Publicidade
26 de May de 2017
Login
Entrar

DC Mais

18/03/2017

Casos de febre chikungunya aumentam em Minas Gerais

Email
A-   A+
Brasília - Os casos de febre chikungunya têm crescido em Minas Gerais. De acordo o último boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde do Estado (SES-MG), apenas neste ano, são 2.296 notificações. Os números dos primeiros meses de 2017 superam em quatro vezes o registrado em todo o ano passado (501 notificações).

O levantamento não diz quantas notificações são casos confirmados e quantas ainda são apenas suspeitas. Nesta semana, a SES-MG confirmou a primeira morte suspeita por febre chikungunya no Estado. A confirmação depende de exames laboratoriais.

Assim como o vírus Zika e a dengue, a febre chikungunya é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. Após a infecção, os sintomas surgem entre dois e 12 dias. A vítima pode ter febre alta, dores intensas nas articulações e nos músculos, dor de cabeça, cansaço, mal-estar e manchas vermelhas na pele. Uma vez curada, a pessoa ganha imunidade para o resto da vida. Não há vacina, e a principal medida de prevenção é o combate ao vetor, sobretudo com a eliminação dos criadouros do mosquito.

Os primeiros registros da doença em Minas Gerais são de 2014. Naquele ano, houve 18 notificações, mas todos os casos foram de pessoas infectadas fora do Estado. Somente em 2016, foram confirmadas transmissões de febre chikungunya em Minas Gerais.

Dengue e zika - A dengue, por outro lado, vem registrando números menores na comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com o boletim da SES-MG, em janeiro e fevereiro, Minas Gerais registrou 13.539 notificações para a doença. Nos mesmos meses do ano passado, já havia 198.098 registros da doença.

Neste ano, já foram registradas nove mortes suspeitas por dengue. Em 2016, foram 253 óbitos confirmados. Há ainda 39 casos em investigação.

Os casos de Zika também se reduziram. Os dois primeiros meses de 2017 registraram apenas 283 notificações, contra 5.706 no mesmo período do ano passado.

O vírus Zika é apontado como provável causa da microcefalia em recém-nascidos. Por essa razão, existe uma preocupação redobrada com a infecção de gestantes. Neste ano, Minas Gerais registrou cinco casos confirmados da doença em mulheres grávidas, sendo três delas na capital mineira e mais duas no interior. (ABr)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

26/05/2017
Amor aos livros enriquece vocabulário e comunicação
Aproxima-se a hora de dormir. Carlos já tomou o seu lanchinho da noite e escovou os dentes. O ritual de encerramento do dia, no entanto, ainda não terminou. Animado, pede que lhe...
26/05/2017
CURTAS DC Mais
Liberdade de Impostos No dia 1º de junho, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) e a CDL Jovem promoverão, em Belo Horizonte, a 11ª...
26/05/2017
Agenda Cultural
Mulheres Mostra - A primeira exposição assinada coletivamente pela equipe da cAsA – Obras Sobre Papel, Impressões – Mulheres artistas no acervo da cAsA...
25/05/2017
Corte Interamericana julga morte de Vladimir Herzog pela ditadura
São Paulo - A Corte Interamericana de Direitos Humanos começou a julgar ontem o caso da morte do jornalista Vladimir Herzog, assassinado por agentes da ditadura brasileira em...
25/05/2017
CURTAS DC Mais
Espécie de sapo Uma nova espécie de sapo foi encontrada no Parque Estadual da Serra do Brigadeiro (Pesb). A identificação do Brachycephalus darkside foi resultado...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.