Publicidade
20/11/2017
Login
Entrar

Política

14/11/2017

Caixa poderá ser agente operador de jogos de azar

FP
Email
A-   A+
Brasília - A Caixa Econômica Federal quer ser o agente operador de jogos de azar se estes forem legalizados no Brasil. A afirmação foi feita ontem pelo presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, após cerimônia no Palácio do Planalto.

Occhi disse que já conversou sobre o tema com os senadores Ciro Nogueira (PP-PI) e Benedito de Lira (PP-AL), respectivamente autor e relator de um projeto de lei que regulamenta os jogos eletrônicos, bingos e cassinos.

“Não vamos ter concessões disso tudo, mas acho que a Caixa, por ter credibilidade de jogos no país, tem condições de oferecer seu serviço à essa estruturação”, disse o presidente da Caixa. “Acho que é grande oportunidade. Temos todos os jogos eletrônicos no país e a receita vai para outros países. Temos a oportunidade de trazer esse investimento para o Brasil”.

De acordo com Occhi, estudos mostram que arrecadação tributária com a legalização de jogos pode ser alta. “Mais ou menos ouvi [que a arrecadação tributária] poderia ser de R$ 20 bilhões por ano, em potencial de receita com jogos”.

Para o executivo, o banco é o único com credibilidade para ser o agente operador de jogos. “Você vai precisar ter participação de pagamento, de fiscalização, de acompanhamento, tudo isso. A Caixa é a única entidade autorizada legalmente a promover jogos no Brasil.”
De acordo com ele, o maior potencial está nos jogos eletrônicos. “É o maior potencial de apostas do País, mais que bingo e mais que cassino. O cassino é mais para o desenvolvimento de algumas regiões do País”, avaliou.

Segurança - Os governadores são favoráveis à ideia de legalizar os jogos e, com os recursos, criar um fundo para a segurança pública. Na semana passada, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ouviu a proposta e disse que ela é importante e que ele é favorável à ideia, mas afirmou que a prioridade hoje deve ser a reforma da Previdência.

“A ideia é boa, de liberar os cassinos no Brasil, inclusive em termos de emprego. Sou a favor, mas acho que pensar no financiamento da segurança, da educação e saúde sem pensar na Previdência, a gente só vai estar adiando o problema”, afirmou Maia na ocasião.

“Esse dinheiro (do fundo de segurança pública) seria rapidamente engolido pelos déficits da Previdência nos estados. Maia disse que era muito melhor fazer a reforma da Previdência, que entra dinheiro mais rápido no cofre de todo mundo”, afirmou o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, depois do encontro.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/11/2017
Governo descongela R$ 7,5 bilhões
Desse total, R$ 593,45 milhões serão usados no pagamento de emendas parlamentares
18/11/2017
TSE quer nova data para horário de verão
Brasília - O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) quer que o governo federal mude a data do horário de verão do próximo ano. Em encontro com o presidente Michel Temer, na...
18/11/2017
Plenário do STF vai julgar se fatia denúncia
Brasília - O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), vai levar ao plenário da corte uma sugestão feita pelo presidente Michel Temer para que...
18/11/2017
Maia diz não garantir a votação da MP que reforma texto
Presidente da Câmara acha que documento é ?erro?
18/11/2017
Aprovação das mudanças será mais difícil se processo for adiado até 2018
Brasília - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), vê dificuldades para a aprovação da reforma da Previdência, mas avalia que ainda...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.