Publicidade
20/11/2017
Login
Entrar

FEDERAMINAS - Negócios em Foco

08/04/2017

ACEs recorrem a deputados de Minas contra aprovação de PEC

Assessoria de Comunicação Federaminas
Email
A-   A+
Mobilizadas, as associações comerciais do Estado estão pleiteando dos parlamentares mineiros a rejeição, pela Câmara dos Deputados, da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 255/2016, que torna funções privativas dos cartórios as atividades de recuperação de crédito, da prova do inadimplemento ou da mora, funções hoje exercidas pelos bancos de proteção ao crédito. Ação nesse sentido é liderada pela Federaminas e pela Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB).

Para o presidente da Federaminas, Emílio Parolini, a proposta de emenda é claramente inconstitucional, uma vez que afronta os princípios da livre iniciativa e da livre concorrência, previstos na Constituição Federal, criando um verdadeiro monopólio dos cartórios de protesto. “Como se sabe, o Código de Defesa do Consumidor coloca os bancos de dados de proteção ao crédito na categoria de entidades de caráter público, diante da sua importância para manutenção e equilíbrio do mercado de crédito”, acrescenta.

O dirigente classista assinala que a estabilidade financeira e a segurança nas transações comerciais das empresas dependem das atividades desempenhadas pelos bancos de proteção ao crédito, por fornecerem, em tempo hábil, dados essenciais para subsidiar tomadas de decisões. Em sua opinião, o que se propõe através da PEC 255/2016 dificulta significativamente o acesso às informações nas transações comerciais, ao estabelecer os cartórios como detentores exclusivos da função de recuperação de crédito e prova de inadimplência.

Para o comércio, segundo ele, o atual procedimento dos cadastros de proteção ao crédito é ágil e basta a simples consulta via internet, enquanto para o consumidor é necessária apenas a regularização da dívida ou acordo para a exclusão da informação dos cadastros de proteção ao crédito.

Parolini adverte que, ao contrário, nos protestos feitos pelos cartórios o procedimento é mais burocrático e oneroso para ambos, já que exigirá deslocamentos e pagamento das custas cartorárias pelo consumidor, independentemente da regularização da dívida.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

11/11/2017
Federaminas realiza em Araxá o I Encontro Conexão Startups
Com o objetivo de oferecer a empreendedores oportunidade de se conectarem a potenciais clientes, parceiros, investidores e apoiadores de seus negócios atuais ou futuros, a Federaminas,...
11/11/2017
São Roque de Minas aprova o conselho para o Pró-Município
A Câmara Municipal de São Roque de Minas aprovou em 26 de outubro projeto de lei criando o Conselho de Desenvolvimento Econômico (Desenvolve), uma das etapas da...
11/11/2017
Evento em Lagoa Santa avalia desenvolvimento no vetor norte
“Cenário do desenvolvimento econômico e social no vetor norte e em Minas Gerais” é o tema em debate em café empresarial que a Associação...
28/10/2017
Projeto Pró-Município define prioridades para Belo Oriente
Educação profissionalizante, competitividade empresarial, segurança pública e cidadania – desenvolvimento social são as áreas prioritárias...
28/10/2017
Ponte Nova aborda problemas criados por comércio irregular
Diante de problemas decorrentes do crescimento do comércio irregular na cidade, a Associação Comercial de Ponte Nova criou uma comissão destinada a avaliar a...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.