16/08/2018
Login
Entrar

Internacional

09/05/2018

Brasil e mais 40 países pedem à OMC que evite guerra comercial

ABr
Email
A-   A+
Brasília - Representantes do Brasil e de mais 40 países pediram à Organização Mundial do Comércio (OMC) para que evite uma possível guerra comercial mundial liderada pelos Estados Unidos e China. A reação foi subscrita pelas 41 nações que informaram estar em alerta e em estado de “preocupação” com o acirramento entre norte-americanos e chineses.

“Estamos preocupados com o aumento das tensões comerciais e riscos relacionados ao sistema multilateral de comércio e ao comércio mundial”, informa o documento.

Logo em seguida, recomendam a busca pelo diálogo. “Encorajamos os membros da OMC a absterem-se de tomar medidas protecionistas e evitar riscos de escalada. Pedimos aos Membros que resolvam suas diferenças por meio do diálogo e da cooperação, inclusive por meio da OMC e, conforme apropriado, recorrendo à solução de controvérsias da OMC”.

O texto ressalta a importância de um sistema de comércio multilateral baseado em regras e funcionando bem, incorporado à OMC, o que é de “importância fundamental para nossas economias, bem como para a estabilidade econômica global, prosperidade e o desenvolvimento”.

Na declaração, os representantes das 41 nações signatárias afirmam ter observado a “recuperação marcante” no comércio mundial, no ano passado, e fazem uma previsão positiva das negociações na OMC para 2018 e 2019.

O enfrentamento comercial entre Estados Unidos e China se intensificou quando os norte-americanos anunciaram tarifas sobre a importação de 1,3 mil produtos chineses, no valor de US$ 50 bilhões. A China reagiu e anunciou uma lista com o mesmo valor. Houve reações nas bolsas de valores e também do lado das indústrias.

Assinaram o documento como copatrocinadores da declaração (em ordem alfabética): Argentina, Austrália, Bangladesh, Benin, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Costa do Marfim, República Dominicana, El Salvador, Guatemala, Hong Kong, China, Islândia, Cazaquistão, Quênia, República da Coreia, República Democrática Popular do Laos, Liechtenstein, Malásia, Mali, México, República da Moldávia, Mianmar, Nova Zelândia, Nigéria, Noruega, Paquistão, Panamá, Paraguai, Peru, Catar, Singapura, Suíça, Tailândia, antiga República Jugoslava da Macedônia, Turquia, Ucrânia, Uruguai e Vietnã.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

15/08/2018
EUA ameaça com novas sanções e Turquia promete retaliar
Pressão americana é para que turcos libertem pastor
15/08/2018
Militares são presos suspeitos de ataque
Caracas - O procurador-geral da Venezuela, Tarek Saab, revelou, na terça-feira (14), que dois militares de alta patente foram presos por suposto envolvimento em explosões de drones...
14/08/2018
Argentina eleva taxa de juros para 45% para conter o dólar
Decisão ocorre após a crise na Turquia movimentar os mercados globais
14/08/2018
Erdogan culpa "terroristas econômicos" por crise
Ancara - O presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, acusou, ontem, “terroristas econômicos” de conspirar para prejudicar o país, ao divulgar informações...
11/08/2018
Rússia ameaça retaliar os EUA caso haja restrições a bancos
Russos temem efeitos de novas sanções sobre economia
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


15 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.