17/06/2018
Login
Entrar




Agronegócio

13/03/2018

Canadense Nutrien planeja abocanhar até 30% das vendas do setor no Brasil

Reuters
Email
A-   A+
Winnipeg/ São Paulo - Virando uma página de sua estratégia de crescimento agressivo nos Estados Unidos, a gigante canadense Nutrien planeja investir no Brasil, em uma tentativa de abocanhar até 30% das vendas de suprimentos agrícolas no País.

Mas os negócios no setor agrícola brasileiro - o que mais cresce no mundo – se afastam das práticas comuns nos cinturões produtores da América do Norte, onde a Nutrien é um dos principais fornecedores de fertilizantes, produtos químicos e sementes.

O Brasil ainda é um lugar onde a antiga economia de barter, de troca de colheitas por fertilizantes, continua comum, ajudando agricultores brasileiros a mitigar a alta dependência de crédito. Vender diretamente aos agricultores como pretende a Nutrien é um risco que as rivais Mosaic e Yara International estão evitando, disseram altos executivos de ambas as empresas à Reuters.

Para a Nutrien, vendas em varejo de sementes, produtos químicos e fertilizantes para agricultores brasileiros são uma maneira de gerenciar outro risco - a volatilidade nos preços de fertilizantes. As lojas de varejo nos Estados Unidos são uma “bênção” durante períodos de alta oferta e preços baixos - como agora -, porque dão ao maior produtor mundial de fertilizantes a garantia de demanda em um grande mercado agrícola.

Os barters brasileiros geralmente envolvem agricultores, manipuladores de grãos como Cargill e vendedores de fertilizantes em acordos de três vias, em que os produtores comprometem uma parcela de sua futura colheita para a trading de grãos em troca de fertilizantes.

Esses mecanismos são desnecessários no Canadá e nos Estados Unidos, onde os bancos e os financiadores governamentais oferecem amplo crédito aos agricultores durante o outono, quando podem começar a vender sua produção. Os agricultores brasileiros não possuem credores tão dispostos e, por isso, monetizam culturas que nem foram plantadas ainda.

“Produtores brasileiros usam sua soja como dinheiro, usam milho como dinheiro”, disse Rick McLellan, vice-presidente sênior do Brasil para a Mosaic, que faz alguns acordos de barter.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

16/06/2018
Nova lei transfere controle para os estados
Até então, o comércio interestadual de produtos artesanais de origem aninal só era permitido com o SIF
16/06/2018
Coleta de Sempre-Vivas pode ganhar selo
Minas Gerais pode ter o primeiro Patrimônio Agrícola Mundial brasileiro. É o sistema de agricultura tradicional da Serra do Espinhaço, no Território Alto...
16/06/2018
São Roque de Minas sedia Concurso Estadual
Neste sábado, 16 de junho, será realizada, em São Roque de Minas, região Centro-Oeste, a final do 11º Concurso Estadual de Queijo Minas Artesanal. A disputa...
15/06/2018
Abates aumentam com exportações
Houve incremento no ramo de bovinos (10%) e suínos (2,2%), mas queda no de frangos (13,8%)
15/06/2018
Venda direta de etanol aos postos divide produtores
São Paulo - O Projeto de Decreto Legislativo 61/2018, que autoriza a venda direta de etanol hidratado de usinas para os postos, é rejeitado pelas distribuidoras e dividiu o setor de...
› últimas notícias
BDMG reduz juros para MPEs
Valor de dívidas de estados e municípios foi de R$ 594,1 mi
Fazenda critica MP do frete ao STF
Liberação de saque deve injetar R$ 39,3 bi no mercado
Uberlândia está no rumo da universalização
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


16 de junho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.