Publicidade
22 de June de 2017
Login
Entrar

DMEP - Cegueira das Organizações

30/05/2017

A ampliação do conceito de parceria público-privada para um estado gerador de valor (Parte III) - Desenvolvendo e implementando iniciativas geradoras de valor

Rodrigo de Araújo Ferreira
Email
A-   A+
Nas duas primeiras seções desta série abordamos a importância da parceria público-privada (PPP) como importante mecanismo para um estado gerador de valor e a necessidade da utilização de métodos capazes de orientar a condução destas parcerias, em que abordamos o GDNI® como exemplo de metodologia que vem sendo empregada para tal fim, tendo sido abordadas no último ensaio suas duas primeiras fases (Selecionar ideia e Planejar oportunidade). O presente ensaio irá abordar as fases 3 e 4 - Desenvolver e Implementar projetos e/ou iniciativas geradoras de valor. Porém, antes, vale recapitularmos os temas abordados anteriormente.

O ensaio publicado em 14 de junho de 2016 (edição 23.144) discorreu sobre a necessidade de ampliação do conceito de PPP para além do que se aplica hoje no País (contratos de prestação de obras e serviços), devendo ser aplicado a toda e qualquer iniciativa a qual o Estado pode ganhar em termos de geração de resultados, principalmente em áreas as quais o setor público deve agir mais como fomentador e regulador e menos como responsável por sua gestão.

Já o ensaio publicado em 27 de dezembro de 2016 (edição 23.278) abordou as duas primeiras fases do GDNI®: Selecionar ideia e Planejar oportunidade, possibilitando a definição de quais oportunidades de PPP’s serão formalizadas em serviços públicos, programa e projetos viáveis e sustentáveis, de forma consistente, levando em consideração as tendências, anseios da sociedade e do mercado e saindo do campo das ações desconexas, descontinuadas e pautadas apenas em interesses de grupos políticos e econômicos. Sabemos, porém, que de nada adianta bons planos sem que os mesmos sejam de fato desenvolvidos e implementados, caso contrário, todos os esforços e investimentos poderão cair por terra, daí a importância das Fases 3 e 4 do GDNI® que apresentaremos em seguida.

A fase III - Desenvolver Projeto, especifica e gerencia a condução de cada oportunidade contida no portfólio desdobrado na fase II (serviços, políticas públicas e programas) por área (saúde, educação, transportes, mobilidade, segurança, infraestrutura etc.). O gerenciamento abrange o desdobramento e acompanhamento do cronograma, orçamento, equipe e demais recursos de cada projeto, além de coordenar o projeto de negociação junto a parceiros, investidores, representantes da sociedade de demais stakeholders. Importante ressaltar a necessidade de um bom engajamento das pessoas, no momento em que se faz necessária a estruturação das equipes. É importante mesclar competências (caso seja possível) e que cada envolvido conheça o papel esperado e os entregáveis previstos, sendo este um dos fatores chaves para que os projetos deem certo.

Por fim, a fase IV Implementar operação, irá gerenciar a implantação de cada serviço, política pública e programa, coordenando seu lançamento e a inicialização de cada oportunidade em termos de governança e gestão sustentável, acompanhando seus indicadores e promovendo os ajustes necessários para que cada iniciativa seja de fato eficiente e eficaz em termos de retorno financeiro, impacto social, impacto na economia, etc.

Quando se fala em geração de valor para a sociedade, não basta o desenvolvimento de parcerias sem que se tenha um bom planejamento de iniciativas de políticas públicas, serviços públicos e programas. Também de nada irá adiantar que se tenha bons planos se os mesmos não forem traduzidos em iniciativas desenvolvidas e implementadas. Além disso, é necessário o acompanhamento contínuo através de bons indicadores capazes de analisar seu real impacto. Caso contrário, continuaremos tendo planos de gaveta e recursos públicos desperdiçados.

*Sócio-gerente da DMEP

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/06/2017
Empreendimentos inovadores, impactantes e exitosos: a criação de uma "não startup" de sucesso
O que explica a trajetória bem-sucedida de empreendimentos especiais em detrimento a percursos menos auspiciosos de demais competidores? Essa foi a pergunta lançada quando inauguramos...
13/06/2017
Como vender a minha empresa? Parte 1
Vender parte ou a totalidade de uma empresa pode ser uma oportunidade para realizar o investimento. Também é uma alternativa para captar recursos para investir e crescer ou mesmo uma...
07/06/2017
A análise de dados auxiliando no mapeamento da jornada do cliente
Existem diversas oportunidades para melhorar os resultados das organizações a partir de conceitos de Data and Analytics. Uma das oportunidades, que vem ganhando mais espaço...
23/05/2017
Preparar para conduzir as estratégias nas empresas
As organizações empresariais de maneira geral têm reconhecido a importância de se planejarem estrategicamente, visando alcançar no futuro melhores...
16/05/2017
A leitura do contexto como competência essencial à sobrevivência e revolução estratégica
Você costuma olhar ao seu redor? Mais do que isso, analisa e interpreta os sinais do contexto? Pois há quem não se dê conta, quem não se importe, ou até...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.