22/06/2018
Login
Entrar

Legislação

12/06/2018

CAE do Senado discute manifesto sobre reforma

Email
A-   A+
Brasília - A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado reúne-se hoje para debater manifesto que integra o projeto “Reforma Tributária Solidária - Menos Desigualdade, Mais Brasil”. O documento, que vem sendo apresentado em diversas capitais brasileiras, foi elaborado pela Associação Nacional dos Auditores da Receita Federal (Anfip) e a Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco). A reunião tem início às 10 horas na sala 19 da ala Alexandre Costa.

O debate contará com a participação do professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas e coordenador do projeto, Eduardo Fagnani; do coordenador-geral do Consórcio Nacional de Secretarias de Fazenda, Finanças, Receita e Tributação (Consefaz), André Horta Melo; do pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e diretor da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado, Rodrigo Octávio Orair; do gerente-executivo de Políticas Econômicas da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco; e de um representante da Receita Federal. A iniciativa é do senador Garibaldi Alves Filho (MDB-RN).

Apresentado pela Anfip e Fenafisco em abril de 2018, o manifesto busca fomentar um debate amplo com o objetivo de corrigir as anomalias do sistema tributário brasileiro, entre elas a reduzida participação dos tributos diretos sobre a renda e o patrimônio. De acordo com as duas entidades, essa seria uma das razões da vergonhosa distribuição de renda no Brasil, quesito em que o país é o vice-campeão mundial, num ranking liderado pela África do Sul.

Segundo levantamento da Anfip e Fenafisco, 50% da carga tributária no Brasil vêm do consumo, enquanto a média nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que reúne os países mais desenvolvidos do planeta, é de 32%. O imposto sobre a renda corresponde a 21% de todo o tributo cobrado, enquanto a média dos países da OCDE é de 34%.

Desigualdade - Em pronunciamento ontem, o senador Paulo Paim (PT-RS) informou que um grupo de trabalhadores da Secretaria da Receita Federal e das secretarias estaduais lançou um movimento por uma reforma tributária solidária. A ideia é combater a desigualdade social e financeira.

Paim disse que esse movimento pretende fomentar um amplo debate para corrigir os desequilíbrios do sistema de impostos no Brasil. Para ele, as anomalias podem ser facilmente percebidas em comparação com outros países capitalistas menos desiguais.
O senador também lembrou que quase 30% da renda do Brasil está nas mãos de 1% dos habitantes. É a maior concentração do mundo, de acordo com a Pesquisa Desigualdade Mundial 2018, coordenada pelo economista francês Thomas Piketty, entre outros estudiosos.

Segundo estudo da Organização das Nações Unidas (ONU), a pobreza no Brasil tem cor. Mais de 70% das pessoas vivendo em extrema necessidade no País são negras. Sessenta e quatro por cento dos extremamente pobres não completam a educação básica; e 80% dos analfabetos brasileiros são negros. No Brasil, a desigualdade tem outra discriminação hedionda: gênero feminino. Mulheres ganham 62% do valor dos rendimentos dos homens,- ressaltou Paim.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

22/06/2018
Reforma vale apenas para novos contratos
Maioria das mudanças não se aplica aos processos abertos antes de 11 de novembro de 2017, diz o TST
22/06/2018
Especialistas propõem taxação sobre renda
Brasília - O Brasil precisa aumentar a tributação direta sobre a renda e reduzir a carga tributária indireta sobre mercadorias, bens e serviços. Essa foi a...
21/06/2018
Prazo para adesão ao Pert temina em 9 de julho
Dívidas superam R$ 5,7 bi em MG
21/06/2018
CVM apura conduta dos irmãos Batista
Rio de Janeiro - A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) transformou em processo administrativo sancionador (PAS), ou seja, sujeito à punição, o processo...
21/06/2018
Guardas municipais não têm direito à aposentadoria especial
Brasília - O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ontem, por maioria, que guardas municipais não têm direito à aposentadoria especial em virtude da...
› últimas notícias
Minas apura alta de 1,4% no primeiro trimestre
Operação financeira depende do Judiciário
Lucro das cinco maiores cresce 44,8% frente a 2017
Ocupação frequente do Expominas beneficia hotéis do Oeste de BH
União programa realizar em novembro megaleilão de áreas para exploração do pré-sal
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


22 de junho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.