Publicidade
21/10/2017
Login
Entrar

Internacional

12/10/2017

AL e Caribe crescerão 1,2% neste ano e 2,3% em 2018

FP
Email
A-   A+
Washington - Depois de seis anos de desaceleração econômica e de uma retração de 1,3% em 2016, a América Latina e o Caribe crescerão 1,2% em 2017 e 2,3% em 2018, impulsionados por Brasil e Argentina, segundo dados apresentados na quarta-feira (11) pelo Banco Mundial.

“A recuperação será liderada por uma robusta retomada da Argentina, que deve crescer 2,8% em 2017 e 3% em 2018, e pelo Brasil, que deve retomar o crescimento também, com aumento de 0,7% do PIB em 2017 e 2,3% em 2018, após dois anos de contração”, aponta o relatório do banco sobre a situação econômica da região.

Os dados usados são previsões de analistas de mercado, e diferem um pouco dos apresentados na última terça-feira (10) pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que prevê, por exemplo, crescimento de 1,5% para o Brasil em 2018.

Segundo o Banco Mundial, a expectativa é que os fatores externos que tipicamente têm sido associados ao crescimento da região, como os preços das commodities, permaneçam “estáveis”, o que aumentaria a necessidade, no curto prazo, de que a região conte com suas “próprias fontes de crescimento”. “Em particular, [são necessárias] reformas estruturais em pensões, mercados de trabalho e educação e aumentos no gasto de infraestrutura”, avalia o relatório.

O Banco Mundial alerta ainda para os riscos representados pela frágil situação fiscal dos países da região. Segundo o relatório, 28 dos 32 países da América Latina e Caribe vão registrar balanço negativo neste ano.

“A situação é bastante precária”, considerou na quarta o economista chefe do Banco Mundial para América Latina e Caribe, Carlos Végh, antes de destacar que as taxas médias de endividamento vão se situar, neste ano, em 58,7% do PIB, com seis países com taxas superiores a 80% - entre eles, o Brasil.

Ajuste fiscal - Végh reconheceu que a região já começou um processo de ajuste fiscal gradual. “Embora os países da região precisem realizar ajustes fiscais para se adaptarem à nova realidade após a bonança das commodities, muitos estão certos em promovê-las gradualmente para evitar uma nova recessão”, pontuou.

O economista chefe para a região afirmou que, na parte econômica, o Brasil “está fazendo as coisas bem”, após aprovar a PEC do teto de gastos e a reforma trabalhista.
“Também está se discutindo de forma séria uma reforma previdenciária e a política monetária tem sido conduzida de forma muito séria”, afirmou. “O Brasil começou um plano de consolidação fiscal gradual e isso explica porque ele conseguiu se recuperar neste ano e esperamos um crescimento maior no ano que vem.”

Apesar de destacar as incertezas políticas no País, Végh disse “estar otimista” em relação ao crescimento brasileiro se as reformas que estão planejadas “continuarem no ano que vem e além das eleições” de 2018.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/10/2017
UE vai insistir em acordo com o Mercosul
Conversas serão mantidas, apesar das reservas da França em relação às importações agrícolas
21/10/2017
China prepara emissão de bônus em dólar
Pequim - A China selecionou dez bancos, incluindo quatro estrangeiros, para coordenar uma emissão de bônus denominado em dólares no valor de US$ 2 bilhões, que...
21/10/2017
Trump anuncia três candidatos para assumir o Fed
Washington – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que tem três candidatos preferidos para o comando do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) a partir de...
21/10/2017
Setor imobiliário está desacelerando neste ano
Pequim - A China registrou um crescimento econômico relativamente sólido no terceiro trimestre impulsionado por uma atividade de serviços mais forte, embora haja sinais de...
20/10/2017
Brasil seria país mais alinhado para conquistar vaga na OCDE
Adesão foi solicitada em junho, mas aprovação pode levar 4 anos
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.