Publicidade
17/08/2017
Login
Entrar

Internacional

18/05/2017

Brasil aplica 6,8% na saúde e a média mundial é 11,7%

Paciente paga por mais da metade dos gastos
Agência Estado
Email
A-   A+
Em 2000, o País destinava apenas 4,1% dos gastos públicos a investimentos na saúde/Tomaz Silva/Agência Brasil
Genebra - O Brasil destina à saúde menos que a média mundial e mais da metade dos gastos acaba sendo paga pelo paciente. Dados publicados ontem pela Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que, em 2014, 6,8% do orçamento público do governo federal eram destinados ao setor, taxa que caiu desde 2010. No mundo, a média é de cerca de 11,7%.

O levantamento da OMS com governos de todo o mundo aponta que, ao longo dos anos, o volume de dinheiro destinado à saúde no Brasil aumentou. Ele era de apenas 4,1% do total dos gastos públicos em 2000. Em 2010, essa taxa subiu para 9,9%. Mas acabou sendo reduzida para 8,2% em 2011 e 7% em 2013. A taxa atingiu 6,8% em 2014, o último ano disponível pela contabilidade da OMS.

Atualmente, a taxa é ainda inferior à média do que se gasta na África, com 9,9% dos orçamentos nacionais para a saúde. Nas Américas, a taxa é de 13,6%, contra 13,2% na Europa.

Em alguns casos, a proporção destinada para a saúde em alguns países chega a ser três vezes o índice brasileiro. Nos Estados Unidos, 21,3% do orçamento nacional vai para a saúde, contra 22% na Suíça, 23% na Nova Zelândia e 20% no Japão. Em alguns países em desenvolvimento, o índice também é elevado. No Uruguai, ele chega a 20%, contra 23% na Corta Rica ou 24% na Nicarágua.

Em uma comparação ao PIB, a taxa no Brasil também é inferior à média internacional. No restante do mundo, cerca de 9,9% do PIB se refere a gastos na Saúde. No Brasil, a taxa está em 8,3%. No mundo, US$ 7 trilhões são gastos em saúde por todos os governos e cidadãos.

Economias do paciente - Os dados também revelam que, apesar de certos avanços, mais da metade dos gastos de um paciente com a saúde sai de suas próprias economias, seja pelo pagamento de planos privados ou arcando com consultas e operações. No total, 53,9% dos gastos com a saúde no Brasil vêm da renda dos cidadãos. Em 2000, essa taxa chegava a quase 60%. Mas a média mundial é de 39%.

Descontando planos de saúde, a OMS também destaca que 25% do custo com o setor no Brasil sai dos bolsos dos pacientes. Ainda que a taxa também seja considerada como alta, ela é inferior aos 36% registrados há dez anos.

Apesar dos avanços, o Brasil ainda não atinge as taxas médias mundiais, de 18% do gasto com a saúde saindo do bolso do cidadão. “A pergunta que tem de ser feita é se os cidadãos estão recebendo os serviços que precisam ter sem passar por dificuldades financeiras”, argumentou Gretchen Stevens, analista da OMS, sem citar o nome de países.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/08/2017
Inflação fraca pode fazer Fed interromper aumento dos juros
Ata divulgada ontem pelo banco sugere cautela
17/08/2017
Renegociação do Nafta tem primeiras conversas
Washington - O representante comercial dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, abriu ontem as conversas para a renegociação do Tratado de Livre Comércio da América do...
17/08/2017
Trump dissolve dois conselhos empresariais
Washington/Nova York - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, dissolveu ontem dois conselhos empresariais depois que CEOs de diferentes companhias renunciaram em protesto pelas...
15/08/2017
Corte a importações da Coreia do Norte é imposto
País deixa de comprar carvão, minério, chumbo e frutos do mar
15/08/2017
Críticas fazem presidente ser mais duro com racismo
Charlottesville/Washington - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, classificou na segunda-feira (14) os neonazistas e a Ku Klux Klan de criminosos e bandidos, curvando-se à...
› últimas notícias
ENTREVISTA | MARCUS VINÍCIUS POLIGNANO
Rio das Velhas atinge nível crítico de vazão
Projeção para salário mínimo em 2018 é reduzida
Setor de serviços em Minas registrou queda de 3% no semestre
Cemig pode fechar acordo com a União
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Receita da Pif Paf deve ir a R$ 4 bilhões
Roubo de cargas onera toda a sociedade
Magnesita Refratários reporta prejuízo líquido de US$ 41,4 milhões
Vale passa a ter o controle indefinido e afasta o fantasma de interferência governamental
Estado busca alavancar indústria criativa
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de August de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.