Publicidade
26/04/2018
Login
Entrar

Opinião

14/04/2018

Brasil: fechado para reformas

Rogério Borili*
Email
A-   A+
Em ano de eleição o País parece estar fechado para aguardar, com muitas expectativas, o próximo governo que vai ocupar o Palácio do Planalto e dar início às reformas que ainda precisam acontecer para voltar a funcionar. Mais que nunca é preciso continuar com as reformas pendentes para atrair mais investimentos e tornar o Brasil um mercado mais organizado, confiável e competitivo.

O primeiro passo à frente já foi dado com a implantação da reforma trabalhista. Porém, por mais que ela tenha vindo para modernizar e flexibilizar as ultrapassadas leis trabalhistas, o governo ainda enfrenta dificuldades para esclarecer todos os seus pontos.

Evidente que trouxe atualizações importantes, como as regras do trabalho remoto – agora possível – e também a importante possibilidade de terceirizar serviços na atividade-fim das empresas, mas é preciso complementar as regras para não deixar dúvidas de como as empresas devem aplicá-las criando ainda mais insegurança jurídica.

As principais mudanças ainda são aguardadas pelas empresas. O alto custo da folha de pagamento ainda não foi alterado e é justamente aí que podemos "destravar" o sistema e incentivar a geração de novos empregos. Isso ainda não teve uma solução. As regras foram alteradas, atualizadas, melhoradas, mas ainda não se refletem positivamente sobre os custos de contratação de empregados. Essa é a grande mudança que esperávamos e não aconteceu.

As reformas precisam deixar de simplesmente "tapar buracos" para se tronar oportunidades de redução de custo e geração de emprego, o que movimenta a economia do País.

Mesmo diante de tantos ajustes - fundamentais para nossa economia sair da fase imatura e passar a ser o "País do futuro" de fato - vivemos a expectativa pela Reforma Tributária, que se encontra hoje no momento mais alarmante, emperrada por falta de ambiente político para acontecer. Para piorar, a intervenção de segurança no Rio de Janeiro impede que o governo dê andamento a esse processo, por força de lei. "Cobrimos um santo" e deixamos descoberto todo o País.

Essa discussão, tão importante para a prosperidade do nosso Brasil, infelizmente vai ter que esperar o próximo governo e o rumo que ele dará ao tema.
Às empresas e ao País cabe esperar que a discussão migre no sentido da simplificação tributária, com a redução do número de alíquotas do PIS e da Cofins, que variam, atualmente, conforme o setor de atividade.

Os projetos já em discussão sugerem mudanças em doses homeopáticas e que por isso deverão ocorrer a longo prazo. Mas, o fato é que precisam ser iniciadas o quanto antes para voltar a aquecer a economia. Ainda que com uma carga tributária injusta, somente a retomada da economia vai trazer fôlego para aguentar essa espera.

Do governo que virá, devemos exigir uma prestação de serviços públicos e benefícios compatíveis com a arrecadação do País, comparada com países de economias mais fortes. O ideal é que a essa reforma traga para o mercado formal empresas que estejam à margem da tributação devido à burocracia. Ao mesmo tempo, possa beneficiar as que procuram estar com os impostos em dia.

Estamos no olho do furacão! E para sobreviver às incertezas, a sua empresa precisa estar se preparando para voltar a crescer, de "casa arrumada", com processos de redução de custos estruturados, transparentes e seguros.

É fundamental que a reforma também aconteça dentro de casa. Então não dá para ficar de braços cruzados. Pois, somente com essa base sólida, será possível enfrentar o "olho desse furacão" sem desmoronar.

* Engenheiro e vice-presidente da Becomex

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

26/04/2018
Editorial
Um horizonte ainda nebuloso
26/04/2018
Fraudes corporativas
Há 13 anos, a Justiça alemã constatou que a Siemens, gigante de tecnologia, era parte de uma rede internacional de distribuição de subornos que incluía...
26/04/2018
Um livro-reportagem sobre Ovnis
“As histórias que meu avô me contava eram incríveis e foi com ele que vi  o meu primeiro pontinho brilhante no céu, que ele dizia ser um disco voador.”...
26/04/2018
Equilíbrio fiscal com investimento público
Os objetivos da política fiscal devem ser a suavização das flutuações no nível de atividade e dos preços; o estímulo ao desenvolvimento...
25/04/2018
Editorial
Prevenir para não remediar
› últimas notícias
Taxa de juros do cheque especial sobe para 324,7% ao ano
Incertezas do Brasil e juros dos EUA levam o dólar a subir
Porto de Santos atinge nível recorde no movimento de cargas em março
Confiança do consumidor sobe só 0,3%
Caixa retoma 1.089 imóveis em Minas
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


27 de abril de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.