Publicidade
23/05/2018
Login
Entrar

Política

21/11/2017

Ao assumir, novo diretor-geral põe em dúvida corrupção atribuída a Temer

FP/Reuters
Email
A-   A+
Brasília - O novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, apontou dúvida sobre a conclusão de que houve corrupção por parte de Michel Temer no caso da JBS. Em entrevista coletiva ontem, ao tomar posse, Segovia criticou o pouco tempo dedicado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) à investigação do caso.

Para Segovia, há hoje um “ponto de interrogação no imaginário” da população sobre o papel do presidente no crime de corrupção atribuído pela PGR.

Temer foi denunciado por Rodrigo Janot, então procurador-geral, por corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa em decorrência da delação de Joesley Batista.

“A gente acredita que, se fosse sob a égide da Polícia Federal, essa investigação teria de durar mais tempo, porque uma única mala talvez não desse toda a materialidade criminosa que a gente necessitaria para resolver se havia ou não crime, quem seriam os partícipes e se haveria ou não corrupção”, afirmou.

“É um ponto de interrogação que fica hoje no imaginário popular brasileiro e que poderia ser respondido se a investigação tivesse mais tempo”, completou. A mala a que Segovia se refere foi um dos pilares da denúncia oferecida pela PGR contra o presidente por corrupção passiva. A acusação foi barrada pela Câmara em agosto.

Rodrigo Rocha Loures foi flagrado saindo de uma pizzaria em São Paulo com R$ 500 mil entregue por um executivo da JBS. Para Janot, o dinheiro era fruto de corrupção e tinha autorização de Temer para ser recebido. A PF, em seu próprio relatório à época, também chegou à mesma conclusão.

Segovia foi empossado ontem, no lugar de Leandro Daiello, que estava há quase sete anos no posto. Temer participou da cerimônia, fato inédito na história das transmissões de cargo da polícia, segundo Segovia.

O diretor disse ainda que alguns fatos da delação premiada da JBS precisam ser melhor explicados. “Quando acontece na quarta-feira o anúncio de toda a exposição na PGR o que se descobriu em seguida foi que a JBS havia ganhado muito dinheiro no mercado de capitais de maneira ilegal. Foram fatos que aconteceram e que talvez tenham que ser melhor explicados. E talvez seria bom, para que o Brasil inteiro soubesse, que houvesse uma transparência maior sobre como foi conduzida aquela investigação”, declarou.

O novo diretor-geral da Polícia Federal disse ainda que buscará o “combate incansável à corrupção” à frente do cargo, afirmou que a Lava Jato continuará sendo a agenda prioritária da corporação e criticou a disputa institucional de poder entre a PF e o Ministério Público Federal que, na sua visão, apenas beneficia o crime organizado.

Delação - Fernando Segovia fez uma enfática defesa do instituto da delação premiada, tentou amenizar disputas da corporação com o Ministério Publico Federal e se disse lisonjeado com a presença do presidente Michel Temer em sua cerimônia de posse.
Segovia falou que a direção-geral não vai mudar o foco nas delações premiadas feitas pela PF e que vai conversar com todos os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) para reforçar que “como uma ferramenta de investigação” e delação “tem que fazer parte de um das atribuições da PF”. “Acredito que instituto da delação premiada é importantíssimo. É fortíssima ferramenta para a investigação criminal”, destacou.

Sobre as possíveis ilegalidades em delações firmadas pelo MPF, sem a participação da PF, como a do caso JBS, Segovia disse que caberá ao STF decidir sua validade. “Não cabe à PF tecer críticas”.

Segovia afirmou que teve conversa preliminar com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e que pretendem estabelecer uma metodologia de trabalho entre PF e MPF. Segundo ele, não se falou sobre a atribuição da PF nas delações. “Não se pode tocar no ponto mais nevrálgico do problema (na primeira conversa)”, afirmou.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

23/05/2018
Meirelles é oficializado pelo MDB
Michel Temer lança a pré-candidatura do ex-ministro da Fazenda para sua sucessão
23/05/2018
Controlador da Marfrig aceita pagar R$ 100 mi
Brasília - O Ministério Público Federal, no Distrito Federal, firmou termo de compromisso de reparação com Marcos Antônio Molina dos Santos, investigado...
23/05/2018
Tribunal de Minas rejeita último recurso de Azeredo
Desembargadores determinam a emissão de mandado de prisão
23/05/2018
Governo decide desbloquear R$ 2 bilhões
Brasília - O governo desbloqueou R$ 2 bilhões do Orçamento de 2018, ano marcado pelas eleições presidenciais, diante da previsão de maior receita gerada...
23/05/2018
Celso de Mello defende restrição do foro privilegiado para governadores
Brasília - O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu que a restrição do foro privilegiado de parlamentares, decidida neste mês...
› últimas notícias
Uso de térmicas pressionou elevação
Reajuste tarifário médio chega a 23,19% em Minas
Dia da Liberdade de Impostos terá adesão de cerca de 800 lojas
Cide deve ser zerada sobre o diesel
Acordo de líderes pode destravar a pauta
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


23 de maio de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.