Publicidade
15/12/2017
Login
Entrar

Finanças

22/09/2017

Banco Central reduz as projeções para a inflação deste ano

Além disso, a autoridade monetária melhorou a estimativa para o PIB
Abr
Email
A-   A+
Para Carlos Viana, a população já começa a ver sinais de melhora na economia brasileira/BETO NOCITI / BANCO CENTRAL
Brasília - O Banco Central (BC) espera uma inflação menor este ano. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi revisada de 3,8%, divulgada em junho, para 3,2%, no Relatório de Inflação divulgado ontem. A autoridade monetária melhorou também a estimativa para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano.

A projeção é de um dos cenários previstos pelo BC, chamado de “projeção central”, elaborada considerando as estimativas do mercado para a taxa de juros e o câmbio.
A expectativa do mercado para a taxa de câmbio é R$ 3,20 no fim de 2017, R$ 3,30 no final de 2018, R$ 3,40 em 2019 e R$ 3,45 em 2020.

A projeção para a Selic é 7% ao ano ao final de 2017 e de 2018. Para o fim de 2019, é de elevação para 8% ao ano, mantendo-se nesse patamar até o fim de 2020.
Segundo o BC, a revisão ocorreu por conta da queda dos preços dos alimentos. À medida que esse efeito saiu dos cálculos em 12 meses, a projeção para a inflação sobe. Para 2018, a projeção para a inflação é 4,3%, abaixo do centro da meta que deve ser perseguida pelo BC (4,5%). A projeção de junho era 4,5%. Para 2019, a estimativa é 4,2% e 2020, 4,1%.

O diretor de Política Econômica do BC, Carlos Viana de Carvalho, considera que a população já começa a ver sinais de melhora na economia brasileira. Ele destacou a melhora no poder de compra. “Algo que as pessoas sentem no bolso quando saem para fazer compras no supermercado; [elas] sentem que o salário está com poder de compra melhor”, disse.

Acrescentou que as notícias sobre o mercado de trabalho também são melhores. “O dia a dia vai mostrar essa melhoria da economia permeando a vida das pessoas”, opinou. Ele também citou que o crédito para pessoas físicas já dá sinais de melhora, com redução do spread (diferença entre taxa de captação de dinheiro e a cobrada dos clientes nos empréstimos).

Atividade - No RTI, o Banco Central revisou a projeção para o crescimento do PIB de 0,5% para 0,7% este ano. A estimativa para 2018 é de um crescimento maior da economia: 2,2%.

Sobre a redução do ritmo de cortes na taxa básica de juros, a Selic, e encerramento gradual do ciclo já anunciado pelo BC, Viana disse que essa estratégia é condicional, ou seja, depende da “evolução da conjuntura econômica e dos fatores de risco”.

No balanço de riscos, o diretor destacou como mais relevantes os preços de alimentos e de componentes industriais muito abaixo do esperado e a “frustração” de reformas, como a da Previdência. “A gente segue comunicando a importância do fiscal, especialmente através da percepção de perspectivas para trajetória das contas públicas para prazos mais longos”, disse.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

15/12/2017
Bradesco acredita na retomada do crédito
Presidente do banco avalia que o pior momento da crise no financiamento corporativo já passou
15/12/2017
Incertezas podem ter afetado oferta inicial de ações da BR Distribuidora
Rio de Janeiro -   A instabilidade macroeconômica vivida pelo Brasil no momento, com crise fiscal e indefinições sobre a aprovação da reforma da...
15/12/2017
Consumidor buscou mais empréstimos
São Paulo - A procura do consumidor brasileiro por crédito em novembro cresceu pela sétima vez consecutiva. De acordo com o Indicador Serasa Experian, houve...
15/12/2017
Divergência sobre reforma faz Ibovespa cair 0,67%
São Paulo - As informações desencontradas sobre a votação da reforma da Previdência dentro do próprio governo estressaram o mercado financeiro pelo...
14/12/2017
S&P vê cenário de incerteza no Brasil
Capacidade do governo atual de executar mudanças e eleições preocupam agência
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.