Publicidade
19/02/2018
Login
Entrar

Economia

12/10/2017

Aumenta adesão da RMBH ao sinal digital

Cerca de 90% das famílias em Belo Horizonte e região metropolitana já aderiram ao sinal digital
Thaíne Belissa
Email
A-   A+
Belo Horizonte e 38 cidades da região metropolitana vivem seus últimos dias do sinal analógico de televisão. Em coletiva à imprensa, na quarta-feira (11), o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Juarez Quadros, falou sobre o sucesso do processo de transmissão de sinal na Grande Belo Horizonte e acompanhou a entrega de kit com decodificador e antena, que é gratuito para famílias beneficiadas por programas sociais do governo federal. Até o momento, 66% da população que tem direito a receber o kit já fizeram a retirada. Cerca de 90% das famílias em Belo Horizonte e região metropolitana já aderiram ao sinal digital.

O presidente da Anatel e que também é presidente do Grupo de Implantação do Processo de Distribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (Gired) lembrou que “falta pouco” para o desligamento do sinal analógico de televisão na Capital e RM, que acontecerá no dia 8 de novembro. Ele explica que o desligamento só acontece se a adesão na região for de 93%, o que não tem sido um problema nas cidades onde a transição já aconteceu.

“Normalmente, quando chega o dia do desligamento, o índice de adesão já ultrapassou 93%. Em Salvador, por exemplo, uma semana antes esse percentual foi atingido. O 100% é atingido tão logo se desliga o sinal analógico porque na hora que a pessoa vê que não tem mais o sinal, ela corre atrás e busca seu decodificador”, explicou.

Juarez Quadros também falou sobre as vantagens da substituição do sinal analógico pelo digital. O presidente lembrou que o novo sinal proporciona imagem e som melhores para o telespectador e, para o radiodifusor, traz redução no custo de transmissão, principalmente nos gastos de energia elétrica. Outra vantagem trazida pelo fim do sinal analógico é a liberação da faixa de 700 MHz – que até então era ocupada pela televisão analógica – para o sinal 4G na banda larga móvel. Nessa faixa, as empresas de telecomunicações conseguirão transmitir dados com maior velocidade e o sinal terá maior penetração em ambientes fechados.

Também participou da coletiva Antonio Martelleto, presidente da Seja Digital, entidade sem fins lucrativos, responsável por operacionalizar a migração do sinal analógico para o sinal digital da televisão no Brasil. De acordo com ele, o processo de transição em Belo Horizonte está avançado.

“Estamos na fase final de comunicação e as pesquisas que a gente fez indicam que quase 100% da população está ciente do processo e conhece a data do desligamento. Em relação à distribuição de kits da TV Digital também estamos bem: hoje faremos a entrega do kit número 310 mil, o que representa 66% dos que temos para entregar. Faltam entregar 160 mil e o nosso trabalho é divulgar isso para que as famílias venham receber e não fiquem sem assistir televisão”, disse.

Negócios - Desde 2003, quando o governo brasileiro decidiu substituir o sinal analógico de televisão pelo sinal digital, as indústrias do segmento de telecomunicação em Santa Rita do Sapucaí, no Sul do Estado, vivem um ciclo inovador de pesquisa, desenvolvimento e venda de soluções que atendem esse novo mercado. De acordo com o presidente do Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica (Sindivel), Roberto de Souza Pinto, 70% da tecnologia e fabricação de transmissores digitais adotados pelas emissoras de televisão brasileira vêm da indústria de Santa Rita do Sapucaí.

De acordo com ele, além dos transmissores, as indústrias do Vale da Eletrônica também produzem os equipamentos repetidores e retransmissores de sinal digital, que são comprados pelas prefeituras de municípios de todo o País. Além disso, elas produzem os decodificadores, que são utilizados nas televisões analógicas para fazer a conversão do sinal digital. “Esse último produto tem uma vida útil baixa porque ele é, na verdade um paliativo. A lógica é que as pessoas comprem aparelhos novos e que o sinal digital continue alimentando a indústria do Vale da Eletrônica com demandas de novas soluções”, diz.

O presidente afirma que as inovações são muito importantes para a indústria, que se vê obrigada a inovar, o que gera novos produtos, novos empregos, renda para a população e impostos para o governo. “Toda evolução tecnológica, toda proposta de melhoria para a comunidade é importante porque gera inovação na indústria. E como a inovação é baseada em pesquisa, ela gera emprego de qualidade para pós-graduandos, mestrandos e doutorandos e fortalece a academia”, completou.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/02/2018
Sondagem revela retomada do otimismo na construção civil
Apurado pela Fiemg, indicador supera os 50 pontos pela primeira vez desde março de 2014
17/02/2018
Valor liberado para médios e grandes produtores na safra 2017/18 é de R$ 85 bilhões
São Paulo - O montante de crédito rural oficial liberado para médios e grandes produtores no acumulado da safra 2017/18, entre julho do ano passado e janeiro, aumentou 14%...
17/02/2018
Justiça decide que elétricas não poderão ter cobrança retroativa de débitos de R$ 6 bilhões
São Paulo - A Justiça no Distrito Federal reviu na sexta-feira (16) um posicionamento da semana passada, e agora um grupo de elétricas que tinha perdido uma...
17/02/2018
Sebrae pretende atender 69,6 mil MPEs
Projeto da entidade compreende visitas de equipes da entidade nos empreendimentos em Minas Gerais
17/02/2018
Nível de atividade do varejo no Brasil aumenta 1,3% em janeiro, aponta a Cielo
São Paulo - O nível de atividade do varejo brasileiro teve alta de 1,3% em janeiro ante o mesmo período de 2017, descontada a inflação do período,...
› últimas notícias
Sondagem revela retomada do otimismo na construção civil
Valor liberado para médios e grandes produtores na safra 2017/18 é de R$ 85 bilhões
Justiça decide que elétricas não poderão ter cobrança retroativa de débitos de R$ 6 bilhões
Sebrae pretende atender 69,6 mil MPEs
Nível de atividade do varejo no Brasil aumenta 1,3% em janeiro, aponta a Cielo
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Começam as obras do Aeródromo Inhotim
Mobiliata une empreendedorismo e impacto social
Folia supera expectativas em Belo Horizonte
Sondagem revela retomada do otimismo na construção civil
Melhor Câmbio amplia base de serviços
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de fevereiro de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.