22/07/2018
Login
Entrar




DC Auto

15/06/2018

CBR 1000 RR Fireblade 2018 é lançada

Nova geração do modelo da Honda está 15 kg mais leve, 11 cv mais potente e recheada de eletrônicos
Da Redação
Email
A-   A+
A Honda lançou, no Brasil, a versão 2018 da nova CBR 1000RR Fireblade, que recebeu atualizações de grafismo das carenagens. Esta nova geração está mais leve (redução de 15kg) e 11cv mais potente, o que assegurou uma relação peso/potência recorde de 14% a mais que o modelo anterior, segundo a Honda.

Uma das novidades desta geração é o pacote eletrônico. Uma unidade de medição de inércia (IMU), novo módulo de controle de tração regulável (HSTC) e sistema de seleção do modo de condução da motocicleta (RMSS) são algumas das inovações responsáveis por agregar maior desempenho e segurança ao modelo.

As duas versões comercializadas no mercado brasileiro, CBR 1000RR Fireblade e CBR 1000RR Fireblade SP, são diferenciadas por uma série de componentes em sua estrutura ciclística e mecânica.

A redução de peso atingiu tal patamar que levou em consideração itens como parafusos e arruelas, além de pequenas peças plásticas, entre outros itens. Na CBR 1000RR Fireblade SP, por exemplo, o escape e tanque de combustível (16 litros) foram desenvolvidos em titânio.

As carenagens ficaram menores, mais justas e também mais compactas. Além de um visual mais moderno, a novidade propiciou uma melhora na refrigeração do motor e mais entrada de ar nos dutos dos radiadores, nas laterais dos faróis e lanternas.

As linhas ficaram mais limpas e retas, convergindo a um ponto comum na dianteira da motocicleta. Destaque ainda para a rabeta elevada e o assento em dois níveis, com altura de 832mm (834mm SP).

Tecnologias - No pacote tecnológico estão inclusos sistemas como uma unidade de medição de inércia (IMU) de 5 eixos que faz a análise da moto em todos os planos e comanda o sistema TCS de controle de torque regulável (HSTC), promovendo com precisão a tração enviada à roda traseira, por meio da ECU do sistema de injeção e do acelerador eletrônico (Throttle-by-wire).  

Já os novos freios ABS (também geridos pela IMU), oferecem uma função de controle de elevação da roda traseira RLC (Real Lift Control), onde quaisquer diferenças detectadas entre a velocidade das duas rodas, ativam o sistema, além de um novo sistema de seleção do modo de condução da motocicleta (RMSS), que libera potência em níveis por meio da resposta ao acionamento do acelerador.

A nova CBR 1000RR Fireblade é também a primeira motocicleta com motor 4 cilindros da Honda a sair de fábrica com acelerador eletrônico Throttle-by-Wire (TBW).

Sua função é proporcionar maior precisão e sensibilidade nas acelerações, uma vez que todo trabalho fica por conta da ECU (Unidade da Central Eletrônica) e do sensor de posicionamento da manopla do acelerador (APS).

O painel de instrumentos totalmente digital (LCD) traz informações como hodômetro total e parcial, consumo médio e instantâneo, velocímetro, tacômetro, luzes de alerta e de avisos.

O visor LCD de alta definição exibe as informações de todos os parâmetros eletrônicos de assistência que podem ser ajustados de acordo com o gosto e tipo de uso do condutor. Destaque, ainda, para o sensor do painel, que se adapta automaticamente à luz ambiente, um detalhe que facilita a visualização das informações em qualquer situação de iluminação.

Pilotagem - À direita do guidão, e próximo à manopla, está o botão da função Mode, responsável por selecionar até cinco modos de pilotagem. Os três primeiros estão divididos em Street (Modo 3), para uma pilotagem mais suave e que prioriza o conforto; Winding (Modo 2), que permite uma pilotagem mais esportiva, porém, equilibrada com a atuação dos controles de segurança e Track (Modo 1), onde toda força e desempenho são disponibilizados a pleno, ou mesmo desligados por completo.

Para isso, uma central eletrônica mantém pré-ajustados parâmetros de funcionamento de três características básicas: potência do motor, controle do torque e o controle do freio-motor.

