Publicidade
25/02/2018
Login
Entrar

DC Mais

17/05/2017

BH reabrirá parques, após o surto de febre amarela

Abr
Email
A-   A+
Brasília - Os parques de Belo Horizonte (BH) que estavam fechados devido ao surto de febre amarela em Minas Gerais serão reabertos à visitação em breve. A Secretaria Municipal de Saúde avaliou que a situação da doença está sob controle e decidiu autorizar o acesso do público aos parques.

Estavam fechados, como medida preventiva para proteção da população, os parques das Mangabeiras, da Serra do Curral (Foto) e Jacques Cousteau. A Secretaria de Saúde recomenda, porém, que os frequentadores estejam com a vacinação em dia.

Apesar da intensidade do surto em Minas Gerais, a Capital não registrou nenhum caso de transmissão de febre amarela para humanos. Por outro lado, três macacos encontrados mortos em Belo Horizonte tiveram testes positivos para o vírus da doença, em 11, o resultado foi negativo e 31 ainda não foram confirmados.

O Parque das Mangabeiras, na região Centro-Sul, está interditado desde 23 de fevereiro. Ontem ele recebeu visita de alunos de uma escola. Por enquanto, apenas instituições de ensino poderão organizar passeios voltados à educação ambiental, mediante agendamento prévio. A reabertura ao público em geral é prevista para o mês que vem.

Já o Parque da Serra do Curral, na mesma região Centro-Sul, também fechado em fevereiro, está em manutenção. Segundo a Fundação de Parques Municipais, ainda não há data para liberar o acesso ao público. O Parque Jacques Cousteau, na região Oeste de Belo Horizonte, deverá ser reaberto ainda nesta semana. A decisão seria tomada em uma reunião realizada ontem. O parque estava interditado desde 13 de fevereiro.

A doença - A febre amarela atinge humanos e macacos e é causada por um vírus da família Flaviviridae. No meio rural e silvestre, o vírus é transmitido pelos mosquitos Haemagogus e Sabethes. Em área urbana, o vetor é o Aedes aegypti, o mesmo da dengue, do vírus Zika e da febre chikungunya.

De acordo com o Ministério da Saúde, a transmissão da febre amarela no Brasil não ocorre em áreas urbanas desde 1942. No atual surto, nenhum caso foi urbano.

A vacina é a principal medida de combate à febre amarela. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a campanha de imunização desenvolvida em Belo Horizonte alcançou cobertura vacinal da quase totalidade da população.

O surto de febre amarela no início deste ano é considerado o maior no Brasil desde 1980, quando o Ministério da Saúde passou a disponibilizar dados da série histórica. De acordo com levantamento da pasta, divulgado na última sexta-feira (12), neste ano, a doença já levou à morte 259 pessoas. Até então, a situação mais grave havia ocorrido em 2000, quando morreram 40 pessoas em todo o País.

Ainda não há explicações científicas sobre a intensidade do surto. Um grupo de especialistas de diferentes estados do Brasil se articulou para investigar a relação entre a doença e a degradação do meio ambiente. Por sua vez, a Fundação Oswaldo Cruz identificou oito alterações genéticas do vírus e vem pesquisando se essas mutações o teriam deixado mais agressivo.

De toda forma, desde março, o ritmo de transmissão da doença vem diminuindo. Em Minas Gerais, a Secretaria de Estado de Saúde divulgou o último boletim em 26 de abril. Até essa data, houve confirmação para febre amarela em 151 óbitos no Estado e 24 estavam em investigação. Os 853 municípios mineiros contabilizaram 1.139 notificações para a doença, sendo que 427 casos foram confirmados, 554 descartados e os 158 restantes ainda estão em análise.

O boletim de 26 de abril trouxe  só nove notificações a mais do que o registrado nas duas semanas anteriores. Entre os levantamentos  de 19 e 12 de abril, a transmissão da febre amarela em Minas se mostrou estável. Em ambas as datas, o número de notificações se manteve em 1.130.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

24/02/2018
ONU denuncia execução de menores em ações contra as drogas no Rio
Genebra - Relatores e peritos da Organização das Nações Unidas (ONU) denunciam a execução de menores nas favelas do Rio de Janeiro no contexto de...
24/02/2018
Curtas DC Mais 24/02
Pacote anticorrupção O Brasil teve piora no ranking que avalia a percepção da corrupção no mundo, divulgado pela Transparência Internacional...
24/02/2018
Agenda Cultural 24/02
Sinfônica e Coral Lírico Apresentações - A Orquestra Sinfônica e o Coral Lírico de Minas Gerais iniciam a temporada erudita da FCS em 2018 com as...
23/02/2018
Ricos momentos em família, como brincar com os primos
Meu pai teve dez irmãos. Minha mãe, 13. Sou descendente, pois, de duas famílias numerosas, o que me agrada muito. As festas todas eram sempre para dezenas de convidados, de...
23/02/2018
Curtas DC Mais 23/02
Educação a distância O ensino não-presencial é realidade crescente na Educação. A internet, as redes sociais e as novas tecnologias fazem...
› últimas notícias
IBGE apura aumento de 2,1% no número de pessoas ocupadas em Minas Gerais
Atividade econômica avança no Sudeste, Nordeste e Sul, e recua no Norte e Centro-Oeste do País
Produção recua em Minas, mas setor mantém o otimismo
Aneel confirma bandeira verde em março
Jucemg apura aumento no número de empresas abertas
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Magistrados federais anunciam paralisação
Fiemg investe em Centro de Treinamento
Tribunal investigará contas do Estado
Por temor, México recorre a milho do Brasil
Multicoisas vai abrir 35 lojas em 2018
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


23 de fevereiro de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.