16/08/2018
Login
Entrar

Negócios

21/11/2017

CDL acelera cinco empresas com soluções inovadoras

Programa repassou R$ 50 mil
Thaíne Belissa
Email
A-   A+
O Varejo Inteligente é uma grande oportunidade dos empresários terem contato com produtos e soluções inovadoras/Divulgação
A segunda fase do programa Varejo Inteligente, da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH), já funciona a todo vapor com as cinco startups belo-horizontinas finalistas. Com soluções diversas para o varejo, as vencedoras foram Bagy, HiPosition, Price Survey, Exato e MoneyObra. Cada uma delas recebeu investimento de R$ 10 mil e a chance de participar, por mais oito semanas, de aceleração que inclui mentoria e conexão com o mercado.

Lançado em julho deste ano, o programa teve 65 startups inscritas, das quais 20 foram selecionadas para a aceleração que iniciou em agosto. Na primeira fase, as empresas passaram por um diagnóstico e receberam apoio em diferentes áreas para o desenvolvimento da ideia como um negócio. Para continuar no programa e receber o investimento de R$ 10 mil, as startups passaram por uma segunda análise, que culminou na seleção das cinco finalistas.

De acordo com o coordenador do programa Varejo Inteligente, Marcelo Costa, a escolha das empresas foi baseada em um conjunto de critérios definidos pelo programa. Entre eles está o perfil dos empreendedores. “Analisamos a capacidade de execução desse empreendedor, assim como a presença nas atividades do programa, o cumprimento de tarefas e as conexões realizadas”, diz. Outros critérios são a evolução da empresa em maturidade durante o programa, a equipe, validações com o mercado, aderência do negócio proposto ao mercado, entre outros.

Costa destaca que as diferentes soluções oferecidas pelas startups podem ser muito úteis no dia a dia do varejo, mas também um incentivo a outros tipos de inovação. Ele destaca que o projeto é justamente para dar esses insigths aos comerciantes, assim como para fortalecer negócios inovadores e com potencial na Capital. “Nosso objetivo é ser uma ponte entre startups e varejo. Queremos ajudar as startups a amadurecerem, a pararem de falar só o ‘startapês’ e passarem a falar mais de negócio. Ao mesmo tempo queremos incentivar o varejista a enxergar a inovação”, diz.

Leia também:
Araxá sedia 1º Encontro Conexão Startups
Méliuz prevê aumentar vendas nesta Black Friday


Solução - Uma das startups selecionadas foi a Bagy, que desenvolveu uma plataforma de vendas para o varejo on-line de moda integrada ao Instagram. A diretora de Marketing, Luiza Cordeiro de Mendonça, afirma que a experiência no programa foi muito positiva até o momento. Segundo ela, foi com a experiência no Varejo Inteligente que a startup conseguiu estruturar melhor seu funil de vendas e aumentar a oferta de funcionalidades de sua ferramenta. Segundo ela, o investimento de R$ 10 mil será aplicado em estruturação de estratégia de marketing e aperfeiçoamento da solução.

A Bagy é um marketplace onde cada loja tem seu próprio perfil criado a partir das informações postadas no Instagram. Na medida em que o lojista “sobe” as fotos de seus produtos na rede social, essas imagens são incorporadas como produtos à loja do varejista na Bagy, de forma que ele só precisa incluir as informações que ele quiser.
Para o cliente que também baixa o aplicativo da Bagy o ganho está na sugestão de compra: cada imagem de produto que o usuário curte no Instagram já é adicionada aos seus favoritos no marketplace. A startup cobra dos lojistas uma anuidade de R$ 150 e mais 10% de comissão de venda, o que inclui a taxa do cartão de crédito.

A empreendedora destaca que a solução oferecida pela Bagy, assim como as ferramentas das outras participantes do programa, são oportunidades para os varejistas se engajarem nesse caminho sem volta, que é a inovação. “A nova geração entende que a experiência de compra on-line tem a mesma relevância da experiência off-line, então essa é uma realidade e o negócio que não se adaptar não vai ser mais viável”, alerta.

Outra startup finalista do programa é a Hiposition, que desenvolveu uma plataforma que permite ao lojista enviar informações, promoções e anúncios via bluetooth para clientes em potencial. O aplicativo envia notificações aos usuários cada vez que estiverem perto de um ponto comercial equipado com um iBeacon. A empresa já instalou sua ferramenta em cerca de 2 mil pontos de vendas no Brasil.

O CEO, Armando Júnior, afirma que o programa vem contribuindo sistematicamente para a startup, que já experimentou melhorias em processos e ferramentas. Segundo ele, o investimento recebido será usado para aumentar o capital de giro da empresa.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

15/08/2018
Camicado investe R$ 3 milhões em BH
Rede abriu sua oitava loja própria em Minas Gerais no Shopping Del Rey, na região Noroeste da Capital
15/08/2018
Casa do Construtor estima um faturamento 15% maior neste ano
Especializada na locação de máquinas e equipamentos de pequeno porte para a construção civil, a paulista Casa do Construtor confia na retomada da economia e, com...
15/08/2018
Rede Pay investe R$ 100 mi em franquia de meios de pagamento
Rede pretende ter 50 unidades em MG
15/08/2018
Como evitar a polarização de ideias no ambiente corporativo
O termo polarização já está no mainstream, ou seja, no cotidiano dos brasileiros. É mais comum ainda ouvir essa palavra em referência à atual corrida...
15/08/2018
Via\W passa a atender pequenas empresas
Consultoria busca parceiros comerciais em Minas Gerais
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


15 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.