17/08/2018
Login
Entrar

Economia

10/08/2018

Abag avalia prejuízos ao setor com política de concessões de aeroportos no País

AE
Email
A-   A+
São Paulo - As concessões de aeroportos à iniciativa privada no Brasil prejudicaram a aviação geral - que engloba todas as operações que não sejam regulares (de linhas aéreas) ou militares - e também a aviação executiva, um de seus principais braços, avaliou o diretor-geral da Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag), Flávio Pires. De acordo com o dirigente, essa é uma preocupação que já foi levada pela associação à Secretaria de Aviação Civil (SAC), ligada ao Ministério dos Transportes.

A entidade que representa a aviação geral brasileira engrossa o coro da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês), que agrega cerca de 280 companhias aéreas e também tem feito críticas ao processo de privatização da infraestrutura aeroportuária em todo o mundo.

Conforme um diagnóstico divulgado pela Iata em junho, as privatizações de aeroportos ao redor do mundo, inclusive no Brasil, encareceram os serviços aos usuários e não trouxeram ganhos de eficiência substanciais. A associação não se posiciona contra as privatizações em si, mas defende que os modelos atuais precisam ser repensados, já que, em sua avaliação, as vendas ou concessões de aeroportos têm servido principalmente para gerar caixa aos governos e não para beneficiar o setor e a população.

Leia também:
Azul espera maior demanda até fim do ano
Líder prevê avanço em horas voadas


Segundo a Abag, a aviação geral foi prejudicada pelas concessões brasileiras tanto na ponta operacional nas áreas aeroportuárias, quanto em termos de custo. Entre os terminais problemáticos, ele cita Guarulhos, Galeão e Brasília.

Flávio Pires disse que entende como “legítima” a intenção de aumentar os preços. “É a lojinha dele, ele (o operador aeroportuário) vai cobrar mais de quem puder”, afirma. Entretanto, ele se diz contrário ao modelo de privatização que vem sendo utilizado pelo governo e destacou que, em conversas com a SAC, a associação tem defendido que prefere compartilhar a infraestrutura atual com a aviação comercial e não requer necessariamente uma infraestrutura própria.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/08/2018
Desocupação diminui em Minas Gerais
Estimada em 10,8%, taxa recua 1,8 ponto percentual no segundo trimestre ante o primeiro
17/08/2018
Cemig fecha primeiro semestre com lucro de R$ 700 mi, alta de 45%
No fim de junho, dívida líquida somava R$ 13,3 bi
17/08/2018
Consumo de bens industriais avança 9,9% em junho, deixando efeito greve
Rio de Janeiro - O consumo de bens industriais aumentou em 9,9% em junho ante maio, segundo o Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais, divulgado ontem pelo Instituto de...
17/08/2018
Fontes de geração renováveis são 81,9% da capacidade instalada
Essa é também a origem de 87,8% da produção total no País
17/08/2018
Aumento de 0,5% passa a incidir hoje, nas refinarias, sobre o litro da gasolina
Rio de Janeiro - O litro da gasolina nas refinarias passará a custar R$ 1,9810 a partir de hoje, um aumento de 0,5% em relação ao preço de R$ 1,9711 cobrado ontem....
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.