Publicidade
22 de June de 2017
Login
Entrar

Finanças

15/06/2017

Bolsa de valores tem alta de 0,15% após anúncio do Fed

Reuters
Email
A-   A+
São Paulo - O principal índice da bolsa paulista fechou praticamente estável na quarta-feira, após o Federal Reserve não surpreender e elevar os juros dos Estados Unidos, em sessão pressionada pela forte queda nos preços do petróleo, enquanto as ações do Bradesco ficaram entre as maiores influências positivas.

O pregão foi marcado ainda por vencimento de opções sobre o Ibovespa e sobre o índice futuro, adicionando volatilidade aos negócios.

O Ibovespa fechou em leve alta de 0,15 %, a 61.922 pontos, após subir pouco mais de 1% na máxima do dia e cair 0,52% no pior momento da sessão. O giro financeiro somou R$ 22,17 bilhões, inflado pelos vencimentos.

O banco central norte-americano elevou a taxa básica de juros em 0,25 ponto percentual, para a faixa de 1% a 1,25%, citando contínuo crescimento econômico dos Estados Unidos e o fortalecimento do mercado de trabalho, e anunciou que começará a reduzir sua carteira de Treasuries e outros títulos este ano. “Acabou a expectativa com o Fed, que foi dentro do consenso, então agora a gente volta para as nossas questões internas”, disse o gerente de renda variável da H.Commcor Ari Santos.

Os receios com a situação política brasileira permanecem no radar dos investidores, que ainda esperam mais clareza sobre o andamento das reformas no Congresso Nacional, diante da crise que afeta o governo desde as acusações contra o presidente Michel Temer.

Leia também:
Moeda norte-americana recua 0,84% frente ao real

Destaques
- Bradesco PN ganhou 3,87%, o melhor desempenho do setor bancário do Ibovespa, após o banco informar que a Justiça decidiu trancar a ação contra o diretor-presidente do banco, Luiz Carlos Trabuco Cappi, no âmbito da operação Zelotes. As ações ordinárias subiram 3,37%.

Itaú Unibanco PN avançou 0,89 %, também colaborando com o tom positivo do índice devido ao peso das ações em sua composição, mas afastando-se das máximas da sessão, quando subiu 2 %.

Petrobras PN perdeu 2,47% e Petrobras ON recuou 2,38%, acompanhando as fortes baixas dos preços do petróleo no mercado internacional, que foram pressionados pelos dados de estoques nos Estados Unidos.

Vale PNA caiu 1,37% e Vale ON perdeu 1,02%, revertendo os ganhos vistos mais cedo e na contramão da alta para os contratos futuros do minério de ferro na China, que se recuperaram de mínima em sete meses. Com o movimento desta sessão, os papéis da mineradora engataram a terceira sessão seguida de perdas.

Cesp PNB, que não faz parte do Ibovespa, caiu 4,8%. A empresa informou na véspera que o Conselho Diretor do Programa de Desestatização decidiu recomendar o prosseguimento da venda da empresa sem considerar a renovação do prazo das concessões de suas usinas. Após o anúncio, o Credit Suisse cortou a recomendação das ações da elétrica para ‘neutra’ ante outperform e reduziu o preço-alvo a R$ 20, ante R$ 23.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

22/06/2017
PIB cresce 0,42% em abril, aponta FGV
Apesar de resultado positivo ante março, foi apurado recuo de 1,3% na comparação anual
22/06/2017
Demanda no Brasil avança 7,2% em maio
São Paulo - A procura do consumidor por crédito cresceu 7,2% em maio na comparação com o mesmo mês do ano anterior, informou ontem a Serasa Experian, conforme...
22/06/2017
Fluxo cambial está positivo em US$ 8,3 bi
Brasília - O fluxo cambial do ano até o dia 16 de junho ficou positivo em US$ 8,378 bilhões, conforme informou ontem o Banco Central. Em igual período do ano passado,...
22/06/2017
Queda do petróleo impacta a bolsa
São Paulo – A queda dos preços do petróleo no mercado externo frustrou aquela que seria uma sessão de recuperação da Bovespa. Depois de uma queda...
21/06/2017
Desembolsos do BNDES recuam 13%
Financiamentos feitos pela instituição somaram R$ 27,738 bilhões nos primeiros cinco meses deste ano
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.