19/07/2018
Login
Entrar




Negócios

17/05/2018

Bitcoin poderá consumir 0,5% da energia elétrica em todo o planeta

Email
A-   A+
Apesar de ser uma moeda virtual, a produção do Bitcoin causa problemas concretos como a emissão de carbono/Pixabay/Divulgação
São Paulo - Imagine a quantidade de energia elétrica consumida por residências, comércio e iluminação pública em toda a cidade de São Paulo. Essa é aproximadamente a quantidade de eletricidade gasta para produzir a moeda virtual bitcoin, de acordo com um novo estudo.

De acordo com a pesquisa realizada com uma nova metodologia pelo economista holandês Alex de Vries, especialista em bitcoins do Experience Center da PwC na Holanda, a rede de computadores envolvida na produção de bitcoins consome no mínimo 2,55 gigawatts por hora - um valor semelhante ao da energia elétrica consumida na cidade de São Paulo, ou em um país como a Irlanda.

Especialistas têm manifestado preocupação com a enorme quantidade de energia elétrica necessária para o processo industrial envolvido na emissão da moeda virtual bitcoin, mas até agora, esse consumo não havia sido medido por nenhum estudo científico rigoroso.
Com a crescente valorização do bitcoin, o autor afirma que esse consumo deverá crescer de forma expressiva até o fim de 2018, alcançando 7,7 gigawatts - cerca de 0,5% do consumo mundial de energia elétrica. A pesquisa teve seus resultados publicados ontem, na Joule, a revista científica do grupo Cell dedicada a estudos sobre energia.

“Temos visto muitos cálculos improvisados, mas nós precisamos de uma discussão mais científica sobre o rumo dessa rede. Neste momento, de forma geral, a informação disponível tem qualidade bastante baixa. Por isso espero que esse artigo seja utilizado como fundamento para mais pesquisas”, disse De Vries.

O economista, que é fundador do blog Digiconomist, dedicado a fornecer informações usuários de “criptomoeadas”, afirma que uma única transação com bitcoin consome tanta eletricidade como a média de uma residência holandesa durante um mês. Se até o fim do ano o consumo subir mesmo para 7,7 gigawatts, ele será equivalente ao de um país como a Áustria.

“Para mim, 0,5% já é bastante chocante. É uma diferença extrema em comparação ao sistema financeiro convencional e essa demanda crescente de eletricidade definitivamente não vai nos ajudar a alcançar nossas metas climáticas”, afirmou De Vries.

De acordo com o economista, se o preço do bitcoin continuar a crescer da maneira como os especialistas estão prevendo, a rede poderá chegar a consumir nos próximos anos algo em torno de 5% da eletricidade do mundo. “Isso seria terrível”, afirmou.

Leia também:
Processo de criação da moeda é complexo


Carbono - Embora o bitcoin seja uma moeda virtual, sua produção causa problemas bastante concretos como a emissão de carbono na atmosfera. Na China, país que concentra o maior número de “mineradores” de bitcoins, a maior parte da energia elétrica é produzida pela queima do combustível fóssil. “A eletricidade com base em carvão está disponível na China com taxas muito baixas e país concentra mais da metade das ‘minas’ de bitcoin”, disse De Vries.

Um estudo feito por ele em dezembro de 2017 em uma “mina” de bitcoins na Mongólia - onde a matriz energética também se baseia no carvão - estimou que uma única transação com o bitcoins pode ter uma “pegada de carbono” semelhante à de um passageiro voando por uma hora em um Boeing 747. “Pelos nossos cálculos, são emitidas mais de 440 quilos de carbono para cada transação com o bitcoin.”

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/07/2018
Demanda por cães de guarda cresce em BH
Algumas empresas apontam aumento no número de clientes, apesar de a crise ter impactado os negócios
19/07/2018
Brasil é o 2º país mais complexo da América Latina
Ranking foi elaborado pela IMF
19/07/2018
Google é multada em US$ 5 bilhões na Europa
Autoridades decidiram aplicar a penalidade por conta do uso do sistema Android para tirar rivais do mercado
19/07/2018
Domo Invest vai gerir fundo do BNDES para startups
Após processo de seleção envolvendo 14 concorrentes, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) definiu a Domo Invest como gestora do Fundo de...
19/07/2018
Ânima anuncia a compra de faculdade no Sul
São Paulo - A Ânima Educação anunciou ontem acordo para aquisição da Faculdade Jangada, em Jaraguá do Sul (SC), pelo valor de R$ 7,6...
› últimas notícias
Indústria pode recorrer à Justiça por repasse de verbas
Antecipação do abono anima CDL-BH
Em Minas, setor automotivo espera impulso com o Rota 2030
PBH cumpre 1ª etapa de auditoria
Demanda por cães de guarda cresce em BH
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.