Publicidade
24/05/2018
Login
Entrar

Finanças

16/05/2018

Alta no País é parte de movimento global

ABr
Email
A-   A+
Brasília - A alta do dólar no Brasil é um movimento internacional de fortalecimento da moeda norte-americana, disse o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, ontem, em Brasília.

O ministro conversou com a imprensa após participar de reunião com o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Raimundo Carreiro, para discutir como o tribunal pode ampliar a capacidade de auditar os parcelamentos de dívidas tributárias e benefícios fiscais.
“No curto prazo, é um movimento internacional de fortalecimento do dólar, e o Brasil não está imune a isso”, disse o ministro.

“Vejo como uma tendência internacional de fortalecimento do dólar. Se nós olharmos para os países emergentes ou para as principais moedas, elas estão se desvalorizando vis-à-vis o dólar”, destacou Guardia.

Segundo o ministro, o governo deve manter a estratégia de ajuste fiscal para fazer frente à alta do dólar. “A melhor resposta do governo é persistir trabalhando no processo de consolidação fiscal, aumentar a produtividade, reduzir custos para tornar a economia brasileira mais eficiente. Temos um cenário de contas externas muito favorável, temos reservas internacionais, temos um pequeno déficit em transações correntes, que é amplamente financiável pelos investimentos diretos estrangeiros, a inflação está baixa e há um processo de redução da taxa de juros”, disse.

Intervenção - A alta do dólar ocorre mesmo com ajustes na atuação do Banco Central (BC) no mercado de câmbio. Na última sexta-feira (11), após o fechamento do mercado, o banco anunciou ajustes nos leilões de contratos de swaps cambiais, equivalentes à venda de dólares no mercado futuro. O BC passou a fazer leilões com vencimento em junho e antecipou operações adicionais.

Com os ajustes, ontem o BC iniciou a oferta diária de rolagem integral de 4.225 contratos, com vencimento em junho. Além disso, a instituição passou a fazer a oferta adicional de 5 mil novos contratos ao longo do mês e não apenas ao final, como estava previsto.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

24/05/2018
Greve pesa e Ibovespa tem forte queda
Paralisação dos caminhoneiros pelo País afetou os papéis da Petrobras, levando indicador a um recuo de 2,26%
24/05/2018
IPCA-15 desacelera em maio e registra menor nível em 18 anos para o mês
São Paulo - A prévia da inflação oficial brasileira subiu bem menos do que o esperado e registrou o menor nível em 18 anos para maio, diante da queda dos...
23/05/2018
Nubank alcança marca de 4 milhões de clientes em maio
Fintech havia encerrado último ano com 3 milhões de consumidores
23/05/2018
Ibovespa avança 1,13%, e dólar volta a recuar no País
São Paulo - O principal índice da bolsa paulista fechou em alta ontem, apoiado na recuperação de ações atreladas à economia doméstica,...
22/05/2018
Itaú reduz juros e acirra disputa entre bancos
Antes da instituição, outros concorrentes privados também já tinham realizado cortes em suas taxas
› últimas notícias
Preço do etanol acompanha alta da gasolina na Capital
Plano Diretor da Capital é questionado
Sem acordo, caminhoneiros decidem continuar greve
Biomm aciona Anvisa para liberar remédio
Quatro de cada cinco empresas do País planejam investimentos para este ano
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


23 de maio de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.