Publicidade
28 de June de 2017
Login
Entrar

Internacional

18/05/2017

Brasil aplica 6,8% na saúde e a média mundial é 11,7%

Paciente paga por mais da metade dos gastos
Agência Estado
Email
A-   A+
Em 2000, o País destinava apenas 4,1% dos gastos públicos a investimentos na saúde/Tomaz Silva/Agência Brasil
Genebra - O Brasil destina à saúde menos que a média mundial e mais da metade dos gastos acaba sendo paga pelo paciente. Dados publicados ontem pela Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que, em 2014, 6,8% do orçamento público do governo federal eram destinados ao setor, taxa que caiu desde 2010. No mundo, a média é de cerca de 11,7%.

O levantamento da OMS com governos de todo o mundo aponta que, ao longo dos anos, o volume de dinheiro destinado à saúde no Brasil aumentou. Ele era de apenas 4,1% do total dos gastos públicos em 2000. Em 2010, essa taxa subiu para 9,9%. Mas acabou sendo reduzida para 8,2% em 2011 e 7% em 2013. A taxa atingiu 6,8% em 2014, o último ano disponível pela contabilidade da OMS.

Atualmente, a taxa é ainda inferior à média do que se gasta na África, com 9,9% dos orçamentos nacionais para a saúde. Nas Américas, a taxa é de 13,6%, contra 13,2% na Europa.

Em alguns casos, a proporção destinada para a saúde em alguns países chega a ser três vezes o índice brasileiro. Nos Estados Unidos, 21,3% do orçamento nacional vai para a saúde, contra 22% na Suíça, 23% na Nova Zelândia e 20% no Japão. Em alguns países em desenvolvimento, o índice também é elevado. No Uruguai, ele chega a 20%, contra 23% na Corta Rica ou 24% na Nicarágua.

Em uma comparação ao PIB, a taxa no Brasil também é inferior à média internacional. No restante do mundo, cerca de 9,9% do PIB se refere a gastos na Saúde. No Brasil, a taxa está em 8,3%. No mundo, US$ 7 trilhões são gastos em saúde por todos os governos e cidadãos.

Economias do paciente - Os dados também revelam que, apesar de certos avanços, mais da metade dos gastos de um paciente com a saúde sai de suas próprias economias, seja pelo pagamento de planos privados ou arcando com consultas e operações. No total, 53,9% dos gastos com a saúde no Brasil vêm da renda dos cidadãos. Em 2000, essa taxa chegava a quase 60%. Mas a média mundial é de 39%.

Descontando planos de saúde, a OMS também destaca que 25% do custo com o setor no Brasil sai dos bolsos dos pacientes. Ainda que a taxa também seja considerada como alta, ela é inferior aos 36% registrados há dez anos.

Apesar dos avanços, o Brasil ainda não atinge as taxas médias mundiais, de 18% do gasto com a saúde saindo do bolso do cidadão. “A pergunta que tem de ser feita é se os cidadãos estão recebendo os serviços que precisam ter sem passar por dificuldades financeiras”, argumentou Gretchen Stevens, analista da OMS, sem citar o nome de países.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

28/06/2017
EUA: FMI reduz previsão de avanço do PIB a 2,1%
Com isso, cai a confiança nos planos de corte de impostos e de gastos fiscais do governo Donald Trump
28/06/2017
Fed vê sistema financeiro saudável
São Paulo - O sistema financeiro norte-americano está muito mais “seguro e saudável” após a crise financeira de 2008, afirmou ontem a presidente do Federal...
27/06/2017
Suprema Corte admite veto de migrantes
Decisão é vitória de Trump, permitindo proibição de entrada de refugiados e cidadãos de países muçulmanos
27/06/2017
Excesso de recalls leva a japonesa Takata Corp a ser comprada pela rival
Tóquio - A japonesa Takata Corp, a empresa no centro do maior recall de produtos da indústria automobilística, pediu recuperação judicial nos Estados Unidos e...
27/06/2017
Ministério dos Transportes da Alemanha quer novos softwares em 12 milhões de carros a diesel
Berlim - O Ministério dos Transportes da Alemanha está exigindo que fabricantes de automóveis atualizem o software de gerenciamento do motor em até 12 milhões...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.