Publicidade
22/10/2017
Login
Entrar

Agronegócio

12/08/2017

BRF criará terceira marca de produtos com foco no segmento de baixa renda

Reuters
Email
A-   A+
São Paulo - A BRF vai criar uma terceira marca de produtos, desta vez com foco no segmento de baixa renda, disseram executivos da companhia nesta sexta-feira a analistas de mercado.

A companhia, maior exportadora de carne de frango do mundo e dona das marcas Sadia e Perdigão, espera começar a atuar de maneira mais intensa com a terceira marca a partir do primeiro trimestre de 2018. A empresa não deu detalhes sobre os produtos de atuação da nova marca.

O vice-presidente de negócios da companhia no Brasil, Alexandre de Almeida, afirmou durante teleconferência com os analistas que a terceira marca permitirá à BRF ingressar em um segmento de mercado em que não está presente atualmente e que compõe mais de 30% do mercado brasileiro de alimentos processados.

“A terceira marca terá função de otimizar a cadeia, permitindo melhor aproveitamento de sobras de matéria-prima”, disse o executivo.

O presidente do conselho de administração da BRF, Abilio Diniz, afirmou ainda que a companhia está “muito confiante” sobre a criação da nova marca e que ela deverá “acrescentar participação de mercado” e elevar a produtividade do grupo já que a produção destinada para ela vai ajudar a ocupar capacidade não utilizada da empresa.

Balanço - A BRF fechou o segundo trimestre com prejuízo de R$ 167 milhões, pressionada pelos impactos de custos gerados pela operação Carne Fraca, da Polícia Federal, deflagrada em março e que prejudicou exportações do setor.

Durante a teleconferência, executivos da companhia afirmaram que esperam que o terceiro trimestre deste ano seja o último em que a empresa vai capturar o impacto da queda do preço dos grãos que vem ocorrendo desde o final do ano passado. A BRF ainda vai adotar política de reduzir estoques de grãos ao longo dos próximos meses.

Já sobre a unidade One Foods, dedicada à produção de alimentos para públicos do Oriente Médio, o presidente da BRF, Pedro Faria, comentou que espera que a unidade volte a apresentar dois dígitos de margem após um segundo trimestre em que a margem de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) caiu de 15,2% um ano antes para 1,6%.

Ele afirmou que a queda na margem da unidade ocorreu por alto nível de estoques na região e demanda mais fraca e dificuldades da companhia em fazer repasses de preços.
A companhia anunciou que o conselho de administração decidiu vender até a totalidade das 13.468.001 ações da empresa mantidas em tesouraria, a fim de reforçar o caixa da empresa e reduzir níveis de endividamento.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/10/2017
Receita da agropecuária deve cair 8,6%
Estimativa é de que o setor apure R$ 53,99 bi neste ano em Minas Gerais, sendo R$ 34,38 bi da agricultura
21/10/2017
Cafés do Sul e Matas de Minas têm mais amostras no Coffee of the Year
Os 150 melhores cafés do Brasil já estão classificados para o Coffee of the Year 2017. Ao todo, foram avaliadas 239 amostras das doze principais regiões do País,...
21/10/2017
Preços podem estimular cultivo de tangerinas Murcott e Rio no Estado
O fim da safra da tangerina Ponkan somado à tendência de mercado apresentada em 2016 deve estimular a produção de tangerinas Murcott e Rio no último trimestre do...
21/10/2017
Previsão para pecuária é de queda de 0,3%
Com base nos dados de setembro, o VBP da pecuária de Minas Gerais, para 2017 foi estimado em R$ 19,6 bilhões, queda de 0,3%. A retração foi influenciada pelos resultados...
20/10/2017
União lança linha premium BonQ
Estratégia é oferecer queijos de qualidade diferenciada com preços mais acessíveis
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.