Publicidade
23/10/2017
Login
Entrar

Negócios

19/05/2017

Beblue amplia presença no Estado

Meta da plataforma é chegar ao fim de 2018 com 20 milhões de usuários ativos no Brasil
Thaíne Belissa
Email
A-   A+
Atualmente, a Beblue conta com 600 mil usuários ativos e 4 mil estabelecimentos cadastrados na plataforma/Divulgação
O consumidor mineiro está ganhando, cada vez mais, opções de compra com a vantagem de cashback. Entre as empresas que atuam nesse segmento no Estado, a paulista Beblue (www.beblue.com.br) vem se destacando com o aumento de usuários na capital mineira e com planos de expansão para, pelo menos, mais cinco cidades mineiras ainda este ano. Com menos de seis meses de atuação em Minas Gerais, a Beblue, que até então só oferecia cashbak para compras em estabelecimentos físicos, também começa a planejar sua operação no varejo on-line.

A empresa chegou ao Estado primeiro pelo interior, abrindo operação em janeiro deste ano em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Dois meses depois, a Beblue abriu seu escritório regional na Savassi, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, onde tem crescido rapidamente. De acordo com o sócio-fundador da empresa, Daniel Gava, atualmente são 203 mil usuários ativos em Belo Horizonte, que acessam o aplicativo, em média, sete vezes ao dia.

O sócio não abre o número de estabelecimentos cadastrados na Capital, mas afirma que a expectativa é cadastrar 15% de todos os estabelecimentos da cidade que estejam dentro da atuação da Beblue. Entre os estabelecimentos estão salão de beleza, farmácia, posto de gasolina, restaurante e supermercado.

O sócio comemora o resultado em Belo Horizonte e acredita que a evolução está ligada ao potencial da ferramenta e também da capital mineira. “Acredito na força do produto e no fomento que ela traz para o varejo local. Mas também acredito que esse resultado tem a ver com o potencial econômico de Belo Horizonte”, analisou. Gava faz questão de frisar o interesse da empresa no Estado e adianta que, ainda este ano, a Beblue chegará a mais cinco cidades mineiras, sem detalhar quais.

Ao ser questionado sobre a concorrência no segmento de cashback em Minas Gerais, o sócio destacou que a atuação da Beblue é diferenciada, tendo em vista que a empresa atua com um propósito de beneficiar não só os usuários, mas também o varejista. De acordo com ele, esse é, inclusive, o motivo de a empresa não oferecer a opção de retirada do dinheiro devolvido nas compras. Para a Beblue, a ferramenta é uma “carteira on-line”, que beneficia os usuários, mas que também mantém o fluxo de compras nos estabelecimentos.

“Ainda oferecemos aos comerciantes uma ferramenta inteligente que coleta dados sobre o cliente. Isso é interessante porque o varejista passa a entender quem é o seu consumidor, o que facilita ações direcionadas”, diz. Segundo ele, a Beblue também planeja ampliar sua atuação para o mundo on-line. Ele destaca que o e-commerce cresce substancialmente em todo o mundo, o que torna o segmento atrativo para empresa. Ele não sabe precisar quando isso acontecerá, mas garante que a construção de uma plataforma de venda online está nos planos da empresa.

Atualmente, a Beblue conta com 600 mil usuários ativos e 4 mil estabelecimentos cadastrados na plataforma. A meta do sócio é chegar ao fim de 2018 com 20 milhões de usuários ativos e 120 mil estabelecimentos cadastrados. Neste mês, a empresa subiu mais um degrau rumo a essa meta, tendo chegado aos mercados de Brasília, Goiânia, Rio de Janeiro, São Paulo e São José do Rio Preto.

A Beblue oferece tecnologia para pagamento em pontos físicos com cashback para os clientes. Para receber o dinheiro de volta basta que o cliente baixe o aplicativo da marca e cadastre seu CPF. Depois, no momento da compra, ele informa que vai pagar com Beblue e pode efetuar o pagamento com cartão de crédito ou débito das bandeiras Visa e Mastercard. Para finalizar ele precisa apenas digitar seu CPF na máquina e já recebe parte da compra de volta em sua conta.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/10/2017
Empresários apostam em lojas temporárias
Casa Maia prevê vendas 30% maiores
21/10/2017
Alteração de cobrança do ISSQN gera polêmica
Para o prefeito, adequação traz benefícios para o município, como o "aspecto espacial do imposto"
21/10/2017
Contagem sedia Semana da Economia Criativa
No Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil, organizado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Minas Gerais aparece em sétimo lugar...
21/10/2017
Congresso de confeitaria vai reunir mais de mil profissionais em BH
Minas Gerais possui 6.300 empresas do ramo
21/10/2017
Modelo não dispensa exigências legais
Ao contrário do que se imagina, as lojas temporárias não dispensam as exigências legais, segundo o especialista em legislação empresarial e analista do...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.