Publicidade
22/09/2017
Login
Entrar

Política

09/09/2017

Áudio polêmico pode levar Joesley à perda de imunidade

FP
Email
A-   A+
Brasília - Apesar da defesa apresentada pelos delatores da JBS na última quinta-feira, o procurador-geral, Rodrigo Janot, decidiu pedir a revogação da imunidade concedida aos integrantes do grupo, incluindo a de Joesley Batista.

Com isso, há a possibilidade de Janot pedir a prisão do grupo, segundo palavras de um interlocutor da Procuradoria-Geral da República.

Segundo pessoa ligada às investigações, após o episódio do polêmico áudio, “do jeito que está não pode ficar”.

Conforme reportagem publicada pela Folha de S.Paulo na quarta-feira, Janot quer revogar o benefício concedido porque entende que houve patente descumprimento de dois pontos de uma cláusula do acordo de delação que tratam de omissão de má-fé, o que justificaria rever os benefícios. A imunidade foi considerada a parte mais polêmica do acordo celebrado.

Em depoimento à Procuradoria-Geral da República, Joesley Batista afirmou que não recebeu orientações do ex-procurador Marcello Miller para negociar um acordo de delação, nem para gravar o presidente Michel Temer no encontro no Palácio do Jaburu, em 7 de março.
O empresário depôs por quase três horas na sede da PGR, em Brasília. Além dele, prestaram depoimento outros dois delatores, Ricardo Saud, diretor e lobista do grupo, e o executivo e advogado da empresa Francisco de Assis e Silva.

Os três foram chamados a prestar esclarecimentos sobre o áudio polêmico entregue à Procuradoria no dia (31), em que Joesley e Saud indicam que Marcello Miller teria atuado para ajudá-los no processo de delação quando ainda era procurador.

Por causa dessa nova gravação, de 17 de março e com quase quatro horas de duração, Janot anunciou abertura de investigação para apurar omissão de informações, com ameaça de revisão dos benefícios concedidos, incluindo a imunidade penal.

Segundo a reportagem apurou, uma eventual revisão dos termos da delação não foi discutida no depoimento dos delatores desta quinta.

Ainda segundo apuração da reportagem, Joesley disse no depoimento que foi apresentado a Miller por Francisco de Assis e Silva porque estava à procura de alguém para a área de anticorrupção da empresa.

Os delatores argumentaram que apenas consultaram Miller em linhas gerais sobre o processo de delação e que acreditavam que ele já havia saído da PGR.

O ex-procurador pediu o desligamento do Ministério Público Federal no dia 23 de fevereiro, mas a saída foi oficializada em 5 de abril.

Janot quer acelerar a revisão do acordo porque seu mandato no comando da Procuradoria termina no próximo dia 1. Caso contrário, uma decisão sobre o caso ficará nas mãos da sua sucessora, Raquel Dodge.

O principal benefício acordado por Janot foi o de não denunciar os delatores criminalmente à Justiça, imunidade que rendeu inúmeras críticas ao acerto, homologado (validado) pelo STF em maio. Em nota, a JBS diz não ser possível dar detalhes dos depoimentos em razão de sigilo e afirma que os executivos “continuam à disposição para cooperar com a Justiça.”

Caso Miller - Após deixar a PGR, o ex-procurador Marcello Miller passou a atuar no escritório de advocacia Trench Rossi Watanabe, que foi um dos responsáveis por atender a JBS na negociação do acordo de leniência da empresa.

Tanto ele quanto os empresários, porém, negam sua atuação nas tratativas do acordo de delação. Após surgir a polêmica, Miller deixou o emprego.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

22/09/2017
Temer recebeu propina, afirma Funaro
Odebrecht e Andrade Gutierrez destinaram recursos de obra de usina para o presidente, diz doleiro
22/09/2017
Grace Mendonça propõe contabilizar mais de R$ 4 bilhões de precatórios
AGU decide encaminhar portaria para o Tesouro Nacional
22/09/2017
Relator de acusação na CCJ deve ser técnico
Brasília - À espera da chegada da segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer à Câmara, o presidente da...
22/09/2017
Supremo conclui julgamento sobre denúncia contra Michel Temer
Brasília - Por dez votos a um, o Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu o julgamento ontem de que o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, deve enviar para a Câmara dos...
22/09/2017
CPI mista aprova convite a Rodrigo Janot para esclarecer acordo feito com executivos
Brasilia - Em sessão esvaziada, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista da JBS aprovou ontem um convite para ouvir o ex-procurador-geral Rodrigo Janot e seu...
› últimas notícias
Editorial
"A Costa dos Murmúrios", da portuguesa Lídia Jorge
CCPR assume 100% de participação na Itambé
Temer recebeu propina, afirma Funaro
Banco Central reduz as projeções para a inflação deste ano
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Usiminas reajustará preços em 10,2%
Setor de mineração deve mudar o foco dos investimentos
Fiemg apresenta plano para o Alto Paranaíba
BR Food cogita reduzir produção em fábricas de Uberlândia
Crise econômica impacta o financiamento estudantil
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


22 de September de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.