Os modos 4 e 5 estão disponíveis para as definições pessoais e totalmente configuráveis do piloto. É possível personalizar e gravar na memória do sistema os níveis desejados de atuação para cada um dos parâmetros, com cinco níveis exclusivos para a potência e nove para a seleção de torque.

Na versão Fireblade SP ainda é possível configurar a suspensão semiativa, da marca Ohlins, em até seis níveis de ajuste e três para o freio-motor.

Um detalhe interessante são as informações de painel disponibilizadas para cada modo de condução, como tempo de volta, temperatura e até o ângulo de posicionamento da manopla do acelerador, segundo a opção do tipo de pilotagem.

Nas configurações mais automatizadas, a IMU (unidade de medição de inércia) trabalha junto com o controle de tração (HSTC), módulo ABS (freios antitravamento) e sensores fixados nas rodas dianteira e traseira.

Isso significa que, dependendo do modo de condução escolhido, a CBR 1000RR Fireblade não permite, por exemplo, situações de aceleração que tirem a roda da frente do solo, ou mesmo que façam a roda traseira escorregar em saídas ou entradas de curvas.

Seja um momento de retomada de velocidade ou mesmo frenagens bruscas, qualquer leitura anormal nestas condições será corrigida de forma instantânea e automática, sem riscos em relação à segurança do piloto.

MOTOR DE QUATRO CILINDROS RENDE 192 CV

Na suspensão dianteira, o garfo telescópico da Showa BPF (Big Piston Forks) é do tipo invertido de 43mm de diâmetro, com possibilidade de ajustes na pré-carga da mola e curso de 120mm.

Os freios ABS são de disco duplo na frente e simples atrás, com pinças totalmente novas, mais leves e eficientes, com tecnologia das marcas Brembo (modelo SP) e Tokico (Standard).

Os pneus têm dimensões de 120/70 R17 à frente e 190/50 R17 atrás. Na traseira a suspensão tem curso de 62mm e está equipada com amortecedor Showa totalmente ajustável, de forma a oferecer o máximo de conforto e estabilidade.

A versão SP tem suspensões exclusivas e diferenciadas. Isso porque é a primeira motocicleta Honda a ser equipada com um conjunto desenvolvido em uma parceria com a tradicional marca Öhlins.

O resultado é um sistema que pode ser ajustado eletronicamente em todos os seus níveis, direto no painel da motocicleta, na personalização dos modos de condução. São seis níveis de ajustes da suspensão, sendo três manuais e outros três automáticos.
O motor é o DOHC quatro cilindros em linha de 999,8cm³, 4 tempos e arrefecimento a líquido. São 192cv de potência a 13.000 rpm, com torque de 11,82 kgfm, que possibilitou um aumento de 14% a mais na relação peso/potência sobre o modelo anterior, deixando-a muito próxima da marca de 1:1.

Em duas versões, o câmbio possui seis velocidades com a transmissão final feita por corrente. A CBR 1000RR Fireblade já está disponível no mercado brasileiro.
Importada do Japão, conta com 3 anos de garantia e o exclusivo Honda Assistance 24h, com assistência durante todo o período de vigência da garantia em todo território brasileiro, incluindo Argentina, Chile, Uruguai e Paraguai.

Seu preço público sugerido é de R$69,90 mil na versão CBR 1000RR Fireblade, disponível na cor vermelha, e R$79,90 mil na versão CBR 1000RR Fireblade SP, inspirada nas cores de competição HRC (branco, azul e  vermelha), sem despesas de frete e seguro.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/07/2018
Câmbio automático para Polo e Virtus 1.6
Versão visa atender, principalmente, o público PCD e modelos ficam abaixo da faixa de R$70 mil
13/07/2018
Spin ganha novo design para a linha 2019
Segunda fileira de bancos passa a ser corrediça e versão aventureira tem opção de sete lugares
06/07/2018
BMW M5 chega ao mercado nacional
Vendido em duas versões (R$ 694,95 mil e R$ 739,95 mil), conta com motor V8 de 600 cv de potência
29/06/2018
Ford EcoSport Storm tem tração integral
Sistema 4WD atua sob demanda. Utilitário conta, também, com câmbio automático de seis marchas
22/06/2018
Lifan lança o novo X80 no mercado brasileiro
SUV tem motor 2.0 turbo de 184 cv
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.