Publicidade
19/04/2018
Login
Entrar

Finanças

11/11/2017

BNDES e BID fecham convênio para linha de crédito de US$ 2,4 bilhões

AE/Reuters
Email
A-   A+
São Paulo - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) fecharam na sexta-feira convênio para linha de crédito condicional de US$ 2,4 bilhões, que terá como objetivo financiar em médio e longo prazo investimentos privados em infraestrutura, energia sustentável e projetos produtivos de pequenas e médias empresas.

O BNDES disse em nota que foi assinado ainda o primeiro contrato de empréstimo no convênio, para o Programa de Financiamento para Energia Sustentável, no valor de US$ 900 milhões.

Os recursos, dos quais US$ 750 milhões serão do BID e US$ 150 milhões em contrapartida do BNDES, serão destinados a financiar projetos de energia eólica, com potencial para financiar investimentos em capacidade instalada que superam os 600 megawatts.

De acordo com o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, o convênio complementa o funding do banco para cumprir suas obrigações de promoção do crescimento do País e devolução de recursos ao Tesouro no montante de R$ 180 bilhões até o final de 2018, dos quais R$ 50 bilhões já cumpridos este ano.

Segundo Rabello, o BNDES se prepara também para recorrer ao mercado de capitais no ano, local e externo, para complementar seu funding, o que, em certa medida, mas não necessariamente, dependerá da demanda que o banco identificar por suas linhas de crédito.

Ele também reiterou que o banco cumprirá com essa obrigação junto ao Tesouro. “O BNDES não objeta a devolução por motivos óbvios, somos mais do que parceiros do governo, somos o governo”, acrescentou. “Pelo estatuto social temos de fazer conta e, portanto, em relação a eventual devolução de 2018, que ocorrerá em 2018 em alguma medida, tem de haver uma conta de plena oferta de crédito do BNDES de um lado e a necessidade do governo de atender a regra de ouro e outros mecanismos de controle e disciplina fiscal”, disse.

Leia também:
Lucro líquido do banco estatal tem queda de 71,04%


Rabello de Castro acrescentou que nos primeiros meses de 2018, o BNDES irá medir a demanda por crédito para identificar a necessidade de outras fontes de funding. Nesse sentido, comentou que o BNDES estuda com o Ministério da Fazenda e com a Receita Federal a possibilidade de serem modificadas regras para que o banco possa emitir letras de crédito do agronegócio e imobiliárias que ofereçam aos investidores o mesmo benefício de isenção fiscal desses papéis emitidos pelos demais bancos.

“Até dois ou três anos atrás, tínhamos o PSI (linha de crédito para as micro, pequenas e médias empresas) que facilitava a captação, mas, à medida que estamos recorrendo a outras fontes, precisamos ter taxa de captação baixa para repassar a esses tomadores”, observou. “Buscamos a isonomia”, pontuou ele.

O mercado externo também deve ser explorado pelo banco de fomento, mas no ano que vem, de acordo com ele, e nesse sentido Rabello de Castro afirmou que visitas já estão sendo preparadas na Europa.

O presidente do BNDES afirmou ainda que representantes do banco vão na semana que vem a Nova York para visitar as agências de rating a fim de melhorar sua imagem nas classificadoras de risco “Vamos iniciar conversação com agências de rating para oferecer um outro olhar para a qualidade de crédito do banco”, explicou. “Diria que o BNDES está três níveis acima da União”, afirmou.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/04/2018
Bolsa de valores tem alta de 2%
Principal índice acionário do País foi impulsionado pelos preços das commodities
19/04/2018
IGP-M acelera na segunda prévia de abril
O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) subiu 0,40% no segundo decêndio de abril. No mês anterior, para o mesmo período de coleta, o índice havia subido...
19/04/2018
Saldo do fluxo cambial fica positivo em US$ 8,4 bilhões
Brasília - O fluxo cambial do ano até o dia 13 de abril ficou positivo em US$ 8,412 bilhões, informou ontem o Banco Central. Em igual período do ano passado, o...
19/04/2018
BC volta a sinalizar corte na Selic
Brasília - O diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central, Tiago Couto Berriel, reafirmou ontem durante evento em Washington, nos Estados Unidos, a perspectiva de que o Comitê...
18/04/2018
FMI prevê crescimento maior para o Brasil em 2018
Projeção é de alta de 2,3% no ano
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


18 de abril de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.