sede da instituição e mais de 66 mil em parceria com o poder público.

Leia também:
Ambev busca soluções para problemas ambientais
Prêmio Ser Humano tem as inscrições abertas


Receita - De acordo com a vice-presidente do Instituto Ramacrisna, Solange Bottaro, o foco da gestão e o comprometimento dos funcionários são a receita para a premiação. Tudo isso, porém, demanda esforço e metodologia. “Devo destacar o empenho e comprometimento dos funcionários, mas esse reconhecimento não veio do dia pra noite.

Sempre tivemos foco no ser humano e desde 1994 levamos esse foco para dentro da gestão. Em 2008 percebemos que isso não bastava, era preciso buscar profissionalização e procuramos a Fundação Dom Cabral (FDC), que é uma das mais importantes escolas de negócios do mundo. Como já tínhamos uma base forte de informações conseguimos nos desenvolver rapidamente e hoje somos um case da fundação”, explica Solange Bottaro.

A instituição emprega, atualmente, cerca de 100 pessoas. Apesar da crise econômica atravessada pelo Brasil nos últimos anos, o Ramacrisna manteve os projetos em andamento e conseguiu novos parceiros. Para a vice-presidente, isso está ligado à entrega de resultados e os funcionários são parte fundamental do processo.

“Fazemos questão de cultivar nossos valores e mostramos aos nossos parceiros que conseguimos multiplicar os valores empregados. As empresas parceiras precisam desse retorno e é isso que leva à fidelização. Os funcionários são determinantes nesse processo e, por isso, valorizamos e apoiamos a formação continuada deles. Para ter bons profissionais é preciso pagar salários de mercado e dar suporte para que eles possam melhorar sempre”, pontua a vice-presidente do Instituto Ramacrisna.

OBJETIVO 8

Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todas e todos.


8.1 - Sustentar o crescimento econômico per capita de acordo com as circunstâncias nacionais e, em particular, um crescimento anual de pelo menos 7% do produto interno bruto nos países menos desenvolvidos.

8.2 - Atingir níveis mais elevados de produtividade das economias por meio da diversificação, modernização tecnológica e inovação, inclusive por meio de um foco em setores de alto valor agregado e dos setores intensivos em mão de obra.

8.3 - Promover políticas orientadas para o desenvolvimento que apoiem as atividades produtivas, geração de emprego decente, empreendedorismo, criatividade e inovação, e incentivar a formalização e o crescimento das micro, pequenas e médias empresas, inclusive por meio do acesso a serviços financeiros.

8.4 - Melhorar progressivamente, até 2030, a eficiência dos recursos globais no consumo e na produção, e empenhar-se para dissociar o crescimento econômico da degradação ambiental, de acordo com o Plano Decenal de Programas sobre Produção e Consumo Sustentáveis, com os países desenvolvidos assumindo a liderança.

8.5 - Até 2030, alcançar o emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todas as mulheres e homens, inclusive para os jovens e as pessoas com deficiência, e remuneração igual para trabalho de igual valor.

8.6 - Até 2020, reduzir substancialmente a proporção de jovens sem emprego, educação ou formação.

8.7 - Tomar medidas imediatas e eficazes para erradicar o trabalho forçado, acabar com a escravidão moderna e o tráfico de pessoas, e assegurar a proibição e eliminação das piores formas de trabalho infantil, incluindo recrutamento e utilização de crianças-soldado, e até 2025 acabar com o trabalho infantil em todas as suas formas.

8.8 - Proteger os direitos trabalhistas e promover ambientes de trabalho seguros e protegidos para todos os trabalhadores, incluindo os trabalhadores migrantes, em particular as mulheres migrantes, e pessoas em empregos precários.

8.9 - Até 2030, elaborar e implementar políticas para promover o turismo sustentável, que gera empregos e promove a cultura e os produtos locais.

8.10 - Fortalecer a capacidade das instituições financeiras nacionais para incentivar a expansão do acesso aos serviços bancários, de seguros e financeiros para todos.

8.a - Aumentar o apoio da Iniciativa de Ajuda para o Comércio - Aid for Trade - para os países em desenvolvimento, particularmente os países menos desenvolvidos, inclusive por meio do Quadro Integrado Reforçado para a Assistência Técnica Relacionada com o Comércio para os países menos desenvolvidos.

8.b - Até 2020, desenvolver e operacionalizar uma estratégia global para o emprego dos jovens e implementar o Pacto Mundial para o Emprego da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

CONHEÇA O MOVIMENTO MINAS 2032

 

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/08/2018
Correios reduzem as emissões de CO2
Dados da estatal apontam que o lançamento de carbono na atmosfera recuou 33% em três anos
17/08/2018
Tecnologia pode ajudar cadeirantes no mercado de trabalho
Um novo estudo internacional sobre usuários de cadeira de rodas, feito pela ComRes para a Toyota Mobility Foundation, destaca a necessidade de inovação no campo da tecnologia...
03/08/2018
Hotel Mercure planta horta orgânica em BH
Iniciativa na unidade do bairro Lourdes faz parte de uma série de ações da rede AccorHotels
03/08/2018
Ação da McDonald's visa reduzir o uso de canudos plásticos
Em uma iniciativa em prol do meio ambiente, a Arcos Dorados , maior franquia independente do McDonald’s no mundo, anuncia que entregará canudos de plástico aos clientes...
03/08/2018
Mulheres são minoria em cargos de alta gerência
Embora a diversidade de gênero esteja no foco das discussões corporativos, mulheres em cargo de alta gerência não é realidade nos países da América...
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


18 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.