Publicidade
21/02/2018
Login
Entrar

Finanças

11/10/2017

Analistas estimam déficit primário de R$ 158,4 bilhões

Leilões realizados pelo governo devem reduzir o rombo neste ano
AE
Email
A-   A+
Mansueto Almeida destaca que o Brasil ainda tem uma relação dívida bruta e PIB muito alta em relação aos países emergentes/Marcelo Camargo/ABr
Brasília - Após os bons resultados dos leilões de hidrelétricas e de petróleo no mês passado, os analistas de mercado ouvidos pelo Ministério da Fazenda passaram a prever que o governo entregará um déficit primário neste ano um pouco menor que a meta fiscal negativa de R$ 159 bilhões. De acordo com o boletim Prisma Fiscal, divulgado ontem pela Secretaria de Política Econômica (SPE) da pasta, a mediana das previsões passou de um rombo de R$ 159 bilhões para um déficit de R$ 158,430 bilhões.

Já para 2018, os analistas projetaram um déficit de R$ 155,613 bilhões, ampliando a folga para a meta que também é de R$ 159 bilhões no negativo. No boletim de setembro, as previsões indicavam o saldo negativo de R$ 156,341 bilhões para o próximo ano.

Ainda assim, o Prisma deste mês voltou a revisar para baixo as previsões do mercado para a arrecadação das receitas federais em 2017, com a estimativa passando de R$ 1,337 trilhão para R$ 1,335 trilhão. Para 2018, no entanto, diante das melhores perspectivas de crescimento da economia, a projeção para a arrecadação subiu de R$ 1,440 trilhão para R$ 1,448 trilhão.

A estimativa para a receita líquida do governo central neste ano passou de R$ 1,134 trilhão para R$ 1,140 trilhão, enquanto para o próximo ano passou de R$ 1,210 trilhão para R$ 1,215 trilhão.

Já pelo lado do gasto, a projeção de despesas totais do governo central este ano subiu de R$ 1,292 trilhão para R$ 1,296 trilhão Para 2018, a estimativa aumentou de R$ 1,363 trilhão para R$ 1,366 trilhão.

A mediana das projeções dos analistas do Prisma para a dívida bruta do governo geral ao fim de 2017 passou de 75,80% do PIB para 75,44% do PIB. Para 2018, a estimativa que estava em 78,82% do PIB em setembro caiu para 77,80% do PIB no relatório desta terça-feira.

Leia também:
Moody´s: perspectiva deve continuar negativa


Curto prazo - O Prisma também atualizou as projeções fiscais este e os próximos dois meses. Para outubro, a estimativa de déficit primário passou de R$ 1,225 bilhão para R$ 2,827 bilhões. Para novembro, a previsão de saldo negativo recuou de R$ 20,004 bilhões para R$ 19,815 bilhões. Para dezembro, a projeção de rombo passou de R$ 24,620 bilhões para R$ 28,072 bilhões.

Dívida x PIB - O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, afirmou em palestra ontem, que o Brasil, considerando seu nível de desenvolvimento, já tem a segunda maior relação entre a dívida bruta e o Produto Interno Bruto (PIB) dos países emergentes e que a trajetória deste indicador é insustentável.

“O Brasil ainda tem desequilíbrio fiscal muito grande”, disse o secretário em sua apresentação, feita durante a conferência anual da agência de classificação Moody’s em São Paulo. Desde início dos 90, o País nunca teve sequência tão longa de déficits primários, ressaltou ele.

Mansueto afirmou que o ajuste fiscal continua a ser feito pelo governo de Michel Temer, mas são mudanças graduais e a dívida pública ainda crescerá. O ajuste é gradual, explicou, porque grande parte da despesa do governo é obrigatória, vinculada a leis.

Este nível elevado de endividamento público não seria um problema se o Brasil fosse uma economia desenvolvida, ressaltou o secretário. Países como Japão e Alemanha, disse ele, conseguem se financiar por período muito longo a juro muito baixo.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/02/2018
Ibovespa volta a atingir máxima histórica
Índice fechou a sessão com alta de 1,19% mesmo com engavetamento da reforma da Previdência
21/02/2018
Governo terá dificuldade para cumprir a regra de ouro
São Paulo - A secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, disse ontem que a insuficiência do governo para cumprir com a regra de ouro das contas públicas,...
21/02/2018
Dólar sobe e alcança o patamar de R$ 3,25
São Paulo - O dólar fechou em alta e de volta ao patamar de R$ 3,25 ontem, acompanhando a cena externa e um dia depois de o governo ter jogado a toalha sobre a reforma da...
20/02/2018
Prévia do PIB tem alta de 1,04% em 2017
IBC-Br elaborado pelo Banco Central tem o primeiro avanço após três anos consecutivos em queda
20/02/2018
Ibovespa tem dia estável com feriado nos EUA
São Paulo - Com o feriado do Dia do Presidente nos Estados Unidos, que manteve fechados os mercados em Nova York, o Ibovespa operou durante todo o pregão de ontem em leve alta. Na...
› últimas notícias
Alienação fiduciária será analisada pelo STF
Formação Bruta de Capital Fixo recua 2% em 2017, segundo o Ipea
Desistência em aprovar reforma da Previdência é fator negativo para nota
Produção de ouro da AngloGold cresce 4%
Plano Rota 2030 será anunciado neste mês
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Electric Ink investe R$ 12 mi em Uberaba
Mudanças legislativas geram divergências
Coco Bambu vai desembarcar na Capital e Uberlândia
Governo adia votação de reforma
Petrobras passa a divulgar preços médios nas refinarias
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de fevereiro de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.