20/07/2018
Login
Entrar




DMEP - Cegueira das Organizações

13/03/2018

Será que devo investir nesta startup? (Parte 1)

BRUNO PFEILSTICKER*
Email
A-   A+
Será que devo investir nesta startup? Esta é uma pergunta cada vez mais comum nos dias de hoje. A frequência alta de ocorrências deste tipo de questionamento poderia ser justificada por diferentes fatores, mas, de forma objetiva, entendo que a queda nas taxas de juros e a pujança do empreendedorismo e inovação são as principais razões para o crescente surgimento de oportunidades de investimento em startups.





Para tomar uma decisão assertiva de investimento é preciso primeiro compreender os momentos de uma empresa emergente, entender os riscos e os deliverables esperados para cada uma destas etapas. Em linhas gerais, três grandes etapas podem ser identificadas: uma de ideação, outra de implantação e a terceira de crescimento. A primeira etapa é caracterizada pela ideação e validação de produto. A implantação se caracteriza pela otimização do modelo de negócio e tração de mercado, enquanto na terceira fase, o crescimento, espera-se que a empresa consolide sua atuação no mercado.

Além disso, é importante entender os tipos de investimento realizados, os perfis típicos de investidores e os valores médios aportados em cada uma destas etapas. Até que a empresa comprove seu modelo de negócio e que tenha um tracionamento agressivo de mercado, considera-se que ela atravessa o vale da morte. Este recorte está alinhado às etapas de concepção/implantação e representa o período de maior incidência de fracassos das startups, portanto, representando o maior risco para um investimento. Como apontado no esquema a seguir, em um recorte mais inicial da concepção/implantação, os investimentos realizados no earlystages são feitos por amigos e família, além de aportes realizados por investidores anjos. Os valores normalmente aportados giram, no Brasil, entre R$ 50 mil até R$ 300 mil.


Em um extremo mais avançado da concepção/implantação são realizados os investimentos de seed money, ou capital semente, que giram entre R$ 500 mil e R$ 1,5 milhão. Este perfil de investimento, no Brasil, normalmente é feito por fundos institucionais, clubdeals ou Family offices. Em alguns casos são realizados aportes intermediários entre os dois extremos desta fase de concepção e implantação, chamado de investimento pre seed, cujos valores giram entre as faixas acima estabelecidas.

Na fase final de implantação da empresa e na fase de crescimento os investimentos realizados são os chamados series A, B e C, com valores na maior parte das vezes, superiores à R$ 3 milhões a R$ 5 milhões, em um extremo inicial. Normalmente são realizados por fundos institucionais de venture capital e private equity.
Em um próximo ensaio falarei sobre os critérios norteadores para tomada de decisão de investimentos em uma startup ou portfolio de empresas.

*Sócio-diretor da DMEP

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

03/07/2018
Boca a boca eletrônico e a gestão de negócios na era digital
A popularização da internet possibilitou a criação de redes sociais eletrônicas nas quais as pessoas expõem diversos aspectos de suas vidas. A crescente...
26/06/2018
Será que devo investir nesta startup? (Parte 3)
No ensaio anterior, publicado nesta coluna em 08/05/2018 discutiu-se os parâmetros de avaliação normalmente utilizados para análise e tomada de decisão de...
19/06/2018
Agente integrador ou operador de um elo da cadeia de valor: Qual o melhor posicionamento?
O atual movimento de digitização ou transformação digital tem colocado a questão do posicionamento na cadeia de valor no planejamento dos novos negócios....
12/06/2018
Como vender a minha empresa? Parte 7
Nas edições anteriores desta série de ensaios sobre “Como vender a minha empresa” iniciada em julho de 2017, foram abordados passos importantes sobre quando estamos...
05/06/2018
Desenvolvimento de projetos ventures: criando produto e negócio simultaneamente
Desenvolver projetos ventures, inovações que podem se manifestar via empreendimentos greenfield (produtos e negócios que surgem a partir de ideias criativas, inexistindo...
› últimas notícias
A precificação de carbono
Câmbio automático para Polo e Virtus 1.6
AGENDA TRIBUTÁRIA ESTADUAL
CURTAS | DC Mais 20/05
AGENDA CULTURAL 20/07
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


20 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.